Teus olhos contas escuras, são duas Avé Marias, dum rosário d’amarguras, que eu rezo todos os dias. - Fernando Pessoa

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

A Sopa do Pacto (10), solução



Quem participou:

1 – Clara: (Hermínia Silva “Vou Dar de Beber à Alegria”, Carlos Ramos, Tony de Matos e Maria da Fé “Valeu a Pena”)

2 – Luísa: (Hermínia Silva, Carlos Ramos, Tony de Matos e Maria da Fé)

3 – Janita: (Hermínia Silva, Carlos Ramos, Tony de Matos e Maria da Fé)

4 – Pedro Coimbra: (Hermínia Silva, Carlos Ramos “Não Venhas Tarde”, Tony de Matos “Só Nós Dois” e Maria da Fé)

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

A Sopa do Pacto (10)


“A Sopa do Pacto” é a nova rúbrica, baseada basicamente no passatempo “Sopa de Letras”. Conterá sempre um quadrado, como figura geométrica, de 7x7, 8x8, 9x9 ou 10x10, e as palavras a adivinhar estarão colocados nas posições utilizadas na “sopa de letras”, horizontal, vertical e diagonal, em ambos os sentidos.
A “sopa” serão quase sempre 4 artistas do foro musical: uma voz feminina; uma voz masculina e duas bandas. Os artistas terão sempre dois nomes, pelos quais são mais conhecidos, mas as bandas poderão ter só um nome, pela qual é conhecida.

Terão de me enviar por mail (ricardosantos1953@gmail.com) o puzzle totalmente solucionado ou o que conseguiram encontrar até ao final do prazo limite, indicando onde se encontram as duas vozes e as duas bandas. Cada um de vós acrescentará, e somente, duas canções interpretadas por um dos artistas do puzzle à escolha, uma de um e uma de outro.

O tempo limite para resolverem a “sopa”, os artistas no puzzle e escolherem as duas canções será de 48 horas. Dúvidas serão aqui respondidas nos comentários.

Terminadas as 48 horas, publicarei as respostas e as composições, de quem completou totalmente ou parcialmente. Sou eu que escolho as canções por vós indicadas. Não serão, necessariamente, da pessoa que me deu a resposta do puzzle resolvido mais rapidamente.

A “Sopa do Pacto” número 10, é com fadistas (duas mulheres e dois homens. Dos seus nomes foram omitidos do, da, dos, das e de):



No dia 10-12-2019 às 20:00, publicarei as soluções; No dia 11-12-2019 às 00:00, publicarei as músicas.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Charada 7.º Arte – Arthur Duarte (2)

Fotos e nomes correctos: Maria Olguim e Curado Ribeiro

1- Elvira: (Maria Olguim e Curado Ribeiro, “O Costa do Castelo”)

2- Janita: (Maria Olguim, “O Leão da Estrela” e Curado Ribeiro “O Costa do Castelo”)

3- Teresa: (Maria Olguim, “O Leão da Estrela” e Curado Ribeiro “O Costa do Castelo”)

4- Pedro Coimbra: (Maria Olguim, “A Menina da Rádio” e Curado Ribeiro “O Costa do Castelo”)

5- Catarina: (Maria Olguim, “A Menina da Rádio” e Curado Ribeiro “O Costa do Castelo”)

6- Clara: (Maria Olguim e Curado Ribeiro, “O Leão da Estrela”)

7- Manuela: (Maria Olguim, “O Leão da Estrela” e Curado Ribeiro "O Costa do Castelo")

Muito Obrigado a Todos Vós pela participação e pelos acertos, que todos conseguiram. A ideia não é ser difícil, mas sim despertar as pessoas a verem bom cinema. Abraço !!!

Próximo realizador, o norte-americano Steven Soderbergh, que anunciarei na Newsletter a data de publicação.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Charada 7.ª Arte – Arthur Duarte


Realizador Arthur Duarte


O que têm de fazer:

Em baixo, descobrirem e dizerem-me (mail), ambos os nomes da actriz e do actor e em que filme (pelo menos um!) no qual tenham participado. Não é obrigatório que tenham participado no mesmo filme, mas os filmes têm de ser do realizador em questão.

Ajudas: O número de letras do nome a encontrar, e uma foto um pouco alterada.

Somente aceitarei os nomes correctos com as fotos.

Têm 48 horas para "matar a charada" e três palpites por actriz e outros três por actor.

Depois de amanhã, dia 4, pelas 20:00 publico a solução, bem como os seus participantes.


Actriz, duas palavras (11 letras):
_ _ _ _ _    _ _ _ _ _ _




















Actor, duas palavras (13 letras):
_ _ _ _ _ _     _ _ _ _ _ _ _




















Obrigado

domingo, 1 de dezembro de 2019

7.ª Arte - Arthur Duarte

Breves palavras sobre o que é para mim, o Cinema.

