Dá a surpresa de ser

Dá a surpresa de ser É alta, de um louro escuro. Faz bem só pensar em ver Seu corpo meio maduro.

Seus seios altos parecem (Se ela estivesse deitada) Dois montinhos que amanhecem Sem ter que haver madrugada.

E a mão do seu braço branco Assenta em palmo espalhado Sobre a saliência do flanco Do seu relevo tapado.

Apetece como um barco. Tem qualquer coisa de gomo. Meu Deus, quando é que eu embarco? Ó fome, quando é que eu como?

10-9-1930 - Poesias. Fernando Pessoa. (Nota explicativa de João Gaspar Simões e Luiz de Montalvor.) Lisboa: Ática, 1942 (15ª ed. 1995) - 123.

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Homenagem a Fernando Abreu de Carvalho Araújo



O médico Fernando Carvalho Araújo foi o meu médico “pediatra” e clínico geral que acompanhou o meu crescimento. Tinha consultório em Moscavide, e era lá que eu ia às consultas normais de criança e até mesmo de jovem. Era o médico da família. Lembro-me de nessa altura em Moscavide haver outro médico, o Dr. Catela que nunca atendia as chamadas telefónicas à noite quando as pessoas precisavam de ajuda médica. O Carvalho Araújo veio modificar isso em Moscavide. Ele atendia os telefonemas e ia com a sua mulher, ver os doentes, nem que eles fossem nos “ciganos” e vivessem em “barracas”. Um excelente médico e ser humano. Não me lembro de algum diagnóstico falhado e até foi ele que contribui, decisivamente, para o nascimento da minha filha.
Obrigado Professor Doutro Fernando Carvalho Aráujo, vamos sentir a sua falta !!!

Texto abaixo, de Francisco Antunes, Especialista em Doenças Infecciosas e Medicina Tropical, Instituto de Saúde Ambiental, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

In memoriam – Prof. Fernando Abreu de Carvalho Araújo (1922-2017)

Faleceu em 11 de Setembro de 2017, aos 95 anos de idade, o Professor Carvalho Araújo, Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e ex-Director do Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital de Santa Maria (1968-1992).

As Doenças Infeciosas estão de luto, pelo falecimento do Prof. Fernando Abreu de Carvalho Araújo, no dia 11 de Setembro de 2017, por complicações relacionadas com doença renal, aos 95 anos de idade. A identidade das Doenças Infeciosas, em Portugal, ficou a dever, e muito, ao Prof. Carvalho Araújo, tendo sido ele o obreiro do reconhecimento na Ordem dos Médicos da Especialidade, da criação da Sociedade Portuguesa de Doenças Infecciosas (actualmente Sociedade Portuguesa de Doenças Infecciosas e de Microbiologia Clínica) e da Revista Portuguesa de Doenças Infecciosas, em 1985, tendo sido o seu primeiro Director.

O Prof. Fernando Abreu de Carvalho Araújo licenciou-se, em 1950, em Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Medicina de Lisboa, tendo-se doutorado em 1965 com a tese “Contribuição para o estudo da toxoplasmose em Portugal”, levantando, neste trabalho, a hipótese, pela primeira vez, da possibilidade da existência de uma forma de resistência de Toxoplasma gondii, a qual foi identificada mais tarde e, por outro lado, de ter confirmado, pela primeira vez, um caso de toxoplasmose adquirida em Portugal. Na altura do doutoramento, o Prof. Carvalho Araújo era 1º Assistente da Cadeira de Clínica de Doenças Infecto-Contagiosas da Faculdade de Medicina de Lisboa. Em 1968 foi nomeado Director do Serviço de Doenças Infecto-Contagiosas do Hospital de Santa Maria, em 1970 Professor Auxiliar e em 1973 fez concurso de provas públicas para obtenção do título de Professor Agregado de Medicina Interna da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, mais tarde foi Professor Associado e, finalmente, Professor Catedrático desta Faculdade.

