A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Jazz Standards (159)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

Straight No Chase (#163) - Música e Letra de Thelonious Monk
Laurent De Wilde, no seu livro Monk, a música de Monk é caracterizada com imagens do assombro: "A música de Monk não é nem classificada nem assimilada. Não é porque é revolucionária, isso não é em si próprio suficiente razão, mas sim é como uma pedra atirada para uma lagoa que imediatamente se afunda e desaparece. Você vê-la indo para baixo, e não sabe se quer manter seu olho na pedra que se afunda, se contemplar as pequenas ondas concêntricas, originadas pela queda na água."

Thelonious Monk (Rocky Mount, EUA, 10-10-1917 — Weehawken, New Jersey, EUA, 17-02-1982) – música composta por Thelonious em 1967.


Chico Corea (Chelsea, Massachusetts, EUA, 12-06-1941) – No “Jazz Marciac” de 2010, com Christian McBride (contrabaixo), Chick Corea (piano), Roy Haynes (bateria), Kenny Garrett (saxofone), e Roy Hargrove (trompete).


Bill Evans (Plainfield, EUA, 16-08-1929 — New York, EUA, 15-09-1980) – Bill Evans (piano), Jeremy Steig (flauta), Eddie Gomez (contrabaixo) e Marty Morell (bateria).


Art Farmer (Council Bluffs, Iowa, EUA, 21-08-1928 - New York City, New York, EUA, 04-10-1999) – com Kenny Davis (contrabaixo), Lewis Nash (bateria), Geoff Keezer (piano) e Art Farmer (trompete, flugelhorn).

17 comentários:

  1. Respostas
    1. Ainda bem que gostaste, fico satisfeito. Quando é somente instrumental temos de adaptar o ouvido e ouvir cada instrumento como se fosse uma voz !
      Obrigado Catarina

      Eliminar

    2. Catarina,
      Este tipo de música é electrizante, não acho que tenha nada de relaxante! :)

      Eliminar
  2. Vi Chick Corea em dueto com Herbie Hancock ao vivo aqui em Macau.
    Simplesmente espectacular!!!
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu disseste-me na altura e deve ter sido monumental sim !
      Abraço e obrigado

      Eliminar
  3. Desconhecia estes belíssimos sons.
    Como sempre deixei a tocar e ouvi deliciada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há vozes, mas é como se houvesse. São instrumentos que cantam à sua maneira. Uns com sons metálicos, outros mais suaves e de madeira!
      Obrigado Manuela

      Eliminar
  4. Juro que ontem estive a ouvir todas as versões (nem sempre dá para ouvir), mas não cheguei à conclusão de qual é que mais gostava... Não faz mal, foi bom à mesma! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que ouviste todas. As versões tocam sempre o mesmo tema, muitas vezes com instrumentos diferentes e depois depende da qualidade do instrumentista e dos acompanhantes. Temos 3 pianistas de "respeito", Bill Evans, Thelonious Monk e Chico Corea, e ainda um trompetista Art Farmer. OS acompanhantes também são excelentes músicos. Sabes isto é como seguir a carreira de um artista, mas aqui segues o pecurso de um músico e dos acompanhantes também. Garanto que vale a pena, porque estás sempre a ouvir coisas diferentes !
      Obrigado Teresa

      Eliminar
  5. Não conhecia, mas gostei de ouvir, foi às prestações porque há sons que gosto de ouvir sem outros sons por perto!

    Beijinho Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei das prestações Adélia, mas ainda bem que ouviste. Sim a música deve ouvir-se sem outros sons, barulhos ou ruídos por perto !
      Obrigado

      Eliminar
  6. Tenho ouvido aos bocados para ver se conseguia formar uma opinião.
    Antes de mais muito curiosa a "imagem" da música de Monk : "como uma pedra atirada para uma lagoa que imediatamente se afunda e desaparece. Vêmo-la ir para baixo, e não sabe se quer manter os olhos na pedra que se afunda, se contemplar as pequenas ondas concêntricas, originadas pela queda na água."
    :))
    Quanto às 4 versões, a minha opinião não terá qualquer peso e certamente nem fundamento, mas :
    Thelonious Monk. Gostei do piano, mas acho o saxofone bastante "estridente".
    Chico Corea - Talvez para mim, a versão mais "equilibrada" das 4.
    Bill Evans - Também gostei (em 2º lugar)!
    Art Farmer - A que gostei menos.

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui são todos de épocas mais ou menos diferentes, mas até nisto o Jazz é bom. Ouvimnos e não somos obrigados a ter a mesma opinião. O que interessa é que nos divertimos a ouvir, e obviamente gostamos mais de umas do que de outras. De Monk (1917-1982) era um excelente pianista é tido como um génio que ultrapassou as fronteiras do Jazz, como diz José Duarte, na seu livro "História do Jazz". Na primeira fase o seu estilo era comparado com alguém com falta de técnica ao piano, mas cedo mudaram a sua opinião e perceberam qua afinal Monk tinha era um estilo pouco ortodoxa e era inimitável.
      Abraço

      Eliminar

  7. Ouvi as quatro propostas que nos trouxeste mas tenho de ser sincera, ainda estou "verde" para conseguir gostar verdadeiramente e sentir prazer a ouvir estas sonoridades.
    Achei foi curiosa a data da música.

    Beijinhos d'ouro
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O segredo está em tentar ouvir os instrumentos individualmente e tentar descobrir as melodias, fora da melodia principal. Estás "verde", isso foi influência do teu desafio de há uns dias !... e tu és do Braga, não és do Sporting !
      A data da música ?!... ok !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  8. Ouvindo assim só uns excertos de cada versão, fico com a sensação que prefiro a primeira.

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.