Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

O Poeta Bocage (6)

Vou trazer aqui em dez publicações, trinta sonetos de Manuel Maria Barbosa du Bocage (Elmano Sadino), pseudónimo adoptado em 1790, quando da sua adesão à Academia das Belas Letras ou Nova Arcádia. Bocage é um dos nossos melhores poetas, embora não lhe seja reconhecida a sua genialidade, visto ser basicamente conhecido pelas suas anedotas obscenas ou ousadas. Escolhi trinta sonetos, dez da poesia lírica, dez de poesia satírica e outros dez da poesia erótica.

Alguns links sobre a poesia de Bocage, bem como onde poderão encontrar  alguns livros editados do poeta:

https://www.bertrand.pt/autor/bocage/9129

https://www.wook.pt/livro/poesias-eroticas-bocage/223553

https://www.fnac.pt/Antologia-de-Poesia-Erotica-de-Bocage-Bocage/a1320322

Na RTP

Entrevista a Daniel Pires, presidente do Centro de Estudos Bocagianos sobre a obra satírica e erótica do poeta Manuel Maria Barbosa du Bocage, com visita à exposição "2005 Ano Bocage", Comemorações do Bicentenário da Morte de Bocage, patente no Museu de Arqueologia e Etnografia de Setúbal realizada por Henrique Félix.

https://arquivos.rtp.pt/conteudos/poesia-erotica-e-satirica-de-bocage/

Na TSF

https://www.tsf.pt/programa/o-livro-do-dia/emissao/antologia-de-poesia-erotica-de-bocage-8963082.html

 

No Município de Setúbal

https://www.mun-setubal.pt/livro-valoriza-poesia-erotica/ 



Sobre a artista plástica Dina de Sousa:

http://artistasportugueses.weebly.com/dina-de-sousa.html

 

Lírica

Em que estado, meu bem, por ti me vejo,

Em que estado infeliz, penoso, e duro !

Delido o coração de um fogo impuro

Meus pesados grilhões adoro e beijo

 

Quando te logro mais, mais te desejo,

Quando te encontro mais, mais te procuro,

Quando mo juras mais, menos seguro

Julgo esse doce amor, que adorna o pejo.

 

Assim passo, assim vivo, assim mesu fados

Me desarreigam da alma a paz, e o riso

Sendo só meu sustento os meus cuidados

 

E, de todo apagada a luz do siso,

Esquecem-se (ai de mim !) por teus agrados

«Morte, Juízo, Inferno e Paraíso.»

 

Satírica

Conhecem um vigário de chorina,

De insulsa frase, da ralé maruja?

Sapo imundo, que bebe ou que babuja

No que deita por fora a Cabatina ?

 

Este é um tal Franco, um tal sovina,

Que orelhas mil e mil com trovas suja,

Digno rival do mocho e da coruja

Quando a voz desenfreia, a banza afina.

 

Faz versos em francês, francês antigo,

Em gíria de Veneza, e finalmente

Em corrupto espanhol; leve o castigo:

 

Ele diz que são bons, e os mais que mente;

Põe mãos à obra, faze o que te digo:

Chicoteia esse bruto, e crê na gente.

 

Erótica

Soneto do caralho decadente

 

Com quem magoas o não digo! Eu nem te vejo,

Meu caralho infeliz! Tu, que algum dia

Na gaiteira amorosa filistria

Foste o regalo do meu pátrio Tejo!

 

Sem te importar o feminino pejo, (pudor)

Atrás da mimosa virgem, que fugia,

Ficando a terna, fadigada Armia,

Lhe pegavas no coninho um beijo.

 

Hoje, canal de fétida remela,

O misantropo do país das bimbas,

Apenas olha a cândida donzela!

 

Deitado dos colhões sobre as tarimbas,

Só com a memória em feminil canela

Às vezes pívia (*) casual cachimbas.

 

(*) pívia = punheta. Por outras palavras: "às vezes ainda dás para bater algumas punhetas." Bocage revela neste poema que está velho e que a sua vitalidade já não é a mesma de antigamente. 

6 comentários:

  1. A erótica é bem conhecida.
    E bem apimentada.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. A minha avó materna era fã de Bocage.
    E contava algumas estórias dele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos dos mais antigos ouviram contar histórias do Bocage.
      Maria obrigado

      Eliminar
  3. Muito eclético e ousado o famoso Bocage.
    Livre e desconcertante também, transitava por todas as fases da literatura e do seu tempo.
    Bom conhecer mais,Ricardo
    Bons dias Abraços

    ResponderEliminar
  4. Ricardo Santos25/09/21, 08:33

    Ele era um contestatário da sociedade da altura. Sempre contra aqueles que faziam as "vigarices" e enganavam o povo. Um excelente poeta!
    Lis obrigado

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!