Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

O Poeta Bocage (3)

Vou trazer aqui em dez publicações, trinta sonetos de Manuel Maria Barbosa du Bocage (Elmano Sadino), pseudónimo adoptado em 1790, quando da sua adesão à Academia das Belas Letras ou Nova Arcádia. Bocage é um dos nossos melhores poetas, embora não lhe seja reconhecida a sua genialidade, visto ser basicamente conhecido pelas suas anedotas obscenas ou ousadas. Escolhi trinta sonetos, dez da poesia lírica, dez de poesia satírica e outros dez da poesia erótica.

Alguns links sobre a poesia de Bocage, bem como onde poderão encontrar  alguns livros editados do poeta:

https://www.bertrand.pt/autor/bocage/9129

https://www.wook.pt/livro/poesias-eroticas-bocage/223553

https://www.fnac.pt/Antologia-de-Poesia-Erotica-de-Bocage-Bocage/a1320322

Na RTP

Entrevista a Daniel Pires, presidente do Centro de Estudos Bocagianos sobre a obra satírica e erótica do poeta Manuel Maria Barbosa du Bocage, com visita à exposição "2005 Ano Bocage", Comemorações do Bicentenário da Morte de Bocage, patente no Museu de Arqueologia e Etnografia de Setúbal realizada por Henrique Félix.

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/poesia-erotica-e-satirica-de-bocage/

Na TSF

https://www.tsf.pt/programa/o-livro-do-dia/emissao/antologia-de-poesia-erotica-de-bocage-8963082.html

No Município de Setúbal

https://www.mun-setubal.pt/livro-valoriza-poesia-erotica/


Sobre a artista plástica Dina de Sousa:

http://artistasportugueses.weebly.com/dina-de-sousa.html


Lírica

A frouxidão no amor é uma ofensa,

Ofensa que se eleva a grau supremo;

Paixão requer paixão, fervor e extremo;

Com extremo e fervor se recompensa,

 

Vê qual sou, vê qual és, vê que dif’rença!

Eu descoro, eu praguejo, eu ardo, eu gemo;

Eu choro, eu desespero, eu clamo, eu tremo;

Em sombras a razão se me condensa.

 

Tu só tens gratidão, só tens brandura,

E antes que um coração pouco amoroso

Quisera ver-te uma alma ingrata e dura.

 

Talvez me enfadaria aspecto iroso;

Mas de teu peito a lânguida ternura

Tem-me cativo, e não me faz ditoso.


Satírica

Não tendo que fazer Apolo, um dia,

Às Musas disse: «Irmãs, é benefício

Vadios empregar; dêmos ofício

Aos sócios vãos da magra Academia:

 

O Caldas satisfaça a padaria;

O França de enjoar tenha exercício,

E o autor do entremez do rei egípcio

O Pégaso veloz conduza à pia.

 

Vá na Ulisseia tasquinhar o ex-frade,

Da sala o Quintanilha acenda as velas,

Em se juntando alguma sociedade.

 

Bernardo nénias faça, e roa nelas;

E Belmiro, por ter habilidade,

Como de antes, trabalhe em bagatelas».

 

Erótica

Soneto de todas as putas

 

Não lamentes, ó Nize, o teu estado;

Puta tem sido muita gente boa;

Putíssimas fidalgas tem Lisboa,

Milhões de vezes putas têm reinado;

 

Dido foi puta, e puta de um soldado;

Cleópatra por puta alcançou a coroa;

Tu, Lucrécia, com toda a tua proa,

O teu cono não passa por honrado: (cona)

 

Essa da Rússia imperatriz famosa,

Que ainda há pouco morreu (diz a Gazeta)

Entre mil piças expirou vaidosa;

 

Todas no mundo dão a sua greta;

Não fiques pois, ó Nize, duvidosa

Que isso de virgem e honra é tudo peta. 

sábado, 31 de julho de 2021

Discos Vinil (7) Campolide

Nome: Campolide

Autor: Sérgio Godinho

Ano: 1979

Intérprete/s: Sérgio Godinho

Editora: Orfeu

Texto:

O Sérgio Godinho é para mim, um dos melhores compositores de canções de intervenção e que tiveram um papel importantíssimo na história política portuguesa antes e depois do 25 de Abril. Uma poesia sem procura de palavras bonitas, mas que retrata exemplarmente os temas e assuntos das suas composições.

Campolide é um álbum de Sérgio Godinho, lançado em 1979. A capa mostra o autor na gare da estação ferroviária de Campolide, em Lisboa (num edifício mais tarde demolido), sobre cuja parede está colado um cartaz alusivo a uma actuação sua.

(In wikipedia)

Fotos:


Músicas:

Cuidado com as Imitações

Vivo Numa Outra Terra

Arranja-me um Emprego

Mudemos de Assunto

Quatro Quadras Soltas

Le Soleil en Face

sexta-feira, 30 de julho de 2021

Charada 7.º Arte – Bob Fosse (2)

 Fotos e nomes correctos: Ann Reinking e Michael York

1- Janita (Ann Reinking em “O Espectáculo Vai Começar” e Michael York em “Cabaret”)

2- Teresa Hoffbauer (Ann Reinking em “All That Jazz” e Michael York em “Cabaret”)

3- Pedro Coimbra (Ann Reinking em “All That Jazz” e Michael York em “Cabaret”)

4- Manuela (Ann Reinking em “All That Jazz” e Michael York em “Cabaret”) 

Muito Obrigado a Todos Vós pela participação e pelos acertos, que todos conseguiram. A ideia não é ser difícil, mas sim despertar as pessoas a verem bom cinema. Abraço !!!