O Prof. Carvalho Araújo foi um seguidor da escola francesa de Doenças Infecciosas e as diversas visitas que fez a alguns estabelecimentos franceses de investigação científica e de assistência médica em Doenças Infeciosas, nomeadamente ao Instituto Pasteur de Paris (Departamento de Investigação Virológica e Departamento de Estudos em Micologia), ao Hospital de Claude Bernard, “o maior bastião francês, célebre em toda a Europa, na luta contra as doenças infecto-contagiosas”, ao Hospital de Saint Vincent de Paul e, mais tarde, ao Serviço de Reanimação do Hospital de Claude Bernard permitiram-lhe dar forma aos planos de criação de um modelo para um Serviço de Doenças Infecciosas autónomo e formatado para receber doentes com doenças infeciosas correntes nos anos 70, do século passado. Foi um trabalho hercúleo que só atingiu os objectivos pretendidos devido à visão e à capacidade de trabalho do Prof. Carvalho Araújo – remodelação do Arquivo e da Biblioteca, que passou a estar enriquecida com os principais livros e revistas sobre doenças infeciosas, criação da Consulta Externa do Serviço de Doenças Infecciosas “que representou uma economia de mais de 1.000 dias/cama/ano”, oficialização da Urgência Interna e criação da ambicionada Unidade de Tratamento Intensivo de Doentes Infecciosos, a que foi dada o seu nome, pelo reconhecimento do esforço, da dedicação, do espírito dinamizador e do elevado sentido das realidades do Grande Mestre da Infecciologia em Portugal. Para além do mais lançou as bases para a criação, no Serviço de Doenças Infecto-Contagiosas, do Laboratório de Microbiologia Aplicada.

O seu interesse pela toxoplasmose motivou a constituição, por parte do Ministério da Saúde e Assistência, em 1969, de um Centro de Estudos da Toxoplasmose, o qual foi enquadrado, por acordo com o Dr. Arnaldo Sampaio, ao tempo Inspector Superior de Saúde, nas instalações do futuro Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

O Prof. Carvalho Araújo deixou uma vasta obra de trabalhos publicados, para além de ter criado, em 1968, a revista Medicina Hoje “destinada aos médicos recém-formados e àqueles outros que vivem longe dos grandes centros médicos”. À data era a única revista de informação médica, editada em Portugal, contendo exclusivamente, trabalhos científicos originais de médicos portugueses. Nesta revista publicaram artigos, de entre outros, Ducla Soares, Arsénio Cordeiro, Fernando de Pádua, Celestino da Costa, Jorge Horta, Gouveia Monteiro, Ramos Lopes, Thomé Villar, Armando Porto, Girão do Amaral, Sales Luís, Palma Carlos, Pinto Correia, Norton Brandão, Mário Marques, Nazaré Vaz, Carneiro Chaves, Balcão Reis, Carneiro de Moura, Óscar Candeias e Rui Proença. Todos eles grandes figuras do Ensino Médico, em Portugal.

Um dos projectos mais ambiciosos do Prof. Carvalho Araújo foi a criação de um “Centro de Investigação privativo da Clínica de Doenças de Infecto-Contagiosas da Faculdade de Medicina de Lisboa”, projecto esse que se veio a concretizar mais tarde, 40 anos depois, com a criação do Centro de Investigação Clínica e de Tratamento Integrado da Infecção VIH/sida e Hepatites, no Serviço de Doenças Infecciosas, do Hospital de Santa Maria, em 2011.

O Prof. Carvalho Araújo foi louvado pelo Enfermeiro-Mor dos Hospitais Civis de Lisboa, em 1953, pelos serviços prestados no Hospital de Santa Marta e pelo Director-Geral da Saúde, em 1968, pela colaboração prestada durante o surto de febre tifóide ocorrido em Alhandra.

O Prof. Carvalho Araújo foi sempre muito grato a todos aqueles que o dirigiram e orientaram na sua formação, mas, também, nunca esqueceu aqueles que com ele compartilharam a vida profissional no Serviço de Doenças Infecto-Contagiosas, mais tarde designado Serviço de Doenças Infecciosas, de que foi Director durante 24 anos (1968-1992). A este propósito afirmou “Orgulho-me de ter tão excelente equipa, uma equipa unida, consciente e esclarecida, altamente especializada e extremamente eficiente, com a qual dá muita satisfação trabalhar”.

