Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Prémio Valmor, Ano de 1903, Rua Alexandre Herculano 57-57C

Praticamente já em pleno Largo do Rato, encontra-se do lado esquerdo quem vai da Avenida da Liberdade em direcção ao Largo do Rato.

As fotos são referentes ao ano de 2018, sendo a primeira obtida através do “Google Earth”..

O Prémio Valmor de 1903 foi legado pelo arquitecto Miguel Ventura Terra, às Escolas de Belas Artes de Lisboa e Porto. Nela faleceu Ventura Terra, em 30 de Abril de 1919, que destinou o seu rendimento líquido para pensões a estudantes pobres das duas escolas que mostrem decidida vocação para as belas artes (placa inscrita no primeiro andar, na parte central do edifício).

Arquitecto Miguel Ventura Terra:


Prémios Valmor (1903, 1906, 1909, 1911) e Menção Honrosa (1913)

Arquitecto Miguel Ventura Terra (1866-1919):

“Natural da freguesia de São Pedro de Seixas do Minho, iniciou os seus estudos na Academia Portuense, entretanto Escola de Belas-Artes, que concluiu com a obtenção do diploma de Arquitecto e, em 1886, partiu para Paris, como bolseiro do Governo, após um polémico concurso, reclamado e sanado, onde lhe foi confirmado o primeiro lugar. Nesta cidade, candidatou-se à respectiva Escola de Belas-Artes, tendo ficado entre os cinco primeiros classificados. Discípulo dos notáveis arquitectos Jules André (1) e Victor Laloux (2), durante estes estudos, obteve primeiros prémios, medalhas e menções honrosas que lhe permitiram concorrer à primeira classe dos arquitectos diplomados pelo Governo francês. Em 1895, recebeu o honroso diploma, após defesa de um Projecto do Palácio da Justiça para Lisboa que, entretanto lhe fora encomendado pelo Governo português. Nesse ano foi recebido no “Salon”.
devem-se a Ventura Terra as grandiosas obras do Monte de Santa Luzia, em Viana do Castelo, continuadas, após a sua morte, pelo Arqº. Manuel Nogueira (1883-1953), e, ainda, em Lisboa, a sinagoga israelita Schaare Tiekwa, da Rua Alexandre Herculano, que substituiu a do Beco dos Apóstolos, à Rua das Flores («A Construção Moderna» N.º 97/Ano IV/1903);
Obteve o Prémio Valmor referente aos Anos de 1903, 1906, 1909 e 1911 com as edificações situadas na Rua Alexandre Herculano, N.º 57-57C, Avenida da República, N.º 38, Rua Marquês da Fronteira, N.º 18-28, e Rua Alexandre Herculano N.º 25. Receberia ainda, respeitante a 1913, uma Menção Honrosa do Prémio Valmor pelo prédio situado na Avenida António Augusto de Aguiar, N.º 3-D, onde é hoje a sede da Ordem dos Engenheiros.”


“http://www.priberam.pt/dlpo/sic” - *sic |sique| (palavra latina)
Advérbio: Sem alteração nenhuma; tal e qual. = assim

(1) - Louis-Jules André ou Jules André é um arquitecto francês, nascido em Paris, a 24-06-1819 e morreu, também em Paris, a 30-01-1890, foi professor de Arquitectura, Prémio de Roma e membro do Instituto de França.

(2) - Victor-Alexandre-Frédéric Laloux (Tours, 15-11-1850 - Paris, 13-07-1937) é um arquitecto francês.

Acontecimentos Arquitectónicos da década:

1902 - Inauguração do elevador de Santa Justa;
1903 - Publicação do novo regulamento de salubridade para as construções urbanas;
1904 – Aprovação do Plano Geral de Melhoramentos, apresentado pelo engenheiro Ressano Garcia (1847-1911);
1905 – Desenvolvimento das construções ao longo da Avenida Fontes Pereira de Melo e da futura Avenida da República;
1905 - Jardim Zoológico, nas Laranjeiras, Raul Lino;
1907 – Animatógrafo do Rossio;
1908 - Projecto para o Parque Eduardo VII do arquitecto Miguel Ventura Terra.

8 comentários:

  1. Conheço só por fora. É um belo edifício, de um grande arquitecto e merecedor do prémio. A decoração azulejar da fachada principal é lindíssima e enriquece-a muito.

    Mesmo nas traseiras do edifício, escondida da vista de quem passa na rua, está a sinagoga de Lisboa, também do arquitecto Ventura Terra. No tempo da sua construção (transição do séc. XIX para o séc. XX), só as igrejas católicas podiam ser vistas da rua. A sinagoga teve por isso que ser construída no quintal do prédio!

    Sendo posterior à sinagoga de Lisboa, a do Porto, pelo contrário, já é visível e bem visível de toda a gente (https://pt.wikipedia.org/wiki/Sinagoga_Kadoorie).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois na realidade não fui fotografar a sinagoga nas traseiras do edifício. Gostava nestes longos trabalhos de ter acesso a algum interior dos imóveis para poder também fotografar algo interessante mas, infelizmente, não é possível.
      Estes prémios Valmor entre 1902 e 1943, para mim dos prédios existentes, os mais bonitos, deram-me imenso prazer falar e recolher informação escrita e fotografada sobre eles. Já dei três voltas fotográficas em 99% das propriedades e "bati" cerca de 1.565 fotos (2008 = 270; 2013 = 755 e 2018 = 540). Neste momento exibo as fotos de 2018, maioritariamente.
      Fernando, mais uma vez obrigado pelo enriquecedor comentário.

      Eliminar
  2. Os azulejos são lindíssimos.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São na realidade muito bonitos. Pena não os poder ver de perto ou mesmo tacteá-los !
      Obrigado Pedro

      Eliminar
  3. Gostei de conhecer e da forma como apresentaste estas preciosidades.

    ResponderEliminar
  4. I like the building in the video.
    Hugs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. This is a slideshow, made with Google Slides, and a long work about Arquitecture Prices Valmor (between 1902 and 1943), in Lisbon and made by me. I have published till now 3 posts and there will be more 27.
      Thank you Orvokki

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!