Teus olhos contas escuras, são duas Avé Marias, dum rosário d’amarguras, que eu rezo todos os dias. - Fernando Pessoa

domingo, 1 de outubro de 2017

Adriano Correia de Oliveira – Nascidos Aqui (11)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Adriano Correia de Oliveira (09-04-1942 – 16-10-1982)

Trova do Vento Que Passa, de 1971


Cantar de Emigração, de 1971


Canção com Lágrimas


As Balas

16 comentários:

  1. Um dos "Monstros Sagrados" de uma "altura marcante" no panorama da música portuguesa de contestação !
    Uma época que vivi intensamente !
    Não se "pode" morrer aos 40 anos ! :(( ... Ficamos muito mais pobres naquela época !

    ResponderEliminar

  2. Esta voz é inconfundível!
    Recordo-me bem, principalmente das duas primeiras músicas!
    Também concordo com o Rui! Uma fatalidade terrível! :(

    Ficaram felizmente os registos para se continuar a escutar a sua voz no futuro.
    Beijinhos melancólicos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adriano, o menos falado, mas tão bom como os demais cantores da época !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  3. Caro coetâneo Ricardo Santos.
    Não conhecia este cantor e pelos comentários do nosso Mestre dos Mestres de todos os Mestres, bem como da Poderosa deusa Afrodite ele deixou marcas indeléveis no mundo musical lusitano.
    Ele fez-me lembrar de um cantor, meu patrício, o saudoso Altemar Dutra (1940-1983):
    https://www.youtube.com/watch?v=b_r8xXLjmeg
    https://www.youtube.com/watch?v=zOQUObP_fbQ
    Caloroso abraço. Saudações musicais.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem períodos áureos na música portuguesa. A época antes do 25 de Abril e da revolução deram à cena uns quantos cantores que lutavam pela liberdade de expressão e dos cidadãos. Posso citar apenas alguns: José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Mário Branco, Fausto Dias, José Jorge Letria, Francisco Fanhais, Sérgio Godinho, e muitos mais !
      Todos eles nas suas composições se opunham ao regime ditatorial de António de Oliveira Salazar e mais tarde de Marcelo Caetano.
      Fases complicadas das nossa história que trouxeram artistas de todas as artes à superfície, na Cultura Portuguesa. Desde o Teatro, Literatura, Música, Pintura, Escultura, Cinema, etc... fomos bafejados com grandes nomes a nível nacional e alguns reconhecidos mundialmente.

      Obrigado Professor

      Eliminar
  4. PS - Que coincidência o cantor lusitano e o brasileiro eram coetâneos e embarcaram na faixa etária dos 40 anos no Expresso da Eternidade.
    Adriano Correia de Oliveira (1942-1982).
    Altemar Dutra (1940-1983).

    ResponderEliminar
  5. I liked to listen Adriano, even though I did not know him before.
    Hugs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. There are golden periods in Portuguese music. The time before April 25 and the Revolution gave the scene a few singers fighting for freedom of expression and citizens. I can cite just a few: José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, José Mário Branco, Fausto Dias, José Jorge Letria, Francisco Fanhais, Sérgio Godinho, and many more!
      All of them in their compositions were opposed to the dictatorial regime of António de Oliveira Salazar and later to Marcelo Caetano.
      Complicated phases of our history that brought artists of all the arts to the surface, in the Portuguese Culture. From the Theater, Literature, Music, Painting, Sculpture, Cinema, etc ... we were baptized with great names at national level and some recognized worldwide.

      Thank you and Regards Orvokki

      Eliminar
  6. Canções que contam a história de um país, são jóias de um povo. Foram e são canções com uma mensagem muito forte.
    Para mim, são canções que me emocionam e em que cada frase me fazem reflectir,pois nada era escrito ao acaso.

    Tenho um predilecção pela primeira, adoro este poema de Manuel Alegre e faz-me recordar sempre as serenatas de Coimbra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo isso é uma verdade insofismável. Algo que amamos quando os ouvimos e que nos fala da História deste País.
      Obrigado mz

      Eliminar
  7. Em boa hora o vento passou por aqui e curiosamente lançaste este post no dia das eleições, nada melhor para homenagear este grande cantor.
    Há pessoas que vivem pouco tempo, mas têm a capacidade de deixar marcas que não esqueceremos.

    Abraço Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi propositado ter sido no dia das eleições. O Adriano deixou marcas sim.
      Obrigado Manuela

      Eliminar
  8. A Trova do Vento que Passa é das baladas mais bonitas que conheço.
    Cantada pelo Luís Marinho é excepcional.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  9. Bom dia, Adriano Correia de Oliveira cantor de interversão, é bom que não seja esquecido,
    Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantor de intervenção sim, António. Dos menos ouvidos, mas nem por isso menos importante !!!
      Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago.