A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

sábado, 16 de junho de 2012

Músicas House MD (6ª. Temporada) (XXVIII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)         
                
Oscar Emmanuel Peterson (Montreal, Canadá, 15-08-1925 – Mississauga, Ontário, Canadá, 23-12- 2007) - Foi um pianista de jazz canadiano. Oscar Peterson é considerado por muitos críticos como um dos maiores pianistas de jazz de todos os tempos (palavras do crítico Scott Yanow, em 2004). Os seus parceiros musicais mais constantes são os contrabaixistas Ray Brown e Niels-Henning Orsted Pedersen e os guitarristas Herb Ellis e Joe Pass.
Começou a estudar trompete e piano com o seu pai aos cinco anos de idade. Após uma tuberculose dedicou-se ao piano.
Em 1944 participou da Johnny Holmes Orchestra, onde ele aprendeu composição e arranjo. Três anos mais tarde formou o seu primeiro trio com Bert Brown (contrabaixo) e Frank Gariepy (bateria), com o qual se apresentava em concertos semanais no “Alberta Lounge”, onde Norman Granz (empresário norte-americano de jazz) o descobriu e o levou a tocar no “Carnegie Hall”.           
              
Oscar Peterson TrioNight Train, com Oscar Peterson (piano), Ray Brown (contrabaixo) e Ed Thigpen(bateria).      
             
            
                   
Brad Mehldau (Jacksonville, EUA, 23-08-1970 – 20xx) - É um pianista de jazz norte-americano. Brad começou a tocar piano aos 6 anos de idade e estudou piano clássico até os 14 anos de idade. Brad se apresentando com banda da escola, quando estudava na high school em Connecticut.
Estudou piano e composição na famosa Berklee College of Music e na New School for Jazz & Contemporary Music. Entre os seus professores estavam Kenny Werner, Junior Mance e Fred Hersch, este último sendo o que mais o influenciou.
Enquanto estudava na New School for Social Research, o baterista Jimmy Cobb o convidou para integrar banda.
Mehldau tocou por dois anos com Joshua Redman, e depois com Charlie Haden, Lee Konitz, e gravou com Wayne Shorter, John Scofield e Charles Lloyd.
Em 1995, Mehldau formou o próprio trio, com o baixista Larry Grenadier e o baterista Jeff Ballard.
Em 1997, gravou seu segundo disco, The Art of the Trio, o qual recebeu uma nomeação para o Grammy. Em 1998, Mehldau gravou a continuação, The Art of the Trio, Vol. 2, gravado ao vivo no Village Vanguard de New York.
As principais influências são Franz Schubert, Oscar Peterson, Keith Jarrett Miles Davis e John Coltrane.
O estilo é muito comparado a Bill Evans, comparação que não o agrada, conforme explica em sua introdução a The Art of the Trio IV.
Nutre grande admiração pela música brasileira, em especial Milton Nascimento, Chico Buarque e Simone. Em 2006 apresentou-se no Auditório do Ibirapuera e declarou: Descobri Simone no ano passado e foi como conhecer Sarah Vaughan ou Dinah Washington. Ela tem uma identidade forte, canta com muita paixão e graça.        
                  
Brad Meldhau TrioNo Moon At All, com Brad Mehldau (piano), Larry Grenadier (contrabaixo) e Jeff Ballard (bateria).          
                  
               
                      
Sly & The Family Stone (1967 – 2008) – Foi uma importante e influente banda norte-americana de “Soul” e “Rock” formada em São Francisco, Califórnia. No activo de 1967 a 1975, o grupo teve um papel primordial no desenvolvimento da músical “Soul”, do “Funk” e do Psicadélico”. Liderada pelo cantor, compositor, produtor musical e multi-instrumentista Sylvester "Sly Stone" Stewart e formado por vários membros de sua família e amigos, o grupo foi também importante por ter sido a primeira banda norte-americana a ter uma formação multicultural, dando a negros, brancos, homens e mulheres papéis importantes na sua instrumentação.
A banda tornou-se especialmente conhecida durante os anos 1967 a 1972, influenciando toda a música pop norte americana em geral, e mais especificamente o “Soul”, “R&B”, “Funk”, e mais tarde o “Hip Hop”. Alcançou por cinco vezes o “Top 10” dos Estados Unidos com temas de grande sucesso e editou quatro álbuns de grande divulgação. O disco "Dance to the Music" tornou-se um sucesso internacional sendo que os "Sly & the Family Stone" tornaram-se o grupo afro-americano mais popular da época. Rapidamente, seguiram-se, outros sucessos, inclusivé "Hot Fun in the Summertime", "Everyday People" e "Thank You for Letting Me Be Myself Again". Em 1969 participaram no Festival de Woodstock, ao lado de outros grandes nomes da música mundial, tocando para meio milhão de pessoas “Dance To The Music” e “I Want To Take You Higher”. Mais tarde, actuaram para 300.000 pessoas na Ilha de Wight, na Grã-Bretanha e para 350.000 num festival de música na República Federal da Alemanha.          
                
Sly & The Family StoneLife           
                 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.