Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Max Richter – NPR Tiny Desk Home Concert (6)

A NPR Music (https://www.youtube.com/channel/UC4eYXhJI4-7wSWc8UNRwD4A) é um projecto da “National Public Radio”, uma organização de media americana sem fins lucrativos, com financiamento público e privado, lançado em Novembro de 2007, para apresentar programação musical de rádio pública e conteúdo editorial original para descoberta de música.

Parece-me um projecto interessantíssimo, principalmente, porque neste contexto de pandemia, dá-nos a possibilidade de ouvirmos grandes intérpretes e compositores a nível mundial, os quais mostram aqui, na NPR Music, a sua arte e a sua capacidade de comunicação. Por aqui vão passar, nomes conhecidos, menos conhecidos e desconhecidos. Para mim, foi e é um prazer procurar bons instrumentais e boas interpretações. As actuações poderão ser, às vezes, bastante mais extensas que o habitual, mas tentei procurar algo que possam escutar com prazer.

No Tiny Desk de hoje, vamos ouvir…

Max Richter (1966)

Tom Huizenga | January 22, 2021

Há uma dissonância distinta entre o cenário bucólico desta adorável apresentação de Max Richter no NPR Tiny Desk (em sua casa) e a realidade a que ele se refere após sua apresentação.

"Ansioso pelo tempo em que os espectáculos possam voltar e nós possamos fazer isso realmente", diz o compositor, deixando-nos com um desejo que é confirmado em sua música tranquila e investigadora.

Esta meia dúzia de peças curtas pode oferecer dois modos de experiência muito diferentes. Filmado em preto e branco artístico, a sua simplicidade e beleza convidam-nos para um mundo como um dia o conhecemos, onde o ar fresco sopra por portas abertas e os cães dormem pacificamente (participações especiais dos seus cães Evie e Haku, deitados a ouvir a sua música) sob o sol do final do verão no sul da Inglaterra.

Max Richter (piano)

Composições: "Vladimir's Blues", "Origins", "Infra 3", "Horizon Variations", "Prelude 6" e "Fragment".

9 comentários:

  1. Max Richter... (suspiro!)
    Acertaste num dos meus pianistas de eleição!
    Vou ficar a ouvir... e a ouvir... (a bisar já não hoje porque amanhã é dia de trabalho.

    Obrigada por esta prendinha musical
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É de facto um grande compostor contemporâneo.
      Também ele foi convidado deste excelente canal o NPR Music (https://www.youtube.com/channel/UC4eYXhJI4-7wSWc8UNRwD4A).
      Clara obrigado

      Eliminar
  2. Fica a tocar enquanto visito outros blogues.
    Abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  3. Uma verdadeira lufada de ar fresco... neste formidável concerto caseiro!
    Adorei do princípio ao fim! Confesso que desconhecia Max Richter! E desconhecia este projecto do NPR... a que prestarei atenção futuramente!
    Grata por divulgar estas maravilhas, Ricardo!
    Um grande abraço! E amanhã, cá estarei de novo, com bem maior disponibilidade, se o computador não me trocar as voltas, como hoje, com actualizações inesperadas... para ver com calma o que se me tem escapado por aqui!
    Tudo de bom!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Max Richter muito bom !!!
      O projecto NPR é, também, muito bom. Podes ver excelentes artistas actuarem durante 30m ou menos.
      Ana obrigado

      Eliminar
  4. Isto é a música "clássica" do séc. XXI a tomar forma, depois de um séc. XX em que se cometeram todos os exageros e todas as loucuras, as quais afastaram o grande público. António Victorino d'Almeida há muitos anos já vinha a prever que isto acabaria por acontecer.

    Esta é uma música tonal como as pessoas gostam, que está na sequência da música minimalista, também chamada minimal-repetitiva, de Steve Reich, Philip Glass e outros, tais como Jorge Lima Barreto e os Telectu.

    Esta música nasce realmente do minimalismo, mas vai mais longe do que ele, ultrapassando a repetição obsessiva e "autista" que o caracterizava. Gosto muito. Espero que Max Richter e outros continuem por este caminho e levem o povão a reconciliar-se com a música dita "clássica".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo o que disseste é a ideia que eu também faço. O maestro Victorino sempre foi um homem com as ideias muito claras do que se passava em Portugal. Infelizmente, com o desaparecimento de programas que passavam na televisão, e que quer queiramos quer não, eram importantes na educação musical de muitos portugueses. Falo dos programas do maestro Leonard Bernstein, do José de Atalaya, e outros. A televisão passou a ser um mero acumular de filmes publicitários para vender produtos e que ninguém sabe da sua qualidade. A publicidade deixou de ser intervalo entre programas, os programas é que passaram a ser intervalo entre publicidades. Uma vergonha, desta sociedade consumista de produtos maioritariamente inúteis.
      Fernando obrigado pelo teu comentário, mais uma vez elucidativo para todos os que aqui vêm comentar.

      Eliminar

    2. Apenas conheço Max Richter desde 2010 mas concordo com o comentário do Fernando, excelente como é hábito.

      (^^)

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!