A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

domingo, 29 de abril de 2012

Alguma “velha” publicidade televisa (I)

Por aqui, alguma da “velha” publicidade passada na Televisão Portuguesa.     
             
Começamos com a “Laranjina C”. Por sinal para quem gostava de refrigerantes era até bastante agradável.         
             

Jazz Standards (LX)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)       
             
(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)        
           
I’ll Remember April (#29) - Música de Gene de Paul e Letra de Don Raye e Patricia Johnston 
Como standard de jazz, "I’ll Remember April" apareceu pela primeira vez na voz de Dick Foran e num desempenho bastanta improvável para o seu sucesso como composição. Dick Foran introduziu a canção na comédia musical de Abbott & Costello, de 1942 “Ride ‘Em Cowboy”. A acção ocorre num rancho onde os vendedores de sandwiches de manteiga amendoim e de cachorros quentes, a dupla Abbott & Costello, fingem serem “cowboys”. No papel de um autor de “westerns” (filmes de cowboys), Dick Foran canta a canção para a filha do proprietário do rancho, interpretada pela actriz Anne Gwynne. Como um crítico declarou, na época: «Por alguns minutos breves, "I’ll Remember April" foi um oásis de sanidade dentro da loucura.»      
              
Stan Getz (Filadélfia, Pensilvânia, EUA 02-02-1927 - 06-06-1991) – Na Suécia, Estocolmo, 10 de Outubro de 1978. Com Stan Getz (saxofone tenor), Lars Sjosten (piano), Georg Riedel (contrabaixo) e Rune Carlsson (bateria).  
            
         
                 
Sarah Vaughan (Newark, EUA, 27-03-1924 — Los Angeles, EUA, 03-04-1990) – Em Toronto (Canadá), em 1981.    
             
           
                
Phil Woods (Springfield, Massachusetts, EUA 2-11-1931 - 20xx) - Phil Woods (saxofone alto), Ben Aronov (piano), Reginald Johnson (contrabaixo) e Doug Sides (bateria), com a “Orchestre du Conservatoire National Regional de Toulouse” no festival “Marciac Jazz Festival 2005”.               
                
          
                 
Dick Foran  (Flemington, New Jersey, EUA, 18-06-1910 - Panorama City, California, EUA, 10-08-1979) & The Merry Macs – Do filme de Abbott & Costello intitulado "Ride'Em,Cowboy" (1941). Um musical cantado por Dick Foran e pelos “The Merry Macs”.         
             
         
                 
Letra        
              
This lovely day will lengthen into evening
We'll sigh goodbye to all we ever had
Alone where we have walked together
I'll remember April and be glad
I'll be content you loved me once in April
Your lips were warm and love and spring were new
I'm not afraid of autumn and her sorrow
For I'll remember April and you
The fire will dwindle into glowing ashes
For flames live such a little while
I won't forget but I won't be lonely
I'll remember April and smile           
                   
Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos)

5MJZ (XVII) - Miles Davis Sextet

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos; e ainda In Duarte, José, História do Jazz, 2ª. Edição, Editora Sextante, Novembro de 2009)               
                 
Se Luís Villas-Boas é considerado o pai do Jazz em Portugal, José Duarte é também uma figura proeminente e importante na divulgação deste género musical no nosso País.
Estamos a passar, com o auxílio do “Youtube”, como é habitual, algumas das músicas, consideradas obrigatórias pelo José Duarte e constantes numa edição de três CD’s sobre o programa “Cinco Minutos de Jazz”, começado na década de 60 (1966), no “Rádio Renascença”, depois na Rádio Comercial e mais tarde na Antena 1, onde ainda hoje e há mais de 40 anos se divulga o improviso na rádio do nosso país.          
                 