Próximo realizador, o norte-americano Ron Howard, que anunciarei na Newsletter a data de publicação.

quarta-feira, 28 de julho de 2021

Charada 7.ª Arte – Bob Fosse

Realizador Bob Fosse

Charada com comentários NÃO moderados. Por favor, não coloquem aqui a solução, enviem-na para o meu email: ricardosantos1953@gmail.com

O que têm de fazer:

Em baixo, descobrirem e dizerem-me (mail), ambos os nomes da actriz e do actor e em que filme (pelo menos um!) no qual tenham participado. Não é obrigatório que tenham participado no mesmo filme, mas os filmes têm de ser do realizador em questão.

Ajudas: O número de letras do nome a encontrar, e uma foto um pouco alterada.

Somente aceitarei os nomes correctos com as fotos.

Têm 48 horas para "matar a charada" e três palpites por actriz e outros três por actor.

Depois de amanhã, dia 30, pelas 20:00 publico a solução, bem como os seus participantes.


Actriz, duas palavras (11 letras):

_ _ _   _ _ _ _ _ _ _ _

Actor, duas palavras (11 letras):

_ _ _ _ _ _ _    _ _ _ _

Obrigado

terça-feira, 27 de julho de 2021

7.ª Arte - Bob Fosse

Breves palavras sobre o que é para mim, o Cinema.

Durante os anos da minha juventude houve algo que me despertou o interesse e fez com que a minha ligação com os audiovisuais se tornasse, desde então, preponderante na minha vida. Esse algo foi o Cinema. A chamada 7.ª arte (arte da imagem) que quando dado o nome e na minha modesta opinião, ela reflectia somente a realidade do cinema mudo, por isso “arte da imagem”. Posteriormente a 7.ª arte tornou-se em algo muito mais complexo. A obra/filme tornou-se num conjunto de várias e ricas variáveis: a imagem, o texto, a cenografia, o som, o guarda-roupa, a interpretação, etc.. Tudo isso conglomerado e orientado de alguma maneira, por uma pessoa na arte de dirigir, o realizador.

Um bom filme, é como uma boa música ou um bom livro, é algo que deve ser visto mais que uma vez, para que nos apercebamos de coisas que numa só, é impossível. Um amante de cinema vê um filme duas, três vezes, para que nele possa visualizar todas essas variáveis de que falei anteriormente.

Vão passar por aqui alguns realizadores que fizeram e fazem parte do meu imaginário de cinéfilo. Nessa época, quando frequentei as salas de cinema em Lisboa, as filmografias de eleição eram: a italiana, a francesa, a alemã, a sueca, a espanhola, a nipónica, a americana. Mas passarão também, e obviamente, realizadores brasileiros e portugueses

Esta nova publicação intitulada 7.ª Arte, será muito de uma pequena mostra do que se via cinematograficamente em Lisboa, nos finais da década de 60 e 70, mas não só, porque teremos filmes muito mais actuais !!!

Tal qual, como todos vós, me reconhecem como um melómano amador, eu também sou um cinéfilo amador. O que vou trazer aqui foram/são obras que gostei/gosto e vi/revejo, e as minhas escolhas são apenas opiniões e gostos, livres de qualquer pretensiosismo !!!

No nome do realizador (se estrangeiro) e na maioria dos títulos dos filmes existem “links” para a Wikipedia (versão inglesa), por ser a plataforma mais abrangente e mais completa. Se pretenderem, na coluna esquerda dessas mesmas páginas, em baixo, tem normalmente, a escolha da tradução para a língua portuguesa.

Do cinema norte-americano trago-vos Bob Fosse (23-06-1927 – 23-09-1987), realizador com 21 películas e 28 galardões. Dele escolhi 3 filmes que vi.

(1972) CabaretCabaret, Adeus Berlim 

(1974) Lenny

(1979) All That JazzAll That Jazz, O Espectáculo Vai Começar

Entrevista com Bob Foss

domingo, 25 de julho de 2021

A Sopa do Pacto (24), músicas

Uma das nossas melhores intérpretes de jazz de sempre

Maria João Beatriz, do álbum “Lobos, Raposas e Coiotes” de 1999.

Mário Laginha Berenice, do álbum “Canções e Fugas” de 2006.

António Pinho VargasTom Waits, composição de homenagem ao compositor Tom Waits. Música constante do álbum As Novas Folhas Mudam de Cor”, de 1987. Aqui gravado de um programa sobre o António Pinho Vargas na RTP2.

Um dos nossos melhores músicos e compositores de música de jazz e não só. Agrada-me completamente a sua música, para além da paixão grande que tenho por pianistas, os temas são todos de uma musicalidade e qualidade soberba. Quem quiser conhecer a sua música de jazz tem pelo menos de conhecer os seus cinco primeiros álbuns:

1983   Outros Lugares;

1985   Cores e Aromas;

1987   As Folhas Novas Mudam de Cor;

1989   Os Jogos do Mundo; e

1991   Selos e Borboletas.

Obrigado António Pinho Vargas

Mónica Ferraz Go Go Go

sábado, 24 de julho de 2021

A Sopa do Pacto (24), solução

Quem participou:

1 – Clara (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas e Mónica Ferraz)

2 – Pedro Coimbra (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas e Mónica Ferraz)

3 – Janita (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas e Mónica Ferraz)

4 – Elvira (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas e Mónica Ferraz)

5 – Luísa (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas e Mónica Ferraz)

6 – Ana Freire (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas e Mónica Ferraz)

7 – Catarina (Maria João, Mário Laginha, António Pinho Vargas, faltou a Mónica Ferraz)