Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

sábado, 17 de julho de 2021

Jazz Standards (204)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in

http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

Royal Garden Blues (#204) - Música de Spencer Williams e Letra de Clarence Williams

Clarence Williams e Spencer Williams não eram parentes, embora ambos tenham nascido em New Orleans com alguns anos de diferença (1898 e 1889, respectivamente). Clarence, não foi apenas um pianista que acompanhou muitos dos cantores de blues como Ethel Waters, Bessie Smith e sua esposa Eva Taylor em suas gravações, mas ele liderou a sua própria orquestra que, ocasionalmente, incluía Louis Armstrong e Sidney Bechet.

...

Louis Armstrong (New Orleans, EUA, 04-08-1901 — New York, EUA, 06-07-1971) - Louis Armstrong e os seus “All Stars” ao vivo, em Berlim, em 1965. Com Arvell Shaw (contrabaixo), Eddie Shu (clarinete e saxofone), Danny Barcelona (bateria), Billy Kyle (piano), Tyree Glenn (trombone) e Louis Armstrong (trompete e vocais).

Sant Andreu Jazz Band (2006) -  dirigida por Joan Chamorro, com Scott Robinson (saxofone baixo), Ricard Gil, Victor Carrascosa e Alba Armengou (trompetes),  Marças Perramon (clarinete), Alba Esteban (saxofone soprano curvo), Max Tato (trombone), Jan Domenech (piano), Carla Motis (banjo) e Ivan Cervantes (bateria)

Bix Beiderbecke (Davenport, Iowa, EUA, 10-03-1903 - Sunnyside, Queens, New York, EUA, 06-08-1931) e His Gang – a orquestra “New Orleans Lucky Seven” conhecida por “His Gang”. Com Bill Rank (trombone), Don Murray (clarinete), Adrian Rollini (saxofone baixo), Frank Signorelli (piano) e Chauncey Moorehouse (bateria). Em 5 de Outubro de 1927.

Count Basie (Red Bank, New Jersey, EUA, 21-08-1905 - Hollywood, Florida, EUA, 26-04-1984) e Oscar Peterson (Montreal, Quebec, Canadá, 15-08-1925 – Mississauga, Ontário, Canadá, 23-12-2007) – Com Niels-Henning Örsted Pedersen (contrabaixo), Count Basie e Oscar Peterson (pianos). Gravado em Praga, Checoslováquia, em 1974.

Letra

No use of talkin' no use of talkin'

You'll start in dog-walkin' no matter where.

There's jazz-copation blues modulation,

Just like a Haitian you'll rip and tear.

Most everybody likes the blues

Here's why I'm ravin', here's why I'm ravin'

If it's blues you are cravin' just come on down.

You'll hear 'em playin', you'll hear 'em playin'

Soon you'll be sayin', "Hon jazz me 'round"

Because your feet they can't refuse.

What's that familiar strain that true blue note refrain

It's drivin' me insane,

Can't keep still, tho' it's against my will;

I'm on my P's and Q's I just can't refuse.

There goes that melody, it sounds so good to me,

And I am up a tree,

It's a shame, you don't know the name;

It's a brand new blues,

The Royal Garden Blues.

Everybody grab somebody and…

Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos).

4 comentários:

  1. Gostei muito de ver (e ouvir, claro) a Sant Andreu Jazz Band com aqueles jovens músicos. )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O vídeo dos jovens é particularmente bom e demonstra bem aquilo que deve ser dado à juventude para, não só que se instruam e divirtam, mas também que possam desta maneira ser afastados da vida do mal.
      Luísa obrigado

      Eliminar
  2. Jazz... um universo que gosto imenso de ir descobrindo por aqui!
    Sempre pensei que fossem parentes... Clarence e Spencer... na minha cabeça, seriam irmãos...
    Adorei os vídeos que sempre me fazem associar esta sonoridade aos loucos anos 20... uma época tão rica em acontecimentos vários... e da qual até se podem retirar certos paralelismos para os tempos actuais... com pandemias, radicalismos... e o mundo a mudar bem depressa...
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este vídeos de Jazz "New Orleans" dos loucos anos 20, são sempre contagiantes. Tenho aqui alguns exemplos deste tipo de jazz, anos 20. Infelizmente muitos dos vídeos para trás vão desaparecendo do Youtube, por vários motivos.
      Ana obrigado e abraço

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!