Contigo nunca me perco, perdendo-me !!!... (Ricardo Santos)

sábado, 30 de janeiro de 2016

Inesquecíveis (VIII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos) e (http://memoriaglobo.globo.com/ da TV Globo)

Novela:          Vereda Tropical                              
Ano:               1984
Tema:             Silvana         
Intérprete/s:   Zizi Possi (28-03-1956)                            
Autor/es:        Ivan Lins / Victor Martins



Novela:          O Astro                     
Ano:               1977  
Tema:             Bijuterias      
Intérprete/s:   João Bosco (13-07-1946)                         
Autor/es:        João Bosco


quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Estou ?! Posso pedir um disco ? (XVII)

O pedido de hoje é da bloguer Manuela, do Blogue “Existe Um Olhar”, um espaço na plataforma portuguesa “Sapo” muito agradável à vista e não só. Uma publicação não periódica, de uma fotografia, acompanhada com palavras suas ou não. Muitas vezes com uma poesia a ilustrar a foto.
A autora deixou-nos uma mensagem do que o levou a escolher esta música:

Porque a minha vida é feita de boas e menos boas memórias achei que este tema se adaptava a tudo o que já vivi, vi e experienciei.

Ray Charles (23-09-1913 – 01-06-2004) e Mary Ann Fisher (1923 – 2004)


Andy Williams (03-12-1927 – 25-09-2012)


Alguma história sobre os discos, antigo suporte magnético que, actualmente, continua a ter imensos adeptos, dado que está cientificamente provado que a qualidade sonora do vinil é superior à do CD, dizem !

Os 78 rpm (rotações por minuto) eram os antigos discos, de goma-laca, que tocaram durante alguns anos nos gramofones dos nossos avós.

Os 33 rpm (rotações por minuto) eram os antigos “LP” (Long Play) de vinil que tocavam nos nossos antigos gira-discos.
Os 45 rpm (rotações por minuto) era os “singles” ou “EP” (Extended Play), também em vinil. Ambos fizeram a delícia das gerações de 60 e 70.

Esta nova publicação viverá, exclusivamente, dos vossos pedidos por “mail” para o meu “email” ricardosantos1953@gmail.com, da música que pretendem ouvir e umas breves palavras sobre o porquê que ela vos foi/é querida.

Peçam uma de cada vez e de vez em quando. Podem começar a enviá-los já hoje. Os pedidos serão atendidos por ordem de chegada dos “mails”.

Serão apresentados dois vídeos, do Youtube. Um será com a escolha de quem me enviou o “mail” e o outro uma escolha minha. Também darei algumas indicações adicionais sobre a composição, compositor e intérprete. Isto caso a música exista e haja informação adicional sobre ela.

domingo, 24 de janeiro de 2016

Estou ?! Posso pedir um disco ? (XVI)

O pedido de hoje é do bloguer Lis, do Blogue “Simplesmentelis”. Um blogue com cores vivas e às vezes a preto e branco, das excelentes fotos que a Lis nos presenteia, da sua realidade brasileira, desse País maravilhoso que é o Brasil.
Deixou uma mensagem do que o levou a escolher esta música:

A minha escolha não poderia deixar de ser Chico Buarque _ e "Olhos nos Olhos' venceu as muitas que gosto e me reportam a sentimentos de perda de  amores que passaram, foram especiais e 'muitas lágrimas rolaram', certamente.
E a alma do Chico é feminina - escreve melhor do que canta lindamente. E minha alma romântica combina com a dele.



Maria Bethânia (18-06-1946)


Alguma história sobre os discos, antigo suporte magnético que, actualmente, continua a ter imensos adeptos, dado que está cientificamente provado que a qualidade sonora do vinil é superior à do CD, dizem !

Os 78 rpm (rotações por minuto) eram os antigos discos, de goma-laca, que tocaram durante alguns anos nos gramofones dos nossos avós.

