Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

terça-feira, 4 de maio de 2021

Poesia (8) – José Régio e Fausto Guedes Teixeira

José Régio (17-09-1901 – 22-12-1969)

Cântico Negro, dita por João Villaret

Fausto Guedes Teixeira (11-10-1871 – 13-07-1940)

Amar ou Odiar, dita por João Villaret

16 comentários:

  1. Grande Villaret, boa ideia a publicação destes vídeos, vou ouvir. Obrigado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O João Villaret tinha esse programa que era muito bom de ver e ouvir. A RTP podia fazer algo assim hoje, sem repetir esses. Seria interessante e cultural algo do género para abordar os nossos escritores poetas de hoje. Mas não é bom para as audiências :( !
      brancas nuvens negras, obrigado

      Eliminar
  2. O João Villaret era presença assídua lá em casa desde pequenino.
    Abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  3. Gosto de ouvir Mário Viegas na declamação destes e outros poemas.
    Mas fizeste bem em trazer o grande João Villaret. Só foi pena o som não ser tão perfeito quanto a voz e os poemas mereciam.
    Quando adolescente, não perdia um programa de Poesia que a RTP, única estação televisiva na altura, transmitia. Villaret era a estrela...

    «Ó minha descaradona
    ira a roupa da janela
    que essa camisa sem dona,
    lembra-me a dona sem ela»


    Parece que o estou a ouvir...:)

    Obrigada, Ricardo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João Villaret e Mário Viegas, são declamadores de interpretação diferente e de voz diferente. Gosto de ouvir ambos "dizer" e em Portugal sempre existiram bons declamadores da nossa riquíssima poesia. Nomes como: Amadeu Meireles, Bárbara Virgínia, Carmen Dolores, Germana Tânger, João Villaret, José Carlos Ary dos Santos, Maria Manuela Couto Viana, Mário Viegas, Pedro Lamares, Rosa Lobato Faria, Vitor Sousa, e outros, vou tentando encontrar no Youtube com poemas declamados.
      Janita obrigado

      Eliminar
  4. Embora já conhecesse ambos os poemas/videos, gostei muito de ouvir. Emociona mesmo quem, como eu, ama poesia.
    .
    Cumprimentos poéticos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A poesia é algo que muitas pessoas gostam, eu também, apesar de ser muitas vezes de difícil entendimento.
      " R y k @ r d o " obrigado

      Eliminar
  5. Sempre gostei de ouvir poesia declamada, eu própria me tornei em tempos de menina, segundo dizem, uma boa declamadora, claro que João Villaret é rei e este Cântico Negro, é para mim muito especial.

    Obrigada pela partilha Ricardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sabia que tinhas dito intuição para "dizer"/declamar. Bem podias, começar a gravar no Youtube poesia. É algo que está no meu pensamento fazê-lo.
      Manuela obrigado

      Eliminar
  6. Não posso ouvir João Villaret sem me lembrar do seu programa na RTP aos domingos à noite, há tantos anos, tantos! Há tantos anos, que nem me lembro do nome do programa, nem isso interessa para o caso.

    Agora, quando ouço as declamações de João Villaret no Youtube, soam-me a falso. Peço perdão se esta minha opinião desagrada a quem me lê, mas prefiro milhões de vezes o Mário Viegas, esse "rapaz de Santarém que tem muito jeito para dizer versos", como ele era apresentado nas festas de fim do ano letivo no liceu que eu (e ele, antes de mim) frequentei, o Liceu Alexandre Herculano, no Porto.

    Vamos lá ver se nos entendemos. Eu não condeno João Villaret, que me parece que era exagerado na teatralidade das suas declamações. Ele era um homem de Teatro, acima de tudo, e um grande homem de Teatro, sem dúvida nenhuma. A teatralidade estava-lhe nas veias. Mas a Poesia não é Teatro; é outra coisa. Mário Viegas percebeu isto e João Villaret não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernando sou capaz de estar de acordo quanto à intensidade dada pelo Villaret quando dizia poesia. No entanto, possivelmente queria deixar o seu cunho na arte de dizer, para que se lembrassem dele. As interpretações dele são sempre muito intensas, em alguns casos em demasia.
      O nome do programa também procurei nos arquivos da RPT e na realidade, penso que não vem lá mencionado, o quw acho estranho. Possivelmente procurei mal !
      Fernando obrigado

      Eliminar
  7. Dois poemas muito maravilhosos, cheios de magia e sentimento de pura beleza, gostei imenso!!

    ResponderEliminar
  8. Um declamador insubstituível até hoje... na minha opinião!
    Gostei muito de o ouvir em ambos os vídeos!
    Estou com imensas dificuldades em deixar comentários neste blog, hoje... porquê... não sei... mas este problema surgiu há umas semanas... também com outros bloggers... tentarei vir noutro dia, e a outra hora! Em alguns blogs, os comentários só ficam, no fim de infindáveis tentativas... hoje por aqui, está a acontecer isso...
    Um grande abraço! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, de vez em quando convém apagar os "cookies" nos nossos computadores. Eles são benéficos por um lado, mas também podem causar alguns dissabores por outro. A lentidão pode ser provocada por isso, embora isso possa somente acontecer em alguns blogues. Além disso, existem os ficheiros temporários que de quando em vez também se devem apagar. Se tiver o teu email, vou-te enviar como deves fazê-lo sete sentires à vontade para ou se o quiseres fazer.
      Ana obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago.