Teus olhos contas escuras, são duas Avé Marias, dum rosário d’amarguras, que eu rezo todos os dias. - Fernando Pessoa

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

CinemaScope (10)

Retomo uma rúbrica que existia neste blogue, em rodapé e que possivelmente passou despercebida a muitos que me visitavam, por estar mesmo lá no fim da minha página.

É música claro ! O que estavam à espera ?

São composições que me dizem muito, porque sou um romântico e um eterno apaixonado por música, pelas outras artes, pela humanidade, pelos amigos que encontrei na blogosfera, pela Natureza, pela vida, no fundo, pelas coisas boas desta sociedade em que vivemos.

Desta vez os registos, enquanto não apagados ou eliminados do Youtube, ficarão por cá, com uma única etiqueta “CinemaScope”.

Um músico excepcional que compôs para multidões, em espectáculos grandiosos, muitas vezes com fogo de artíficio. Gostaria de ter assistido a um destes dois concertos, dos quais vão ouvir de seguida duas composições, O artista é francês, Jean-Michelle Jarre (24-08-1948). O primeiro músico ocidental a tocar na República Popular da China.

“Revolutions”, do álbum “Destination Docklands” (1989), gravado nas docas de Londres.


“Fishing Junks at Sunset”, do álbum “Concertos da China”, de 1982, com a “The Peking Conservatoire Symphony Orchestra”.

6 comentários:

  1. Que bela escolha, Ricardo. Em tempos ouvi muita música de Jean Michel Jarre.
    Adorava aquele som diferente da música electrónica.
    Se não me engano -ou terei sido eu a considerá-lo como tal - foi chamado o 'pai' da dita música electrónica.
    Amanhã virei ouvir o segundo vídeo que não ouvi agora.

    Um abraço e obrigada. Este foi «especialmente» para mim. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele foi um dos pais da música electrónica, embora oficialmente se diga que foi o grupo alemão Kraftwerk (1970), https://pt.wikipedia.org/wiki/Kraftwerk.
      Se assumes que foi especial para ti, este CinemaScope, ainda bem !
      Obrigado Janita

      Eliminar
  2. Teve o seu tempo.
    E foi um grande sucesso.
    Hoje em dia já fica um bocado demodé.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto imenso de Jean-Michel Jarre. Para dizer a verdade eu sou adepto de algumas coisas "demodé" ! :))
      Abraço Pedro

      Eliminar
  3. Sempre gostei e gosto de ouvir o som invulgar e único de Jean- Michel Jarre.
    Acho que foi uma boa escolha para esta tua rubrica.

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago.