Lisboa ainda

Lisboa não tem beijos nem abraços, não tem risos nem esplanadas, não tem passos, nem raparigas nem rapazes de mãos dadas, tem praças cheias de ninguém, ainda tem Sol mas não tem nem gaivota de Amália nem canoa, sem restaurantes, sem bares, nem cinemas, ainda é fado, ainda é poemas, fechada dentro de si mesma ainda é Lisboa, cidade aberta, ainda é Lisboa de Pessoa alegre e triste, e em cada rua deserta, ainda resiste

Manuel Alegre, 20 de Março de 2020


sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Vida de Escaravelho (???!!!)

2 comentários:


  1. hehehe
    A vida de um narrador da vida selvagem pode ser até bem difícil...

    :))

    ResponderEliminar
  2. Claro que sim. Mas a de um escaravelho deve ser muito mais mal cheirosa ! :))
    Obrigado

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha língua, o Português, língua de Camões, de Pessoa e de Saramago.