Miles Dewey Davis Jr (Alton, Illinois, EUA, 26-05-1926 — Santa Monica, California, EUA, 28-09-1991) - Foi um trompetista, compositor e chefe de banda de jazz norte-americano.
Considerado um dos mais influentes músicos do século XX, Davis esteve na vanguarda de quase todos os desenvolvimentos do jazz desde a Segunda Guerra Mundial até a década de 1990. Ele participou em várias gravações do “Bebop” e das primeiras gravações do “Cool Jazz”. Foi parte do desenvolvimento do “Jazz Modal”, e também do “Jazz Fusão” que teve origem no seu trabalho dele com outros músicos, desde o final da década de 1960, até ao começo da década de 1970.
Miles Davis pertenceu a uma classe tradicional de trompetistas de jazz, que começou com Buddy Bolden e desenvolveu-se com Joe "King" Oliver, Louis Armstrong, Roy Eldridge e Dizzy Gillespie. Ao contrário desses músicos ele nunca foi considerado com um alto nível de habilidade técnica. Seu grande êxito como músico, entretanto, foi ir mais além do que ser influente e distinto no seu instrumento, e moldar estilos inteiros e maneiras de fazer música através dos seus trabalhos. Muitos dos mais importantes músicos de jazz fizeram o seu nome, na segunda metade do século XX, nos agrupamentos de Miles Davis, incluindo, os teclistas, Joe Zawinul, Chick Corea e Herbie Hancock, os saxofonistas John Coltrane, Wayne Shorter, George Coleman e Kenny Garrett, o baterista Tony Williams e o guitarrista John McLaughlin.
Como trompetista Davis tinha um som puro e claro, mas também uma invulgar liberdade de articulação e altura. Ele ficou conhecido por ter um registo baixo e minimalista de tocar, mas também era capaz de conseguir alta complexidade e técnica com seu trompete.
Em 13 de Março de 2006, Davis foi, postumamente, incluído no “Rock & Roll Hall of Fame”. Foi, também, incluído no “St. Louis Walk of Fame”, “Big Band and Jazz Hall of Fame”, e no “Down Beat's Jazz Hall of Fame”.         
                
So What", Miles Davis, composta em 1959 (*), do álbum “Kind A Blue”, de 2 de Março de 1959, com Miles Davis (trompete) Cannonball Adderley (saxofone alto) John Coltrane (saxofone tenor), Bill Evans (piano), Paul Chambers (contrabaixo) e Jimmy Cobb (bateria).
            
(*) 1959 – Morte da cantora Billie Holiday; Tom Jobim e João Gilberto gravam “Chega de Saudade”; Museu Guggenheim em New York, pelo arquitecto Frank Lloyd Wright; e Jean-Luc Godard realiza o filme “A Bout de Souffle”.         
             

A compra de um Mercedes - Interacção Humorística (LXV)

Em 19-07-2010. Obrigado.          
               
A compra de um Mercedes…            
               
Ela olha ao redor, acha o carro perfeito e começa a examiná-lo. Ao inclinar-se para sentir o revestimento de couro macio nos estofos, deixa escapar um sonoro peido.  Muito envergonhada, olha nervosa para ver se alguém notou o pequeno acidente, à espera que ninguém aparecesse naquele momento. Porém, ao virar-se, dá de cara com um vendedor que estava atrás dela:         
            
- Bom dia, senhora, como posso ajudá-la hoje ?            
               
Muito embaraçada, ela pergunta:            
             
- Por favor, qual o preço deste adorável veículo ?               
               
O vendedor responde:             
               
- Desculpe-me a sinceridade, mas acha que lho devo dizer ? É que se a senhora se peidou só de vê-lo, quando souber o preço vai-se cagar toda...

