Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

domingo, 8 de novembro de 2015

Jazz Standards (CXLVI)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

Gee Baby Ain't I Good to You (#150) - Música de Don Redman e Letra de Andy Razaf
O talentoso saxofonista, orquestrador, chefe de orquestra e vocalista Don Redman apresenta a composição em 1929 numa gravação para a Victor Records com os “McKinney’s Cotton Pickers”. Quatorze anos depois, com uma ligeira reescrita da letra, por Andy Razaf, Nat "King" Cole trouxe a música de volta para a ribalta. A versão de Cole foi a sua quarta gravação que chegou às tabelas de venda:

Nat "King" Cole Trio (1944, vocal, Nº. 15)

Redman foi responsável por integrar a abordagem rítmica de Louis Armstrong nos seus arranjos para a orquestra de Fletcher Henderson durante os meados de 1920. Em 1927, ele foi assediado de longe por Henderson e juntou-se aos “McKinney’s Cotton Pickers”, a banda da casa no Ballroom Greystone em Detroit. Durante a sua estadia com McKinney, ele escreveu e gravou as suas três melodias, mais conhecidas: “Gee Baby Ain't I Good to You” “Cherry,” and “Save it Pretty Mama. Esta última composição foi gravada, enquanto convidado da banda de Louis Armstrong, em Chicago, decorria o mês Ddezembro do ano de 1928.

Ella Fitzgerald (Newport News, EUA, 25-04-1917 — Beverly Hills, EUA, 15-06-1996) e Joe Pass (New Brunswick, New Jersey, EUA, 13-01-1929 – Los Angeles, California, EUA, 23-05-1994) na guitarra


Diana Krall (Nanaimo, Canadá, 16-11-1964 - 20xx) – No Festival de Jazz de Montreal (Canadá), em 1996.


Billie Holiday (Filadélfia, EUA, 07-04-1915 — New York, EUA, 17-07-1959) – com a sua orquestra, para a Verve Records em 1957, a 9 de Janeiro, na cidade de Los Angels. Os músicos são: Harry Edison (trompete); Ben Webster (saxofone tenor); Jimmy Rowles (piano); Barney Kessel (guitarra); Red Mitchell (contrabaixo); e Larry Bunker (bateria).


Peggy Lee (Jamestown, North Dakota, EUA, 26-05-1920 – Bel Air, California, EUA, 21-01-2002) – com Lou Levy (piano), Bill Pitman (guitarra), Buddy Clark (contrabaixo) e Larry Bunker (bateria/vibrafone).


Letra

Love makes me treat you the way that I do
Baby, ain't I good to you
Nothing in this world too good for a girl so good and true
Whoa, baby, ain't I good to you
I bought you a fur coat for Christmas
And a diamond ring, yes I did
And a big Cadillac car, and everything
What makes me treat you the way that I do
It must be love baby
That's why I'm so good to you
I bought you a fur coat for Christmas
And a diamond ring,
And a great big Eldorado, and everything
It must be love that makes me treat you the way that I do
Gee,
Baby ain't I good to you

Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos).

12 comentários:

  1. Todas elas, grandes vozes! Extraordinárias!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A melhor maneira de ouvir uma determinada canção é ouvir várias vozes a cantar uma versão dessa mesma composição.

      Obrigado Catarina

      Eliminar
  2. Como é que Diana Krall se consegue intrometer com toda a naturalidade e justiça entre aqueles monstros sagrados???
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Diana Krall é talvez uma das últimas grandes vozes do Jazz, que acumula a voz ao piano, onde se comporta razoavelmente, uma Nina Simone contemporânea !

      Obrigado Pedro

      Eliminar

  3. Esta coisa dos "standards" sempre me fez confusão por causa da questão da letra e para quem ela é escrita.
    Eu explico:
    Em casos (como este) em que a letra é escrita para ser cantada por alguém do sexo masculino, fica depois caricato ver alguém do sexo oposto a cantar a mesma letra. (ou vice versa)
    E logo escolheste as quatro versões todas de mulheres!

    Na versão da Peggy Lee, ela resolveu facilmente o problema do seu género trocando alguns detalhes da letra... é que oferecer um casaco de peles ou um relógio de pulso... faz toda a diferença!
    :D

    Standard kisses
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Diana Krall tem uma versão da "Garota de Ipanema" que alterou e passou a ser The Boy from Ipanema
      No fundo aquilo que fez a Peggy Lee nesta canção. Por isso as letras estão muitas vezes "adulteradas" no bom sentido e adaptadas à caontora ou ao cantor.

      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  4. Todas as vozes interessante, mas destaco a primeira.
    Contudo, nada como a de Nat King Cole (e fui ouvi-la).
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes bem diversificar. Quantos mais ouvires mais gostas de fugir à rotina. Precisamos ouvir outras versões para podermos sentir-mo.nos bem em aprender a ouvir outras coisas !

      Obrigado Maria

      Eliminar
  5. Todas as versões são muito boas, mas a minha preferência vai para a 1ª.
    Vozes poderosas!!! E a canção é um mimo.

    Beijinhos, Ricardo do Jazz....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sempre gostei muito da Billie Holiday. Mas todas elas são boas dentro do timbre de voz de cada uma destas grandes Senhoras do Jazz !

      Obrigado Graça

      Eliminar
  6. Ah, a Peggy Lee!

    Beijinhos, Ricardo. :)

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.