Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

segunda-feira, 3 de abril de 2017

António Variações – Nascidos Aqui (5)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

António Variações (03-12-1944 – 13-06-1984) – António Joaquim Rodrigues Ribeiro, conhecido por António Variações, (Pilar, Fiscal, Amares, 3 de Dezembro de 1944 - São Domingos de Benfica, Lisboa 13 de Junho de 1984), foi um cantor e compositor português do início dos anos 1980. A sua curta discografia continuou a influenciar a música portuguesa nas décadas posteriores ao seu precoce desaparecimento, com 39 anos.
Variações nasceu no Lugar de Pilar, uma pequena aldeia da freguesia de Fiscal no município de Amares, distrito de Braga. Filho dos camponeses Deolinda de Jesus e Jaime Ribeiro, “Tonito” (como a mãe lhe chamava) tinha onze irmãos, embora dois deles tenham falecido muito cedo. A sua infância foi dividida entre os estudos e o trabalho no campo, para ajudar os pais. Jaime tocava cavaquinho e acordeão e foi a primeira inspiração de Variações, que desde cedo revelou a sua paixão pela música nas romarias e no folclore locais.
Aos onze anos, teve o seu primeiro emprego, em Caldelas, e, um ano depois, partiu para Lisboa. Aí, trabalhou como aprendiz de escritório, barbeiro, balconista e caixeiro. Seguiu-se o serviço militar em Angola e a aventura pelo estrangeiro: Londres em 1975 e Amesterdão meses depois, onde descobriu um novo mundo, querendo trazer para Portugal uma nova maneira de viver. Foi nesta última cidade que aprendeu a profissão de barbeiro que, mais tarde, exerceu em Lisboa, quando voltou.
Com a ajuda do amigo e colega Fernando Ataíde, Variações foi admitido no Ayer, o primeiro cabeleireiro unissexo a funcionar em Portugal. Depois do Ayer, passou ainda por um salão no Centro Comercial Alvalade e só mais tarde abriu uma barbearia na Baixa lisboeta.

Muda de Vida


Estou Além, de 1982


É P’ra Amanhã, composição editada em maxi-single, decorria o ano de 1983.


Canção do Engate, do álbum “Dar e Receber” de 1984.

19 comentários:

  1. Ricardo, lembro-me muito bem dele, da sua postura, da indumentária avançada para a época e das suas canções que ainda hoje fazem sucesso.
    Também me lembro da sua morte, estava em lua-de-mel.

    Um beijinho e boa semana

    O Toque do coração

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que o António Variações foi alguém diferente que apareceu na década de 80. Alguém com música diferente !!!
      Obrigado Fernanda

      Eliminar
  2. Não é fácil esquecer António variações que tão rápido conseguiu atrair as atenções, penso de varias gerações, não só pela música como pelo seu visual um tanto excêntrico.

    Beijinho Ricardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De acordo contigo Adélia. A sua excentricidade e a sua música diferente atraiu muitos. Obrigado

      Eliminar
  3. António Variações foi uma pedrada no charco,agitando o marasmo da música portuguesa. A sua voz inconfundível ficará para sempre na nossa memória colectiva.
    Gostei que o tivesses trazido aqui.
    Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também perfilho da tua opinião. A sua figura, a sua roupa, a sua música foram diferentes na época.
      Obrigado Janita

      Eliminar
  4. Uma vida curta e bastante preenchida.
    Sempre lembrarei das suas canções e do seu estilo que para a época era bem arrojado.
    Muito obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade Manuela. As suas canções são sempre agradáveis de ouvir.
      Obrigado

      Eliminar
  5. Oi Ricardo
    Lembra um pouco a batida das musicas de Roberto leal_bem conhecido entre nós,brasileiros.
    Gostei de conhecer mais um cantor português com um estilo livre, comum na década de 80_ a melhor década em matéria de música.
    abraços ,Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi como disse a Janita uma "pedrada no charco" que quer dizer em Português, "algo muito diferente que veio causar admiração".
      Obrigado Lis

      Eliminar
    2. Foi como disse a Janita uma "pedrada no charco" que quer dizer em Português, "algo muito diferente que veio causar admiração".
      Obrigado Lis

      Eliminar
  6. Era quase da minha idade. Como poderia eu não o conhecer bem ?... E o curioso é que, pela forma "diferente" de cantar despertava a curiosidade e não eram poucas as vezes em que eu o tentava imitar ! :)) ... Quantas vezes !!! ... :) Gostava imenso de ouvir e ainda gosto e também gostei que o trouxesses aqui !

    Era "mal visto" por muitos pela sua homossexualidade numa época de notória homofobia ! Dele , ou se gostava, ou se odiava, por isso ! :((
    Parece ter sido uma das primeiras vítimas da sida em Portugal, numa altura em que não se sabia bem, o que isso era.

    Abraço, Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois Rui é bem verdade, as suas músicas quase todas as pessoas gostavam de as trautear, o "É pra'amanhã", o "O Corpo é Que Paga", e tantas outras !
      As tendências sexuais, o seu sexo, a sua raça, a sua religião, NUNCA devem ter alguma influência para apreciarmos seja quem que for, a sua arte, a sua maneira de ser, etc.
      Obrigado Rui

      Eliminar
  7. Um exemplo perfeito de alguém que não me convencia enquanto vivo e que passei a apreciar de outra forma após a morte.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  8. This is very different music as we hear in Finland. But I like the last video a lot.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. He was a Portuguese singer of the 80's. A very odd person, with some unusual songs. He was one of the first known victims of AIDS in Portugal.
      Best regards orvokki

      Eliminar
  9. A década de oitenta é a década da minha adolescência, e logo por isso a mais marcante. António Variações é uma das referências dessa época da minha vida e por isso será (para mim) sempre inesquecível.

    Obrigada por este doce flashback
    Beijinhos que ficam pr'amanhã
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O António Variações chocou em tudo os portugueses, com a sua homossexualidade, com a sua excentricidade no vestuário e cabelo, e com a sua música diferente de outra qualquer !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.