Durante os anos da minha juventude houve algo que me despertou o interesse e fez com que a minha ligação com os audiovisuais se tornasse, desde então, preponderante na minha vida. Esse algo foi o Cinema. A chamada 7.ª arte (arte da imagem) que quando dado o nome e na minha modesta opinião, ela reflectia somente a realidade do cinema mudo, por isso “arte da imagem”. Posteriormente a 7.ª arte tornou-se em algo muito mais complexo. A obra/filme tornou-se num conjunto de várias e ricas variáveis: a imagem, o texto, a cenografia, o som, o guarda-roupa, a interpretação, etc.. Tudo isso conglomerado e orientado de alguma maneira, por uma pessoa na arte de dirigir, o realizador.

Um bom filme, é como uma boa música ou um bom livro, é algo que deve ser visto mais que uma vez, para que nos apercebamos de coisas que numa só, é impossível. Um amante de cinema vê um filme duas, três vezes, para que nele possa visualizar todas essas variáveis de que falei anteriormente.

Vão passar por aqui alguns realizadores que fizeram e fazem parte do meu imaginário de cinéfilo. Nessa época, quando frequentei as salas de cinema em Lisboa, as filmografias de eleição eram: a italiana, a francesa, a alemã, a sueca, a espanhola, a nipónica, a americana. Mas passarão também, e obviamente, realizadores brasileiros e portugueses

Esta nova publicação intitulada 7.ª Arte, será muito de uma pequena mostra do que se via cinematograficamente em Lisboa, nos finais da década de 60 e 70, mas não só, porque teremos filmes muito mais actuais !!!
Tal qual, como todos vós, me reconhecem como um melómano amador, eu também sou um cinéfilo amador. O que vou trazer aqui foram/são obras que gostei/gosto e vi/revejo, e as minhas escolhas são apenas opiniões e gostos, livres de qualquer pretensiosismo !!!

No nome do realizador (se estrangeiro) e na maioria dos títulos dos filmes existem “links” para a Wikipedia (versão inglesa), por ser a plataforma mais abrangente e mais completa. Se pretenderem, na coluna esquerda dessas mesmas páginas, em baixo, tem normalmente, a escolha da tradução para a língua portuguesa.


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In Imdb - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Do cinema português trago-vos Arthur Duarte (Arthur de Jesus Pinto Pacheco) (17-10-1895 – 22-08-1982), realizador dos anos da comédia portuguesa (Vasco Santana, Ribeirinho e António Silva). Com 9 películas. Dele escolhi a apresentação (trailer) de 3 filmes que vi e que já revi sei lá quantas vezes !

(1943) O Costa do Castelo (filme completo, não se encontra somente apresentação !)


(1944) A Menina da Rádio (filme completo, não se encontra somente apresentação !)


(1947) O Leão da Estrela (filme completo, não se encontra somente apresentação !)


Biografia e entrevista sobre o Arthur Duarte

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Jazz Standards (187)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

I Only Have Eyes for You (#191) - Música de Harry Warren e Letra de Al Dubin

Dick Powell cantou esta música no filme “Dames” de 1934, dos compositores vencedores do Oscar, compositor Harry Warren e pelo letrista Al Dubin. A música tocou ao longo da banda sonora e foi apresentada em duas cenas. O tenor Powell canta para Ruby Keeler no barco de Staten Island. Ele expressa o seu espanto ao dizer que não sabe "se o céu está nublado ou claro" ou "se estamos num jardim ou numa avenida movimentada" porque "só tenho olhos para ti".

Michael Bublé (Burnaby, British Columbia, Canadá, 09-09-1975) – no “The Graham Norton Show | BBC America”


Billie Holiday (Filadélfia, EUA, 07-04-1915 — New York, EUA, 17-07-1959)


Peggy Lee (Jamestown, North Dakota, EUA, 26-05-1920 – Bel Air, California, EUA, 21-01-2002)


Louis Armstrong (New Orleans, EUA, 04-08-1901 — New York, EUA, 06-07-1971)


Letra

My love must be a kind of blind love
I can't see anyone but you
And dear, I wonder if you find love
An optical illusion, too?
Are the stars out tonight?
I don't know if it's cloudy or bright
'Cause I only have eyes for you, dear
The moon may be high
But I can't see a thing in the sky
'Cause I only have eyes for you.
I don't know if we're in a garden
Or on a crowded avenue
You are here, so am I
Maybe millions of people go by
But they all disappear from view
And I only have eyes for you

Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos).

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Eyes Thru Glass (43) - Trafaria

Aqui neste blogue e no “Eyes thru Glass“ mostro aquilo que os meus olhos vêem, através da objectiva.

Aqui ficarão somente as fotos, sem texto ficcional e sem música, apenas uma breve introdução, onde são tiradas e quando, e eventualmente alguma especificação técnica.

No dia 18 de Junho de 2016, andei pela Trafaria onde “bati” algumas fotos.










domingo, 24 de novembro de 2019