Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

terça-feira, 6 de julho de 2021

Alcunhas Alentejanas (11) - Kadaffi

É uma nova rúbrica, baseada no livro de Francisco Martins Ramos e Carlos Alberto da Silva, intitulado “Tratado das Alcunhas Alentejanas” (3.ª edição, Fevereiro de 2003), editado pela “Edições Colibri, Lda.”, Faculdade de Letras de Lisboa.  


Pedi autorização à editora Colibri e o sr. Fernando Mão de Ferro escreveu-me e autorizou-me no dia 9 deste mês (Sem problemas. Parabéns pelo projecto. Fernando Mão de Ferro) que avançasse com estas pequenas publicações. Dos autores, tentei contactar com um deles, visto que o outro, infelizmente, já faleceu, mas até agora não obtive qualquer resposta. Os textos  que publicarei não irão plagiar o livro. Irei tratar os textos de outra maneira e de algum modo publicitarei o “Tratado das Alcunhas Alentejanas”, através destes “posts”. É, como já frisei, um livro/tratado extremamente interessante e digno que figurar numa prateleira de uma biblioteca pessoal. Nele foram tratadas cerca de 20.000 alcunhas, por todo o Baixo e Alto Alentejo.

Esta publicação terá 52 números (2 voltas ao alfabeto de 26 letras) porque queremos apenas chamar à atenção dos leitores sobre a importância e o trabalho realizado. Escolheremos as alcunhas a tratar, uma por cada letra do alfabeto português, de A a Z. Foram também incluídas, as letras K, W e Y.

Tratado das Alcunhas

Kadaffi – masculino, cognome individual, alcunha adquirida, designação assumida, designação rejeitada, alcunha de tratamento, alcunha de referência, classificação: política / profissional / comportamental; história: Alcunha atribuída a um soldado da GNR cuja personalidade não é nada simpática (Castelo de Vide); o receptor é considerado uma pessoa má e, por isso, colocaram-lhe esta alcunha (Odemira, Avis, Viana do Alentejo e Santiago do Cacém); o nomeado, quando andava na escola, era o terror de professores e colegas. Duante a época de conflito em que o Kadaffi esteve envolvido, este rapaz, atirava bolas de papel e dizia que eram bombas (Serpa); um dia, o receptor estava bêbado e começou a gritar à porta do sogro: “Abra a porta que é o Kadaffi!” (Moura); designação outorgada a um indivíduo que teria estado envolvido em actos de terrorismo (Grândola).

(In Tratado das Alcunhas Alentejanas”, 3.ª edição, Fevereiro de 2003)

Kadaffi procurado pela justiça

12 comentários:

  1. E acabou encolhido como um cão raivoso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto !...mais um ditadorzinho, deste Mundo :( !
      Abraço

      Eliminar
  2. Interessante publicação que seguirei. Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este livro de "Alcunhas Alentejanas" do qual vou publicar aqui 52 publicações, terá a etiqueta "Alcunhas Alentejanas" e o no livro constam perto de 20.000 alcunhas. Um trabalho exemplar dos Professores Francisco Martins Ramos e Carlos Alberto da Silva, editado pela Edições Colibri, Lda, numa excelente iniciativa !
      Brancas nuvens negras, obrigado

      Eliminar
  3. Infelizmente andam muitos kadaffis por aí :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão... infelizmente há muita "gentalha" desta :( !
      Manuela obrigado

      Eliminar
  4. Estou com a Manu!

    Posso confessar-te uma coisa?
    Fiquei admirada por teres colocado aqui este vídeo.
    Tu, a dares tempo de antena a este tipo?

    Beijinhos sem alcunha/adjetivo
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Limitei-me a ilustrar este vilão, mais nada. Para que as pessoas soubessem de quem se fala.
      Clara obrigado

      Eliminar
  5. Desconhecia o significado da palavra como alcunha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Catarina este como já disse tem cerca de 20.000 alcunhas. No fundo é mesmo um "Tratado" de consulta para encontrar nomes de todo o tipo. Como é rico o nosso Português (PT) !!!
      Obrigado

      Eliminar
  6. Podia ser um tirano... mas nunca mais ninguém conseguiu manter a ordem, para aqueles lados... e a política no Médio Oriente, não conheceu grandes melhoras... bem pelo contrário... continua a ser o protagonista da minha diminuta colecção de selos... com o maior selo da minha colecção... :-)) foi-me dado... e claramente até os selos eram um instrumento de propaganda do seu lider... emergindo num mar de explosões, e arsenal bélico... a ver se qualquer dia, tiro umas fotos das minhas colecções...
    Não sabia, que era considerado uma alcunha no Alentejo... estamos sempre a aprender!
    Um grande abraço!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Havia (anedota!!!) um selo do Salazar que diziam que não se conseguia colar, na época. Isto porque, as pessoas punham o cuspo na cara da fotografia do Salazar, em vez de porem no lado onde estava a cola :))) ... histórias cómicas da época fascista :))) !

      Os alentejanos, neste livro têm perto de 20.000 alcunhas... São uns "brutos" :)))) !

      Ana obrigado e abraço

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!