Teus olhos contas escuras, são duas Avé Marias, dum rosário d’amarguras, que eu rezo todos os dias. - Fernando Pessoa

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Avô e Neto - Interacção Humorística (166)

Em 15-07-2012. Obrigado.

Avô e Neto


O avô conta ao seu neto João as grandes mudanças que aconteceram na sociedade, desde a sua juventude até agora... 


“Sabes, João, quando eu era pequeno, a minha mãe dava-me dez escudos, e com isso mandava-me à mercearia da esquina. Eu voltava para casa, com um pacote de manteiga, dois litros de leite, um saco de batatas, um queijo, um pacote de açúcar, um pão e  uma dúzia de ovos..!"

E o João respondeu-lhe:

“Mas avô, na tua época não haviam câmaras de vigilância?”

26 comentários:

  1. Esta contava-se com ciganos :)))
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois acho que ouvi essa versão Amigo Pedro ! :)
      Abraço

      Eliminar
  2. Pois é...

    ...hoje em dia €.,.5 nem dá para uma pastilha elástica... LOL

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade ! Tudo se inflacionou com o malvado Euro que deveria ser ECU :)))... que seria um nome muito mais interessante e conveniente ao humor português !
      Obrigado Filhos do Desespero

      Eliminar
  3. As câmaras de vigilância da época era o arremesso do que estava à mão... :)

    ...e agora lembrei-me da célebre frase do cinema português "Ó Evaristo, tens cá disto?"


    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois outros tempos outras histórias... mas o puto até esteve bem ! :))
      Obrigado mz

      Eliminar
  4. Bom Lembra-me que quando o meu filho tinha uns cinco anos o levei ao sítio onde nasci e lhe falei da minha infância, numa barraca de madeira, debaixo daquele pinheiro manso. Sem água, sem luz elétrica, sem radio, nem tv, nem telefone, frigoríficos etc. Uns dias depois, já deitado, preparava-me para começar a ler-lhe a história do Pedro e o Lobo, quando ele se volta para mim e diz:
    - Essa não mãe. Conta aquela de viveres numa barraca sem luz, sem rádio e TV. Aquela que contaste lá ao pé do pinheiro.
    Para ele que tinha tudo aquilo em casa desde que nascera, o que lhe dissera, não passou de uma história.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Elvira pela história verídica com o teu filho ! :)
      O teu porta-chaves trago-lo comigo todos os dias. Gostei imenso !
      Abraço

      Eliminar
  5. Antes de mais deixa-me dizer que amei a imagem! Quanta beleza há nessa doce partilha, da contemplação do lago, entre avô e neto! Lindo.

    Pois...apenas com uma geração de permeio, mas todo um mundo de diferenças.:) Gostei da anedota, que poderia não ser...

    Obrigada pelo sorriso! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma imagem muito terna e feliz, tens toda a razão. A anedota, com a esperteza e argúcia das crianças de hoje em dia, até poderia ser verdade, quem sabe se já não foi !?
      Obrigado Janita

      Eliminar
  6. eheheh... Realmente,... só roubado !!! :)

    Mas olha que eu, por volta dos 10 anos comi a refeição mais cara que se possa imaginar. Tinha uma "tia rica" no Brasil que veio a Portugal e a nossa casa e tinha pedido para a minha mãe fazer uma tripalhada sem olhar a dinheiro (ela pagaria) e com tudo o que fosse bom (e caro !). Éramos 10 e a minha mãe esmerou-se e ia anotando tudo que comprou ! Feitas as contas eram quase 200 escudos = 1 Euro, ou seja, 10 cêntimos por pessoa !!! Uma pequena fortuna, podem crer !!!
    :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma história Rui e essa tem o seu quê de engraçada, de financeira e real. Tudo se complicou com o Euro como já disse. A bica custava 50$00 e passou a custar mais de 100$00 (0,60€ no mínimo !!!)
      Abraço e Obrigado

      Eliminar
  7. avô e neto, ambos com a paciência que permite a contemplação !!!
    bonito Ricardo :)
    Angela

    ResponderEliminar

  8. Puto esperto... mas ao mesmo tempo com uma candura bem própria da idade.

    As sociedades e a tecnologia estão a evoluir a um ritmo alucinante... pena que não se esteja também a evoluir... em humanidade.

    Beijinhos roubados à socapa
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa tua afirmação é muito correcta Afrodite. A miudagem hoje tem respostas de adulto e que nos deixam perplexos com a sua destreza linguística ! Os miúdos estão a evoluir a olhos vistos, nesta sociedade difícil que tem coisas tão boas, mas como sempre tem infelizmente perigos que é preciso cuidar, principalmente perigos que podem afectar os mais novitos !
      Obrigado e Abraço... só vou enviar beijos no dia dos meus anos ! ;)

      Eliminar
  9. Bom dia, de certeza que o João não tem conhecimento da dificuldade com que se vivia na infância do Avô, ainda bem!.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é verdade, mas o João era esperto e ladino !
      Obrigado António

      Eliminar
  10. Hoje as crianças parece que já nascem ensinadas. Quando é que na nossa infância sabíamos o que eram câmaras de vigilância?
    Adorei a imagem que escolheste para ilustrar este post.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo Manuela, sem tirar nem pôr. A imagem já vinha com a anedota, quando a recebi. Não é da minha escolha ! :)
      Obrigado

      Eliminar
  11. No tempo do avô não haviam câmaras de vigilância.
    Eu não sei o que são câmaras de vigilância?

    Quanto ganhava o pai ou a mãe do avô, no tempo em que se podia comprar tanta coisa por dez escudos???

    Bom domingo, Ricardo.

    ResponderEliminar
  12. Olá Ricardo
    saudade de ti!
    E muito bom encontrar seu lado humorístico que sempre me agrada.
    Se tivesse só a foto do avô com o neto já acharia excelente,mas ainda com prosa dos dois fiou especial, maravilha de raciocínio desse 'miúdo' como vocês dizem. E eu gosto muiito dessa expressão.
    Abraços e vamos nos vendo,ok?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também já tinha saudades tuas. espero que esteja tudo bem contigo. A anedota é muito engraçada, e a foto muito terna !
      Miúdo = Garoto = Pirralho = Criança

      Obrigado Lis

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago.