Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sábado, 29 de julho de 2017

A Contar pelos Dados (3) - O coração batia intensamente



“O seu coração pulsava. Começara a acontecer, desde que a vira no dia anterior. Mas hoje, ele queria mais. Aproximou-se dela e entregou-lhe a flor que trazia na mão. Paula olhou para Luis, pegou no malmequer e começou a tirar pétala a pétala. A expressão dos olhos dela alterava-se à medida que a flor ficava despida da sua saia branca. Quando terminou, olhou para ele e sorriu.

- É mesmo verdade Paula !... disse ele.

Aproximaram as bocas e inebriaram-se num longo beijo.

Depois já com as mãos dadas, foram empurrados pelo vento, até ao parque. Circundaram árvores e bancos de jardim. Mais um beijo e outro, e uma corrida a ver quem chegava primeiro a sítio nenhum.
A fome chegou. Ali mesmo no parque havia um restaurante. Sentaram-se e comeram de faca e garfo.”

António acordara. De repente lembrara-se do seu sonho. Voando dentro de um balão, talvez de Júlio Verne. E lá de cima vira, numa volta ao Mundo, a Paula e ele numa floresta. Vira umas pétalas de uma flor serem varridas pelo vento... o coração batia intensamente... e de repente uma voz...

- António ! Estás atrasado filho !!!
- Já tens a mala pronta para escola ?

Há quantos anos não ouvia a sua Mãe !
Uma lágrima correu face abaixo.

13 comentários:

  1. A partir do desenho de uma das faces dos dados, construíste uma história muito ternurenta e com um final inesperado e emotivo. Gostei muito, Ricardo.
    Parabéns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita desde que comprei estes dados, tem-me dado um gozo imenso escrever estes pequenos textos !
      Obrigado

      Eliminar
  2. Uma história de sonhos entrelaçados. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo Luísa. Uma história com um sonho dentro de outro sonho.
      Obrigado

      Eliminar
  3. Uma história enternecedora, pena ser um sonho.
    De louvar a tua imaginação. Gostei muito.

    Boa semana Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de escrever e inventar, até nem correu mal !
      Obrigado Manuela

      Eliminar
  4. Haja imaginação.
    Bestial!!
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  5. :)) Estás a surpreender-me como contador de histórias Ricardo ! :))
    Muito divertido este jogo realmente. Obriga mesmo a puxar pela imaginação ! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui ainda não tinha tido oportunidade para escrever para este Blogue, no anterior publiquei algumas coisas. Além disso, esta história dos dados, aguçou-me o "apetite".
      Voltei a escrever com muito prazer !!!
      Obrigado e Grande Abraço

      Eliminar
  6. Estive aqui logo que publicaste e fiquei convencida de que tinha deixado comentário...
    Hoje passei para te deixar um beijinho e é que dei conta que não.
    Mas o que te teria dito na altura é que não só gostei com também me conseguiste emocionar com o inesperado desfecho. Deste muito bem "a volta" à sequência que te saiu.
    A cada publicação destes teus mini-contos a "contar pelos dedos" fico à espera dos próximos. E ainda tens muito que contar! :)

    Beijinhos sem conta certa
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha... os meus dedos queriam escrever "dados"... mas tiveram um ataque de narcisismo! hehehe

      Eliminar
    2. Estás a ser lisonjeira, mas agradeço e ruboresço com a lisonja. Já há muito que penso que eu deveria escrever muito mais do que escrevo. Continua a dar-me um gozo tremendo estes desafios de prosa, com os meus próprios dados !!!
      Narcisista tu, nos dedos ? Não acredito ! :)
      Obrigado Afrodite

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.