Os 33 rpm (rotações por minuto) eram os antigos “LP” (Long Play) de vinil que tocavam nos nossos antigos gira-discos.
Os 45 rpm (rotações por minuto) era os “singles” ou “EP” (Extended Play), também em vinil. Ambos fizeram a delícia das gerações de 60 e 70.

Esta nova publicação viverá, exclusivamente, dos vossos pedidos por “mail” para o meu “email” ricardosantos1953@gmail.com, da música que pretendem ouvir e umas breves palavras sobre o porquê que ela vos foi/é querida.

Peçam uma de cada vez e de vez em quando. Podem começar a enviá-los já hoje. Os pedidos serão atendidos por ordem de chegada dos “mails”.

Serão apresentados dois vídeos, do Youtube. Um será com a escolha de quem me enviou o “mail” e o outro uma escolha minha. Também darei algumas indicações adicionais sobre a composição, compositor e intérprete. Isto caso a música exista e haja informação adicional sobre ela.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Jazz Standards (CXLVIII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

I Let a Song Go Out of My Heart (#152) - Música de Duke Ellington e Letra de Irving Mills, Henry Nemo e John Redmond.

Em 1938, a composição de Duke Ellington, foi a sua terceira e última gravação a ser o número um nas tabelas de vendas, ficando lá por dezanove semanas, o tempo mais longo em tabelas, para uma de suas gravações.
Várias outras interpretações feitas as cartas nesse mesmo ano:

Duke Ellington e a sua orquestra (1938, Nº. 1)
Benny Goodman e a sua orquestra (1938, Martha Tilton, vocal, Nº. 1)
Connee Boswell (1938, vocal, Nº. 5)
Mildred Bailey (1938, vocal, Nº. 8)
Hot Lips Page e a sua orquestra (1938, Nº. 9)

O livro “Duke Ellington Reader”, editado por Mark Tucker, é tesouro de informações sobre Ellington, congregados a partir de uma variedade de fontes. Uma transcrição de uma entrevista de 1962, realizada pela emissora canadiana, Jack Cullen revela o âmbito e o propósito, de muitas das composições de Duke. "I Let a Song Go Out Of My Heart" foi escrita durante uma das viagens, de digressão, por estrada da banda de Ellington, quando a banda se foi hospedar num hotel em Memphis.

Thelonious Monk (Rocky Mount, EUA, 10-10-1917 — Weehawken, New Jersey, EUA, 17-02-1982) - Thelonious Monk (piano), Oscar Pettiford, (contrabaixo) e Kenny Clarke (bateria), gravado nos estúdios “Rudy Van Gelder”, Hackensack, New Jersey, a 21 e 27 de Julho de 1955.


Sarah Vaughan (Newark, EUA, 27-03-1924 — Los Angeles, EUA, 03-04-1990) – Extraído de um programa de televisão de 1981, num tributo a Duke Ellington, que teve lugar no Kennedy Center, em Washington DC. A orquestra de Jazz “pesos-pesados” foi conduzida por Billy Taylor, que também tocou o piano, aqui nesta composição.


Duke Ellington (Washington, EUA, 29-04-1899 — New York, EUA, 24-05-1974)


Joe Pass (New Brunswick, New Jersey, EUA, 13-01-1929 – Los Angeles, California, EUA, 23-05-1994) - Joe Pass (guitarra), Ray Brown (contrabaixo) e Bobby Durham (bateria). Gravado em Los Angeles, a 21 de Junho de 1974, para a etiqueta Pablo.


Letra

I let a song go out of my heart
It was the sweetest melody
I know I've lost Heaven
'Cause you were the song
Since you and I have drifted apart
Life doesn't mean a thing to me
Please come back, sweet music
I know I was wrong
Am I too late to make amends?
You know that we were
Meant to be more
Than just friends, just friends
I let a song go out of my heart
Believe me, darlin', when I say
I won't know sweet music
Until you return some day
Am I too late to make amends?
You know that we were
Meant to be more
Than just friends, just friends
I let a song go out of my heart
Believe me, darlin', when I say
I won't know sweet music
Until you return someday
I won't know sweet music
Until you return someday

Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos).

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Estou ?! Posso pedir um disco ? (XV)

O pedido de hoje é do bloguer Luísa, do Blogue “À Esquina da Tecla” que deixou uma mensagem do que o levou a escolher esta música:

Gosto de quase todos os temas do Paul Simon e do Art Garfunkel.  Nos anos 80 comprei o duplo LP com o concerto de Central Park. Porém já não tenho gira-discos. Mas tenho também a versão em CD (oferta da minha filha).
São temas que me fazem recordar os bons tempos da juventude mas que são absolutamente intemporais e que não me canso de ouvir.

Paul Simon (31-10-1941) e Art Garfunkel (05-11-1941)

Simon and Garfunkel (1959 – 1970, embora, posteriormente, se tenham reunido algumas vezes !)


John Legend (28-12-1978)


Alguma história sobre os discos, antigo suporte magnético que, actualmente, continua a ter imensos adeptos, dado que está cientificamente provado que a qualidade sonora do vinil é superior à do CD, dizem !

Os 78 rpm (rotações por minuto) eram os antigos discos, de goma-laca, que tocaram durante alguns anos nos gramofones dos nossos avós.

Os 33 rpm (rotações por minuto) eram os antigos “LP” (Long Play) de vinil que tocavam nos nossos antigos gira-discos.
Os 45 rpm (rotações por minuto) era os “singles” ou “EP” (Extended Play), também em vinil. Ambos fizeram a delícia das gerações de 60 e 70.

Esta nova publicação viverá, exclusivamente, dos vossos pedidos por “mail” para o meu “email” ricardosantos1953@gmail.com, da música que pretendem ouvir e umas breves palavras sobre o porquê que ela vos foi/é querida.

Peçam uma de cada vez e de vez em quando. Podem começar a enviá-los já hoje. Os pedidos serão atendidos por ordem de chegada dos “mails”.

Serão apresentados dois vídeos, do Youtube. Um será com a escolha de quem me enviou o “mail” e o outro uma escolha minha. Também darei algumas indicações adicionais sobre a composição, compositor e intérprete. Isto caso a música exista e haja informação adicional sobre ela.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Estou ?! Posso pedir um disco ? (XIV)

O pedido de hoje é do bloguer M. (Madalena), do Blogue “Panificadora Ribeiro”, um blogue que desperta o nosso apetite, em qualquer altura do dia ou da noite, para as mais diversas iguarias, por ela confeccionadas. Este blogue que visito com alguma frequência, é um perdição para qualquer gastrónomo.
Deixou uma mensagem do que o levou a escolher esta música:

Existe aqui nesta música um elemento que me toca fundo, a guitarra acústica.

Led Zeppelin (1968 – anos 80, embora, posteriormente, tenham reunido algumas vezes)


Alguma história sobre os discos, antigo suporte magnético que, actualmente, continua a ter imensos adeptos, dado que está cientificamente provado que a qualidade sonora do vinil é superior à do CD, dizem !

Os 78 rpm (rotações por minuto) eram os antigos discos, de goma-laca, que tocaram durante alguns anos nos gramofones dos nossos avós.

Os 33 rpm (rotações por minuto) eram os antigos “LP” (Long Play) de vinil que tocavam nos nossos antigos gira-discos.
Os 45 rpm (rotações por minuto) era os “singles” ou “EP” (Extended Play), também em vinil. Ambos fizeram a delícia das gerações de 60 e 70.

Esta nova publicação viverá, exclusivamente, dos vossos pedidos por “mail” para o meu “email” ricardosantos1953@gmail.com, da música que pretendem ouvir e umas breves palavras sobre o porquê que ela vos foi/é querida.

Peçam uma de cada vez e de vez em quando. Podem começar a enviá-los já hoje. Os pedidos serão atendidos por ordem de chegada dos “mails”.

Serão apresentados dois vídeos, do Youtube. Um será com a escolha de quem me enviou o “mail” e o outro uma escolha minha. Também darei algumas indicações adicionais sobre a composição, compositor e intérprete. Isto caso a música exista e haja informação adicional sobre ela.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

sábado, 9 de janeiro de 2016

Estou ?! Posso pedir um disco ? (XIII)

O pedido de hoje é do bloguer Gábi (Gabriela), do Blogue “Dona-Redonda”, um blogue que fala basicamente sobre livros e lhes dá publicidade. Também algumas histórias da Gábi de viagens e da sua cidade, como se dá a conhecer.
Deixou uma mensagem do que o levou a escolher esta música:

Depois de ter estado a pensar e continuando com músicas nos anos 60, lembrei-me de uma música de que gosto muitíssimo. Acho que a ouvi a 1ª vez (posso tê-la ouvido antes, e tê-la reconhecido vagamente nesta altura e ser uma das razões para gostar tanto dela) quando fiz a minha 1ª viagem maior de carro sozinha (foi só do Porto até Tomar e no regresso já tive companhia).

Amen Corner (1966 – 1969)


Alguma história sobre os discos, antigo suporte magnético que, actualmente, continua a ter imensos adeptos, dado que está cientificamente provado que a qualidade sonora do vinil é superior à do CD, dizem !

Os 78 rpm (rotações por minuto) eram os antigos discos, de goma-laca, que tocaram durante alguns anos nos gramofones dos nossos avós.

Os 33 rpm (rotações por minuto) eram os antigos “LP” (Long Play) de vinil que tocavam nos nossos antigos gira-discos.
Os 45 rpm (rotações por minuto) era os “singles” ou “EP” (Extended Play), também em vinil. Ambos fizeram a delícia das gerações de 60 e 70.

Esta nova publicação viverá, exclusivamente, dos vossos pedidos por “mail” para o meu “email” ricardosantos1953@gmail.com, da música que pretendem ouvir e umas breves palavras sobre o porquê que ela vos foi/é querida.

Peçam uma de cada vez e de vez em quando. Podem começar a enviá-los já hoje. Os pedidos serão atendidos por ordem de chegada dos “mails”.

Serão apresentados dois vídeos, do Youtube. Um será com a escolha de quem me enviou o “mail” e o outro uma escolha minha. Também darei algumas indicações adicionais sobre a composição, compositor e intérprete. Isto caso a música exista e haja informação adicional sobre ela.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Louis Armstrong – Groups & Soloists of Jazz (XXX)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

Louis Daniel Armstrong (New Orleans, EUA, 04-08-1901 — New York, EUA, 06-07-1971) – Foi um cantor, compositor, instrumentista, trompetista, cornetista, saxofonista, escritor, letrista, arranjador, produtor musical, dramaturgo, artista plástico, actor, tenor, maestro e activista político e social norte-americano, considerado "a personificação do jazz". Louis Armstrong é famoso tanto, como cantor, quanto, como solista, tocando o seu trompete.
Armstrong nasceu numa família muito pobre. Passou a sua juventude na pobreza num bairro de New Orleans, conhecido como "as costas da cidade". O seu pai, William Armstrong, abandonou a família quando Louis ainda era criança e casou-se com outra mulher. A sua mãe, Mary Albert Armstrong, deixou Louis com a sua tia, o seu tio e a sua avó. Aos cinco anos ele voltou a viver com a sua mãe e via o seu pai, mas muito raramente. Ele frequentou a “Fisk School for Boys” onde pela primeira vez entrou em contacto com a música. Levou algum dinheiro para casa, como ardina e sapateiro ambulante. Contudo, isso não era suficiente para manter a sua mãe longe da prostituição. Passou a entrar à socapa em bares de música perto de sua casa para ouvir e ver os cantores.
Conheceu dias muito difíceis, e olhava para a sua juventude como o pior momento da sua vida e, por vezes, até retirava inspiração dela: "Every time I close my eyes blowing that trumpet of mine, I look right in the heart of good old New Orleans...It has given me something to live for." ("Todas as vezes que eu fecho os meus olhos tocando o meu trompete, eu olho o coração da velha Nova Orleans... Ela deu-me algo pelo que viver.")
Conseguiu comprar um trompete, com dinheiro emprestado de uma família imigrante russo-judaica, os Karnofskys que, até ao final da sua vida, considerou como membros da família visto que cuidaram dele vários dias e noites, enquanto a sua mãe trabalhava. Por essa razão, Louis usou uma Estrela de David para resto de sua vida.
Após sair da “Fisk School” aos 11 anos, Armstrong formou um quarteto que tocava na rua para ganhar algum dinheiro e por esta altura também começou a meter-se em sarilhos.
...

What a Wonderful World


Hello Dolly, para o canal de televisão alemão da ZDF


Dream a Little Dream


St. James Infirmary

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Estou ?! Posso pedir um disco ? (XII)

O pedido de hoje é do bloguer Ângela, do Blogue “Portugalredecouvertes”, um Blogue em francês que espalha Portugal pelo Mundo francófono.
Deixou uma mensagem do que o levou a escolher esta música:

Olá Ricardo penso e tenho a certeza que o Gonçalo Salgueiro e a Eva Santiago têm aqui uma excelente performance! Só tinha dúvidas porque não é propriamente um disco. Eles são a prova de que no ambiente de morosidade que nos querem impingir, eles são heróis capazes de uma grande representação; o talento e a cultura são como a caravana, passam sempre!

Gonçalo Salgueiro (07-11-19??) e Eva Santiago (??-??-19??)


Sara Brightman (14-08-1960) e Antonio Banderas (10-08-1960)


Alguma história sobre os discos, antigo suporte magnético que, actualmente, continua a ter imensos adeptos, dado que está cientificamente provado que a qualidade sonora do vinil é superior à do CD, dizem !

Os 78 rpm (rotações por minuto) eram os antigos discos, de goma-laca, que tocaram durante alguns anos nos gramofones dos nossos avós.

Os 33 rpm (rotações por minuto) eram os antigos “LP” (Long Play) de vinil que tocavam nos nossos antigos gira-discos.
Os 45 rpm (rotações por minuto) era os “singles” ou “EP” (Extended Play), também em vinil. Ambos fizeram a delícia das gerações de 60 e 70.

Esta nova publicação viverá, exclusivamente, dos vossos pedidos por “mail” para o meu “email” ricardosantos1953@gmail.com, da música que pretendem ouvir e umas breves palavras sobre o porquê que ela vos foi/é querida.

Peçam uma de cada vez e de vez em quando. Podem começar a enviá-los já hoje. Os pedidos serão atendidos por ordem de chegada dos “mails”.

Serão apresentados dois vídeos, do Youtube. Um será com a escolha de quem me enviou o “mail” e o outro uma escolha minha. Também darei algumas indicações adicionais sobre a composição, compositor e intérprete. Isto caso a música exista e haja informação adicional sobre ela.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Inesquecíveis (VII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos) e (http://memoriaglobo.globo.com/ da TV Globo)

Novela:          Gabriela                                   
Ano:               1975  
Tema:             Coração Ateu          
Intérprete/s:   Maria Bethânia (18-06-1946)                              
Autor/es:        Sueli Costa


Novela:          O Casarão                           
Ano:               1976  
Tema:             Fascinação  
Intérprete/s:   Elis Regina (17-03-1945 – 19-01-1982)                       
Autor/es:        Feraudy / Marchetti / A. Louzada