Gira-Discos (XXVII)


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)            
                  
Heróis do Mar (1981 – 1990) – A banda surgiu em Março de 1980, formada por Pedro Ayres de Magalhães (baixo), Pedro Paulo Gonçalves (guitarra) e Carlos Maria Trindade (teclas), após o fim do grupo “Corpo Diplomático” em finais do ano anterior. A estes músicos juntaram-se António José de Almeida (baterista dos Tantra) e Rui Pregal da Cunha (vocal), que se iniciava nas coisas da música. Na realidade, o futuro vocalista era o único sem um passado com experiência musical, pois todos os outros elementos, ou tinham formação musical ou já haviam participado em projectos anteriores.
A escolha do nome «Heróis do Mar», tirado do primeiro verso do hino nacional português, “A Portuguesa”, não foi um mero acaso, pois pretendia-se representar Portugal, a sua história e a sua arte greco-romana.
Numa época em que a memória do Estado Novo estava ainda muito fresca, o visual da banda, caracterizado por uma estética nacionalista e algo neo-militarista, e letras de canções que reflectiam a glorificação de um Portugal passado, não agradou a muita gente tendo-se instalado a polémica em torno do grupo, acusado dum nacionalismo exacerbado, e inclusivamente fascista e neonazi. Aliás, membros da banda afirmaram mesmo estarem proibidos de actuar a sul do rio Tejo.
Em Agosto de 1980, é lançado o primeiro single que continha os temas “Saudade” e “Super Dança dos heróis”, onde se envolviam fontes de raiz portuguesa com a sonoridade do fenómeno neo-romântico que florescia no Reino Unido, para depois aparecer o LP de estreia, “Heróis do Mar”, lançado em Outubro de 1981.
Em Junho de 1984 é editado a canção «Amor», que se tornaria um grande sucesso comercial e disco de platina, e projectaria a banda para a primeira parte dos concertos de “King Crimson” e de “Roxy Music” em Portugal no verão desse mesmo ano, e para a actuação nas primeiras parte da banda de “Bryan Ferry” em França.         
                 
Paixão”, de 1983.          
             
             
Só Gosto De Ti”, de 1984, do mini LP “O Rapto”. No concurso televisivo, em “playback”, “Zig-Zag, RTP 195.            
                 

Gira-Discos (XXVII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)         
               
The Animals (1962 – 1970) – Foi uma banda de “Rock & Roll” britânica dos anos 1960 formada em Newcastle por Eric Burdon (vocais), Alan Price (órgão), Hilton Valentine (guitarra), John Steel (bateria) e Chas Chandler (baixo). Buscavam as raízes do “Blues” e do “Folk”, sendo influenciados por Chuck Berry (com quem fizeram uma digressão), Bob Dylan, Nina Simone, Little Richard e Bo Diddley.
O sucesso moderado do grupo em Newcastle motivou-os a mudarem-se para Londres, em 1964, bem a tempo de serem incluídos na Invasão Britânica. Eles apresentavam versões de sucessos do “R&B”, e foram uma das primeiros grupos a ser influenciado por Bob Dylan (inclusivé lançando duas das suas músicas). “The Animals” alcançaram sucesso com as suas composições "Baby Let Me Follow You Down" e "The House of the Rising Sun". Os vocais “uivados” de Burdon e os arranjos dramáticos de Price criaram indubitavelmente o primeiro sucesso da “Folk Rock”. Os sucessos seguintes seriam "Bring It On Home To Me" (sucesso na voz de Sam Cooke) e "Don't Let Me Be Misunderstood" (de Nina Simone).
Em 1965, o grupo estava prestes a separar-se. Price deixou a banda para continuar como artista a solo, gravando uma versão de sucesso de "Simon Smith And The Amazing Dancing Bear", de Randy Newman. A banda continuou, agora sob a égide de "Eric Burdon and the Animals", mudando o seu estilo musical. Abandonando os “Blues”, passaram a tocar a versão de Burdon para o som psicadélico. Alguns dos sucessos desta época foram "San Franciscan Nights" e "Monterey", um tributo ao histórico festival de 1967 que apresentou, entre outros, Janis Joplin, Otis Redding, Jimi Hendrix e os próprios “The Animals”. Em 1970 a banda se dissolveu, e Eric Burdon juntou forças com um grupo latino de Long Beach, Califórnia, chamado "War".           
               
House of the Rising Sun”, de 1964. Um grande sucesso já interpretado por imensos artistas.              
           
          
             
There is a house in New Orleans
They call the Rising Sun
And it's been the ruin of many a poor boy
And God I know I'm one
My mother was a tailor
She sewed my new blue jeans
My father was a gamblin' man
Down in New Orleans
Now the only thing a gambler needs
Is a suitcase and trunk
And the only time he's satisfied
Is when he's on a drunk
Oh mother tell your children
Not to do what I have done
Spend your lives in sin and misery
In the House of the Rising Sun
Well, I got one foot on the platform
The other foot on the train
I'm goin' back to New Orleans
To wear that ball and chain
Well, there is a house in New Orleans
They call the Rising Sun
And it's been the ruin of many a poor boy
And God I know I'm one           
             
It’s My Life”          
              

domingo, 22 de abril de 2012

Jazz Standards (LIX)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)                
                   
(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)              
                
On Green Dolphin Street (#25) - Música de Bronislau Kaper e Letra de Ned Washington
"On Green Dolphin Street" foi apresentada como o tema principal do filme 1947 MGM (Metro Goldwin Mayer) “Green Dolphin Street”. O filme foi baseado no livro “Green Dolphin Country” de 1944, da novelista britânica Elizabeth Goudge, publicado no mesmo ano nos Estados Unidos com o título de “Green Dolphin Street”.
Elizabeth Goudge (1900-1984) teve uma carreira prolífera ao escrever ambos os géneros, ficção e não-ficção, incluindo dezessete romances para adultos e crianças. “Green Dolphin Street” era o seu sexto esforço e conta a história de um jovem, em 1800, na Nova Zelândia, que envia para as Ilhas Britânicas a mulher que ele ama. Descuidadamente, ele envia uma carta à sua irmã, com quem ele também partilhou um passado. A história é centrada sobre como o jovem e sua noiva tentam fazer com que o casamento funcione. Críticos louvam, normalmente, Elizabeth Goudge pela sua habilidade em retratar personagens e paisagens, mas, como o revisor do “New York Times” escreveu, “Green Dolphin Street” não possuia a “qualidade severa de uma boa literatura."               
                
Keith Jarrett (Allentown, EUA, 08-05-1945 - 20xx) trio – Com Keith Jarrett (piano), Jack Dejohnette (bateria) e Gary Peacock (contrabaixo).          
             
                
                   
Martial Solal (Algiers, Algéria, 23-08-1927 - 20xx) – Com Martial Solal (piano), Michel Gaudry (contrabaixo) e Ronnie Stephenson (bateria).           
                  
                
                 
Anita O’Day (Chicago, Illinois, EUA, 18-10-1919 - Los Angeles, EUA, 23-11-2006) – Comcerto na Suécia.            
                 
                 
                    
Letra (versão de Anita O’Day)          
                 
Lover, one lovely day,
Love came, planning to stay;
Green Dolphin Street supplied the setting,
The setting for nights beyond forgetting;
And through these moments apart,
Memories live in my heart.
When I recall the love I found on,
I could kiss the ground on
Green Dolphin Street.
Lover, one lovely day,
Love came, planning to stay;
Green Dolphin Street supplied the setting,
The setting for nights beyond forgetting;
And through these moments apart,
Memories live in my heart.
When I recall the love I found on,
I could kiss the ground on
Green Dolphin Street.          
                  
