Teus olhos contas escuras, são duas Avé Marias, dum rosário d’amarguras, que eu rezo todos os dias. - Fernando Pessoa

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Jazz Standards (180)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

I've Got the World on a String (#184) - Música de Harold Arlen e Letra de Ted Koehler
Esta composição da dupla Ted Koehler-Harold Arlen foi apresentada na 21.ª edição da “Cotton Club Parade”, que abriu em 23 de Outubro de 1932. A orquestra de Cab Calloway’s teve este sucesso nas tabelas de vendas, 18.º lugar:

Cab Calloway e orquestra (1932, vocal, N.º 18)
Bing Crosby, com a orquestra dos “Dorsey Brothers” (1933, vocal, N.º 19)
Frank Sinatra, com a orquestra de Nelson Riddle (1953, vocal, N.º 14).


Michael Bublé (Burnaby, British Columbia, Canadá, 09-09-1975) - I've Got The World On A String, no Madison Square Garden, do álbum “Call Me Irresponsible” de 2007.


Peggy Lee (Jamestown, North Dakota, EUA, 26-05-1920 – Bel Air, California, EUA, 21-01-2002).


Rod Stewart (Highgate, North London, Inglaterra, 10-01-1945) – Do álbum de 2010 “Fly Me to the Moon: The Great American Songbook V”.


Diana Krall (Nanaimo, Canadá, 16-11-1964) -Do álbum “Only Trust Your Heart” de 1995.


Letra

I've got the world on a string
I'm sitting on a rainbow
Got that string around my finger
What a world, what a life; I'm in love
I've got a song that I sing
And I can make the rain go
Any time I move my finger
Lucky me, can't you see? I'm in love
Life's a wonderful thing
As long as I've got that string
I'd be a silly so-and-so
If I should ever let you go
I've got the world on a string
I'm sitting on the rainbow
I've got that string around my finger
Oh, what a world, what a life; I'm in love
Life's a wonderful thing
As long as I hold the string
I'd be a crazy so-and-so
If I should ever let her go
I've got the world on a string
I'm sitting on a rainbow
I got…

Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos).

16 comentários:

  1. Diana Krall noutro patamar.
    Uma pérola.
    Aquele abraço, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa música por aqui :)... modéstia à parte !
      Obrigado Pedro

      Eliminar
    2. Concordo absolutamente, Ricardo, desta vez a música é brilhante:-*

      Eliminar
    3. Teresa, espero que não gostes, ou tenha gostado, só desta vez !

      Eliminar
  2. Quatro interpretações/versões do mesmo tema.
    Comecei pelo Michael Bublé e avancei para a Diana Krall, sem ouvir os outros. Mas, é ao som da bela voz e do ritmo do jovem Michael que escrevo. Belíssima interpretação. Para mim, suplantou a Diva. Aliás, parece-me que esse vídeo privilegiou a parte instrumental, não tanto a parte vocal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita

      Existe no Jazz normalmente um misto, quando em composições vocais, de partes da música terem um solo ou dois de outros instrumentos para além da voz do artista que interpreta o tema. Nem sempre isso acontece. Pode dar-se o caso de o vocalista assumir do princípio ao fim, o papel principal, mas é mais normal o primeiro caso.

      O Jazz não é rígido, é diferente de todos os outros géneros, mas respeita também algumas regras que muitas vezes têm a ver com o respeito pela música original, isto é, a primeira versão porquem foi tocada e/ou cantada.

      Acontece que aqui ouviste, com o Bublé, com a Peggy Lee e com o Rod Stewart um solo muito curto de trompete, no meio da música. Com o Rod Stewart ouviste ainda um curtíssimo solo de flauta. Finalmente na versão da Diana Krall, o trompete foi substituído pela execução de um solo no piano que ela própria executou, como é óbvio, e ainda um solo de contrabaixo (Christian McBride), um outro de bateria (Lewis Nash) e no final voltámos ao tema, na voz dela.

      Obrigado

      Eliminar
  3. Todos bons, todos no seu estilo, contudo, se é jazz… Diana Krall

    Que belíssima escolha, Ricardo.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Modéstia à parte e como já disse aqui, a este blogue eu tento sempre trazer boa música !
      Esta rúbrica dos "Standard" é a mais antiga dos meus blogues, e foi por causa dela que eu criei o meu primeiro.
      Obrigado mz

      Eliminar

  4. Quando uma música é boa e é agradável de interpretar e de se escutar, a receita para o sucesso está garantida. Foi o que aconteceu com este tema da dupla Ted Koehler-Harold Arlen.
    Qualquer "performer", quer a interprete mais fielmente ao original quer a faça mais sua, vai ter sucesso. Isto tudo para dizer que não me consigo desta vez decidir por qual das quatro versões me inclino mais. Todas elas são diferentes, todas elas são excelentes, umas dando mais protagonismo ao instrumento voz, outras dando também protagonismo a outros instrumentos.

    É esta a magia do jazz, mesmo parecendo que está cada um a tocar para seu lado, no final todos convergem para o tema original.

    Gostei muito deste bocadinho que aqui estive na tua "sala" a ouvir música!
    Beijinhos em tamanho standard
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pouco tenho a acrescentar em relação ao que muito bem disseste, a não ser, obrigado Clara !

      Eliminar
  5. Quatro interpretações que gostei muito, mas para mim, a eleita é Diana Krall!

    ResponderEliminar
  6. Gostei, principalmente da versão da Diana Kroll e do Michael Bublé.
    Da música, não sabia o nome, mas é-me familiar, talvez do tempo do grande Bing Crosby ou do Frank Sinatra !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui tanto o Sinatra como o Bing têm versões próprias e podes encontrá-las no Youtube !
      Obrigado e Abraço

      Eliminar
  7. Muito bom, Ricardo!!!
    Se tivesse de escolher uma versão seria a de Diana Kroll mas gostei igualmente de ouvir (porque desconhecia) Peggy Lee.
    Bela música se fazia nos anos 30...
    Beijo, bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela tua visita e apreciação, Teresa.
      Bom domingo

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago.