Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Humor – Canção de Lisboa – Fado com Vasco Santana

Humor – Canção de Lisboa – Fado com Vasco Santana


Humor – A Menina da Rádio – O Rádio com António Silva

15 comentários:

  1. Com que então toca, mas não é um canário!
    boa Ricardo!

    ResponderEliminar
  2. Já vi vezes sem conta o Fado do Estudante e nunca me canso!
    Sabias que a personagem 'Carlos' é o cineasta Manoel de Oliveira? :=)

    O segundo vídeo nem precisei de o abrir para saber que nesta parte está o António Silva a dar a explicação de como funciona a 'telefonia'.
    Os ruídos acontecem, porque a onda bate na lâmpada e recua...:)
    Situações inesquecíveis, revestidas de uma comicidade incomparável.
    A época de ouro do Cinema português...
    Foi muito bom relembrar.

    Um abraço, Ricardo e obrigada!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca nos cansamos de ver estas excelentes comédias do Cinema Português !
      Obrigado Janita

      Eliminar
  3. A ouvir o Vasco Santana que nunca resisto.
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
  4. Recordo tão bem e gosto tanto de rever estes filmes! Espero que nunca desapareçam, são uma pérola.

    Obrigado Ricardo por estes momentos.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca irão desaparecer e se cada um dos Pais os mostrar aos seus filhos, ainda se falará de Vasco Santana e de António Silva daqui a 50 anos !
      Obrigado Adélia

      Eliminar
  5. Estes excertos são preciosos!
    Revejo imensas vezes estes clássicos, nem que seja apenas alguns excertos. Há dias que me perco no Youtube a recordar estas relíquias.

    Beijinhos servidos num frapê... mas sem gelo que está muito frio
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És como eu, uma apaixonada pelo Cinema Português. O "frapê" muito bom !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  6. Caro Ricardamigo

    Que bela lembrança. Muito e muito obrigado. Já vi estas maravilhas do cinema português de 40, pela primeira vez acompanhado pela menina Elvira, a nossa "criada".

    Depois, já nem sei quantas vezes o fiz; tenho-os todos gravados e ainda no sábado vi o "Costa do Castelo" O Vasco Santana era um enorme actor. Mas para mim o melhor, o maior era o António Silva. O "Ai chega, chega, ó minha agulha" com a Beatriz Cosa é de antologia!... Mito obrigado Ricardo!

    ============== AVISO À NAVEGAÇÃO ================

    PINTAROLAS E FUNERAL
    Já tinha começado a fazer o anúncio do artigo DENTES PARA O BOLO DE CREME (que faz parte da saga da Alzira) que, porém, não chegou a todos os bogues; por isso o repito agora e aqui.
    Entretanto, uma antecipação: o próximo texto da mesma saga Alzira mete FUNERAL. E por agora nada mais.
    Qjs & abçs – Henrique, o Leãozão


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário Henrique. Faço votos sinceros que estejas melhor e totalmente recuperado !
      Abraço

      Eliminar
  7. Por muitos anos que passem, este humor bate os actuais e é intemporal.

    ResponderEliminar
  8. Estas também Imagens "Intemporais" e a "chamar à baila" as pertenças imitações, pelo menos de nomes ! ... Como comparar o incomparável !
    Outra curiosidade é a de que, só nos dias de hoje (de há poucas décadas para cá) nos "aventuramos" a dizer que era bom cinema ! ... Na altura era tudo "uma porcaria ligada ao regime" ! :(( Caía mal dizer bem do que era daqueles tempos ! :((
    Hoje vemos que nem tudo era mau !

    Abraço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois existe alguma noção errada de tudo o que era feito estava ligado ao regime. Talvez o "fado" seja aquele que sofreu mais com isso. Uma perfeita estupidez ! Óbvio que haveriam artistas pró-salazar, como hoje existem-nos de todos os partidos. Quantos foram defensores de uns aqui há uns anos e agora são bandeira de outros. Uns por puro oportunismo e outros porque perceberam que afinnal estavam errados (ou não !) !!!

      Abraço Rui e Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.