Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Lisboa (IX) – Belém

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Algumas fotos sobre Belém, nomeadamente um dos monumentos mais representativos e conhecidos do nosso país, símbolo daquilo que fomos, não daquilo que somos, a Torre de Belém.

A Torre de Belém é um dos monumentos mais expressivos da cidade de Lisboa. Localiza-se na margem direita do rio Tejo, onde existiu outrora a praia de Belém. Inicialmente cercada pelas águas em todo o seu perímetro, progressivamente foi envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme. Classificada como Património Mundial pela UNESCO, em 7 de Julho de 2007 foi eleita como uma das Sete Maravilhas de Portugal.
Originalmente sob a invocação de São Vicente de Saragoça, padroeiro da cidade de Lisboa, designada no século XVI pelo nome de Baluarte de São Vicente a par de Belém e por Baluarte do Restelo, esta fortificação integrava o plano defensivo da barra do rio Tejo projectado à época de João II de Portugal (1481-1495), integrado na margem direita do rio pelo Baluarte de Cascais e, na esquerda, pelo Baluarte da Caparica.
O cronista Garcia de Resende foi o autor do seu risco inicial, tendo registado:

"E assim mandou fazer então a (...) torre e baluarte de Caparica, defronte de Belém, em que estava muita e grande artilharia; e tinha ordenado de fazer uma forte fortaleza onde ora está a formosa torre de Belém, que el-Rei D. Manuel, que santa glória haja, mandou fazer; para que a fortaleza de uma parte e a torre da outra tolhessem a entrada do rio. A qual fortaleza eu por seu mandado debuxei, e com ele ordenei a sua vontade; e tinha já dada a capitania dela [a] Álvaro da Cunha, seu estribeiro-mor, e pessoa de que muito confiava; e porque el-Rei João faleceu, não houve tempo para se fazer" (Resende, Garcia de, Crónica de D. João II, 1545.).

A estrutura só viria a ser iniciada em 1514, sob o reinado de Manuel I de Portugal (1495-1521), tendo como arquitecto Francisco de Arruda. Localizava-se sobre um afloramento rochoso nas águas do rio, fronteiro à antiga praia de Belém, e destinava-se a substituir a antiga nau artilhada, ancorada naquele trecho, de onde partiam as frotas para as Índias. As suas obras ficaram a cargo de Diogo Boitaca, que, à época, também dirigia as já adiantadas obras do vizinho Mosteiro dos Jerónimos.
Concluída em 1520, foi seu primeiro alcaide Gaspar de Paiva, nomeado para a função no ano seguinte.
Algumas palavras sobre Vitorino Salomé que ilustra com a sua música “Queda do Império”, do álbum “Flor de La Mar, editado pela EMI Valentim de Carvalho, decorria o ano de 1983.

Vitorino Salomé Vieira, ou apenas Vitorino, como é conhecido, (nasceu no Redondo, Alentejo, em 1942) é um cantor português. A sua música combina o folclore tradicional do Alentejo e o estilo urbano e popular da sua voz.
Conheceu Zeca Afonso, de quem se tornou amigo, quando estava a fazer a recruta no Algarve. Fixou-se em Lisboa a partir dos 20 anos, onde se associou à noite, às tertúlias e aos prazeres boémios. Em 1968 entrou para o Curso de Belas Artes. Emigrado em França, estudou pintura.
Colaborou em discos de José Afonso, "Coro dos Tribunais", e de Fausto. Actuou no célebre concerto de Março de 1974, I Encontro da Canção Portuguesa, que decorreu no Coliseu dos Recreios. Lançou nesse ano o seu primeiro single: "Morra Quem Não Tem Amores".
Participou no disco "Cantigas de Ida e Volta" conjuntamente com outros nomes como Fausto, Sheila e Sérgio Godinho.
Em 1975, estreou com o seu primeiro disco que incluía uma das canções mais importantes do imaginário português: “Menina estás à janela”. No álbum "Semear Salsa ao Reguinho" aparecem ainda canções como "Cantiga d'um Marginal do séc. XIX", "A primavera do Outono", "Cantiga de Uma Greve de Verão" e "Morra Quem Não Tem Amores".

4 comentários:

  1. Respostas
    1. E como sempre mais uma visita aqui ao "Pacto" !
      Obrigado Pedro

      Eliminar
  2. Bem lembrada a Torre de Belém !!! Linda e com uma belíssima história !
    Do magnífico Vitorino (um dos meus cantores preferidos da década de 70), com imenso rol de canções, recordo como uma das mais antigas a Leitaria Garret !

    Abraço, Ricardo ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande intérprete sim e as fotos estão abaixo do costume :), mas hei-de lá voltar !
      Obrigado Rui

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.