Sarah Vaughan (Newark, EUA, 27-03-1924 — Los Angeles, EUA, 03-04-1990)             
                 
       
            
Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos)

5MJZ (XVI) - Fletcher Henderson Orchestra


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos; e ainda In Duarte, José, História do Jazz, 2ª. Edição, Editora Sextante, Novembro de 2009)             
                 
Se Luís Villas-Boas é considerado o pai do Jazz em Portugal, José Duarte é também uma figura proeminente e importante na divulgação deste género musical no nosso País. Estamos a passar, com o auxílio do “Youtube”, como é habitual, algumas das músicas, consideradas obrigatórias pelo José Duarte e constantes numa edição de três CD’s sobre o programa “Cinco Minutos de Jazz”, começado na década de 60 (1966), no “Rádio Renascença”, depois na Rádio Comercial e mais tarde na Antena 1, onde ainda hoje e há mais de 40 anos se divulga o improviso na rádio do nosso país.            
              
James Fletcher Hamilton Henderson, Jr. (Cuthbert, Georgia, EUA, 18-12-1897 – New York, EUA, 18-12-1952) - Foi um pianista norte-americano, chefe de banda, orquestrador e compositor, importante no desenvolvimento do Jazz “Big Band” e o “Swing”. A sua banda foi uma das orquestras mais prolíferas e a sua influência foi bastante grande. Ele foi muitas vezes conhecido como "Smack" Henderson (aparentemente chamado devido ao basebol e à sua facilidade em bater bolas). Fletcher Henderson nasceu em Cuthbert, Georgia. Ele frequentou a Universidade de Atlanta, em Atlanta, Georgia e formou-se em 1920. Após a formatura, ele mudou-se para Nova York para frequentar um mestrado de química, na Universidade de Columbia. No entanto, o seu percurso em Química era muito restrito, devido à sua raça (preto), e virou-se para a música para conseguir viver. Gravava para a etiqueta jovem “Black Swan” (1921-1923). Nos meados e ao longo dos anos de 1920, Henderson deu acompanhamento de piano solo para muitos cantores de “Blues”. Em 1922 ele formou a sua própria banda, que foi a primeira residente no “Alabam Club”, e em seguida, no “Roseland Ballroom”, e rapidamente tornou-se conhecida como a melhor banda Afro-Americana, de Nova York. Por um tempo as suas ideias sobre orquestração foram fortemente influenciadas por Paul Whiteman, mas quando Louis Armstrong juntou a sua orquestra em 1924, Henderson percebeu que esta poderia ter um potencial muito mais rico para a orquestração de banda de Jazz. A banda de Henderson também impulsionou talentos formidáveis, as orquestrações de Don Redman (1922-1927). Entre os anos 1920 e 1930, Henderson escreveu realmente poucos arranjos, a maioria das suas gravações foram orquestradas por Redman (entre 1923 e 1927) ou Benny Carter (entre 1927 e 1931). Como orquestrador, Henderson começou ele próprio a sê-lo, na sua própria banda, em meados dos anos 1930.
…               
               
King Porter Stomp", 1905, de Jelly Roll Morton.  É um “standard” era do swing-by Jelly Roll Morton. A composição é considerada como sendo importante no desenvolvimento do Jazz. De acordo com Jelly Roll Morton, a melodia foi composta em 1905. Morton registou pela primeira vez a música em 1923, como um solo de piano, mas não apresentar direitos de autor sobre a música até 1924. Nesse ano, Morton gravou uma versão em dueto com Joe "King" Oliver na corneta. Morton disse que ele tinha realmente escrito a melodia quase 20 anos antes, e que foi nomeado depois que seu amigo e colega pianista Porter King. Em 1935, Benny Goodman e sua orquestra gravam com orquestração de Fletcher Henderson, que se tornou um enorme sucesso, tornando-se um “standard” da era das “Big Bands”. Da gravação de Goodman caracterizada pela actuação do trompetista Bunny Berigan. Fletcher Henderson tinha gravado o seu próprio arranjo várias vezes com a sua própria banda durante os anos 1920 e início dos 1930. Outras grandes bandas também gravaram a música, como fizeram alguns grupos de jazz mais tradicionais. No final dos anos 1960 o chefe de banda Pat Williams gravou a canção no seu álbum “Shades Of Today” da Verve, em 1968.              
                 

