Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

sábado, 24 de abril de 2021

Texturas e Recortes (5)

Em tempo de confinamento, encontram-se as “paisagens” em casa. A roupa, o livro, a madeira, o vidro, a revista, o objecto, e muitos outros elementos passíveis de olharmos para eles nesta altura, de um outro modo !

Madeira e tecidos

16 comentários:

  1. olá, de confinada para confinado, achei lindo o post de texturas, com uma poesia que aquece o coração. Sou blogueira já fazem muitos anos, mas estou divulgando meu novo blog e conhecendo novos amigos. Deixo o link para me seguires, abraço

    https://mulheresquecorremcomsapos.blogspot.com/2021/04/se-deus-fosse-mulher.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O texto não é suposto ser poético, embora o possa parecer.
      Jeanne Geyer obrigado pela visita

      Eliminar
  2. A série chama-se "Assassinato em..." está a passar no AXN White e cada episódio é uma história até agora (dos que vi) com personagens e locais diferentes.
    um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de ver algo que começa hoje e acaba uma, duas horas depois. Não gosto formatos novela, que se estendem no tempo. Já descobri e já coloquei para gravar.
      Gabriela obrigado

      Eliminar
  3. Respostas
    1. De onde vem esta, há mais. Esta é a 5.a publicação.
      Teresa obrigado

      Eliminar
  4. Haja imaginação e essa, tira e/ou conforta, a solidão.
    .
    Feliz fim de semana
    Abraço poético
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
  5. O tecido de xadrez parece ser flanela, já o branco é algodão. Uma almofada?? :)
    Ponho-me a imaginar a textura... :)
    Com tanta tralha em casa, ainda nem me lenbrei de me pôr a tirar retratos a torto e a direito, com fiz naquela ocasião da rubrica Abecedário Fotográfico.
    Um dia destes copio-te a ideia. :)

    Um abraço, bom fim-de-semana, Ricardo.

    ResponderEliminar
  6. Uma mantinha e uma almofada que sabem bem nos dias mais fresquinhos.
    Um dia talvez copie esta ideia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digo-te o mesmo que disse à Janita. Podes copiar a ideia !
      Manuela obrigado

      Eliminar
  7. Muito aconchegante, Ricardo
    Das nossas simplicidades cotidianas_ singelo, delicado _todos os adjetivos afetivos.
    Amei amei muito !
    bom domingo

    ResponderEliminar
  8. Por cá rompeu-se (e ainda se rompe) fatos de treino e t-shirts velhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois treina-se por casa, em segurança... é uma boa ideia !
      O ultimo fecha a porta, obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!