A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

domingo, 18 de junho de 2017

CinemaScope (5)

Retomo uma rúbrica que existia neste blogue, em rodapé e que possivelmente passou despercebida a muitos que me visitavam, por estar mesmo lá no fim da minha página.

É música claro ! O que estavam à espera ?

São composições que me dizem muito, porque sou um romântico e um eterno apaixonado por música, pelas outras artes, pela humanidade, pelos amigos que encontrei na blogosfera, pela Natureza, pela vida, no fundo, pelas coisas boas desta sociedade em que vivemos.

Desta vez os registos, enquanto não apagados ou eliminados do Youtube, ficarão por cá, com uma única etiqueta “CinemaScope”.

Um dos melhores compositores de bandas sonoras do cinema que tem vindo a escrever, das composições mais bonitas e melodiosas de determinada cinematografia.

Ennio Morricone (10-11-1928) - Playing Love, extraida do filme “The Legend of 1900” de 1998.

17 comentários:

  1. Respostas
    1. Tim Roth como pianista e Mélanie Thierry a rapariga que olha através das vigias. A música, como em toda aquela que as mãos de Morricone toca, é um assombro. Esta composição é de um grande romantismo.
      Catarina obrigado e ainda bem que gostaste

      Eliminar
  2. Não imaginas o quanto adoro Ennio Morricone, este tema desconhecia, mas lembro-me sempre do cinema Paradiso.
    Obrigada pela partilha.

    Boa semana Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos dois a apreciar o Ennio Morricone. Pefeitamente maravilhoso as suas notas escritas num papel !
      Obrigado Manuela

      Eliminar
    2. Sejamos três !!! :)
      Obrigado Teresa

      Eliminar
  3. Pelos vistos, não.
    Escrevia que Morricone é simplesmente genial.
    Não há uma banda sonora que tenha composto que não seja divinal.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro, tens todo o meu apoio nessa tua afirmação !
      Obrigado e Abraço

      Eliminar
  4. Bom dia, o grande compositor e maestro Ennio Morricone, consegue fazer da musica a beleza para ser ouvida, é fantástico.
    AG

    ResponderEliminar
  5. Não conhecia, nem uma coisa nem outra, ou seja, nem o filme nem a composição, como é óbvio. Gostei, sim. Mas já ouvi outras, de Ennio Morricone, que me agradaram mais.
    Obrigada, Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Respeito a tua opinião. Eu gosto de Morricone. Se é este "Playing Love" do filme "1900", se é outra qualquer, é Morricone !
      Obrigado Janita

      Eliminar
  6. Adorei a música, Ricardo ! ... Morricone é o máximo !
    Tenho a impressão que cheguei a ver este filme. (?) ... ou seria apenas esta composição "Playing Love", algures na blogosfera... (?)
    A rapariga, inspiradora e Tim Roth dentro do seu estilo habitual, tanto como em La la Land !

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Morricone sim é o máximo. Um músico e compositor excepcional.
      Obrigado Rui

      Eliminar

  7. Custa-me imenso dizer (e tu deves entender bem isto que vou escrever) qual é entre todos os temas de Ennio Morricone o meu preferido (são tantos...) mas, atrevo-me a dizer que seguramente este "Playing Love" é um dos meus favoritos.
    Não a tenho ainda no meu Smooth Latitude mas está algures lá pelos Jardins, mas tocada pelo fabuloso Yo-Yo Ma.
    O seu violoncelo tem uma doçura maravilhosa!

    Obrigada por este doce momento.
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois com Morricone nunca conseguimos ter somente um tema favorito. O que é bom sinal. É sinal que é um compositor que sabe o que escreve e com as suas belas composições consegue agradar aos seus ouvintes.
      Esta é também uma das minhas preferidas. Conheço a versão do Yo-Yo Ma, mas esta tem uma componente visual que me atrai e que além da beleza da música, as imagens nos transportam para alguém que não me está a ver do lado de lá da janela, mas que me está a sentir através das vibrações sonoras !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.