Chico Anysio – Humorista / homenagem (V)

Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho, conhecido como Chico Anysio (Maranguape, 12-04-1931 — Rio de Janeiro, 23-03-2012) - Foi um humorista, actor, escritor, compositor e pintor brasileiro, notório pelos seus inúmeros “sketches”, quadros e programas humorísticos na Rede Globo, com a qual tinha contrato. ...           
              
Alberto Roberto (Chico Anysio) e Regina Duarte            
                   
             
                   
Fala-se de Chico Anysio             
                  

Filhos trocados - Interacção Humorística (LXIV)

Em 14-07-2010. Obrigado.            
               
Filhos trocados              
              
Justina, no leito de morte, decidiu confessar-se ao seu Antoino.         
            
"Toino, sabis que o nosso filho mais velho nã é tê filho ? O Toino, muito tranquilo, responde-lhe:             
         
Dêxa lá Justina, nã há nenhum problema... Justina, muito intrigada com toda a calma do sê Toino, suplica-lhe:          
                
Escuta lá Toino !!! Vê se intendes ! tou a dizêr-te que tê filho não é teu ! Homem de Deus !!  
             
E o Toino muito serenamente responde-lhe:
             
Pois, pois... eu entendi, Justina.          
                
Ai, Jisus !! Por que raios então tu não estás zangado e ficas tãn tranquilo ?!?!        
               
Finalmente, o Toino responde:
              
Pois... sabes Justina, que este filho não é tambêm tê filho ?             
                 
Justina indignada rebate:   
         
Como não é mê, homem de Deus ? Sê carreguê o infliz na minha barriga duranter novi meses ?!               
                   
Justina, lembras-te qando tu estavas na maternidade me pediste para trocar o menino, queli estava todo cagado ?             
                  
Pois bem... eu troquê-o por um limpinho que estava ao lado.

Músicas House MD (5ª. Temporada) (XXIV)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)         
             
M. Ward, Matthew Stephen Ward (Ventura, Califórnia, EUA, 04-10-1973 – 20xx) – É um cantor, compositor, produtor musical e guitarrista norte-americano. A sua música é, essencialmente, em estilo “Folk” com influências de outros géneros como os “Blues”, o “Rock”, o “Jazz” e o “Country” alternativo.
Em 2006, Ward formou um duo com a actriz e cantora Zooey Deschanel, denominado “She & Him”.         
           
M. Ward – Never Had Nobody Like You, ao vivo em Schubas, com Mike Coykendall, Carlos Forester e Chris Scruggs      
      
          
         
Philip Glass (Baltimore, EUA, 31-01-1937 – 20xx) - É um compositor americano e está entre os compositores mais influentes do final do século XX. A sua música é, normalmente, chamada de minimalista, embora ele não aprecie esta expressão. É um compositor muito prolífero, tendo produzido inúmeros trabalhos entre óperas, sinfonias, concertos, bandas sonoras para filmes e outros trabalhos em colaboração, com outros músicos. Actualmente possui residência no estado de New York, EUA, e na província da New Scotland, no Canadá. É defensor da causa tibetiana.       
               
Philip Glass – Quarteto de Cordas Nº. 2 “Company”          
         
            
                  
The Vitamin String Quartet (VSQ) (19xx – 20xx) – É um grupo de músicos de Los Angeles amplamente conhecido pela sua série de álbuns de tributo ao “Rock” e artistas “Pop”. Os seus álbuns são gravados através da “Vitamin Records” e executados por um quarteto de cordas, embora outros instrumentos têm vindo a ser utilizados. "The Vitamin String Quartet” é sobre a “aplicação de atitude “Rock & Roll” na técnica clássica", diz Tom Tally, violista e orquestrador que realizou e produziu mais de cinquenta álbuns do grupo.             
                    
The Vitamin String Quartet – As Tears Go By