O Prof. Carvalho Araújo regia-se por princípios éticos e profissionais muito rigorosos, no desempenho das suas funções médicas e docentes e, a propósito do seu pedido de demissão de professor da Escola de Enfermagem do Hospital Escolar de Santa Maria, em 1970, afirmou “Cabe aqui dizer que no meu pedido de demissão, de tais funções, pesou muito, também, a minha oposição, quase frontal, ao programa anacrónico que, ano após ano, me foi imposto e a minha discordância, por mera questão de princípios, do sistema de retribuição pelos serviços, efectivamente, prestados, retribuição muito pouco dignificante para quem ensina, mas muito menos, ainda, para a Instituição que a pratica”.

Todos aqueles que beneficiámos dos ensinamentos e do convívio com o Prof. Carvalho Araújo devemos-lhe um sentimento de gratidão e a certeza de que o reconhecimento que têm as Doenças Infeciosas em Portugal é devido ao legado que nos deixou e que procuramos honrar.

9 comentários:

  1. Assim sendo, ...uma justíssima homenagem !
    Afinal , "Importante para ti" e importante para a sociedade em geral !!!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, foi muito importante !
      Obrigado Rui e Abraço

      Eliminar
  2. Os médicos que nos tratam em crianças, levamo-los para sempre marcados no coração e na memória. Lembro-me bem do médico de clínica geral, da minha terra.
    Uma justa homenagem que prestas a alguém que teve um papel importante na tua vida e na vida da sociedade de uma maneira geral, aliás, num tempo que me carecia de gente de valor profissional e humano.
    Não deve ser do tempo em que vivi em Moscavide, pois não reconheci o senhor.

    Fica bem, Ricardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há ali um 'me' a anteceder o 'carecia' que ficou a mais.
      Acontece! Não irei anular o comentário, por isso. :)

      Eliminar
    2. Verdade os médicos que nos tratam quando somos pequenos "viajam" sempre connosco !
      Obrigado Janita

      Eliminar

  3. Homenagem mais que justa e muito bonita que tu aqui fizeste, à semelhança da que aqui há tempos fizeste também à médica obstetra que te trouxe a este mundo, Cesina Bermudes.

    Os "nossos médicos" e sobretudo os pediatras, são os que mais nos marcam para o resto da nossa vida.
    Curiosamente o meu pediatra, o médico que me salvou a vida ainda nem três anos eu tinha, também é Fernando de primeiro nome, nascido em 1931 e ainda é vivo e julgo que ainda consulta. Também tem sido uma referência e uma pessoa muito especial em termos profissionais, tendo já recebido medalhas de mérito e homenagens na sua cidade.

    Desta vez o mérito é todo teu.
    Beijinhos de bata branca
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há muito que dizer sobre este médico. O texto é suficientemente explicativo. Eu fui dos primeiros pacientes dele e lembro-me bem, mais tarde, quando já era adolescente, cada vez que lá ia ao seu consultório, ele costuma dizer quando ia buscar a minha ficha, "fico velho cada vez que pego na tua ficha !" :).
      Excelente médico e pessoa. Haviam de existir muitos mais como ele !!!
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  4. Vi agora este artigo e não posso deixar de prestar a minha homenagem a este senhor, conheci-o há 55 anos, era eu uma gaiata de 10 anos e estava doente, ao ouvir os sintomas que a minha mãe fazia de como eu me sentia, este grande medico disse logo o diagnostico, febre reumática, fui ainda fazer um exame para confirmar o diagnostico. Fui tratada por ele, não fiquei com lesões no coração.
    Grande médico a quem agradeço a minha vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo seu comentário. Pena que médicos como o Professor Doutor Fernando Carvalho Araújo desapareçam da vida terrena. Espero que muitos outros tenham beneficiado com a sua experiência e ensinamento. Eu estive do lado dos pacientes que tive o privilégio de ser tratado por ele. Lembro-me bem da sua simpatia e educação, ao tratar as pessoas.
      Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago. Respeito pelo Português (Brasil), mas em desrespeito total pelo Acordo Ortográfico de 90 !!!