Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Pat Metheny Group – Para quem quiser ouvir (IX)

(In Wikipédia ou http://www.patmetheny.com - Os excertos das biografias foram adaptados e traduzidos, o resto dos textos são da minha autoria – Ricardo Santos)

O “jazz fusão”, “jazz rock” ou simplesmente “fusão” é um género musical que se desenvolveu nos finais de 1960, de uma mistura de elementos de jazz, tal como o seu foco na improvisação com os ritmos e tons de “funk” e “R&B”, instrumentos eléctricos altamente amplificados e efeitos electrónicos de “rock”. Enquanto o termo “jazz rock” é muitas vezes utilizado como um sinónimo de “jazz fusão”, ele também se refere à música executada nos finais de 1960 e na época de 1970 das bandas rock, quando eles adicionaram elementos de jazz à sua música, como uma forma livre de improvisação.
Depois de uma década de desenvolvimento durante os anos 70, a “fusão” expandiu-se nas capacidades de improvisação e nas tentativas experimentais durante os anos 80 e 90.
Álbuns de “fusão”, mesmo aqueles que são feitos pelo mesmo grupo ou artista, podem incluir uma variedade de estilos. Diferentemente de serem um estilo musical codificado, a “fusão” pode ser vista como uma música tradicional ou aproximação a ela.
Alguma música de “rock progressivo” é também etiquetada por “fusão”. A música de fusão é tipicamente instrumental, muitas vezes com complexas assinaturas temporais, métricas e padrões rítmicos, e também extensas faixas, com improvisações longas. Muitos proeminentes músicos de fusão são reconhecidos, como tendo um alto nível de virtuosismo, combinado com composições complexas e música improvisada complexas ou de um amalgamado de métricas.

A música de PMG, algumas vezes de “jazz fusão” ou “fusão”, que irá passar por aqui contem na maioria das vezes um tema que a inicia e que, de seguida, dá origem aos espaços improvisados de melodias complexas, com Pat Metheny (guitarra e guitarra sintetizada) e os outros músicos. Para terminar, ela retorna ao tema principal para os momentos finais da composição.
As interpretações textuais de algumas músicas são minhas. Como um livro, a música também pode tentar ter uma interpretação, baseada no seu título, porque não ?

SPEAKING OF NOW

“Speaking of Now” de composição total de Pat Metheny e Lyle Mays com excepção de uma música, somente, da autoria de PM.
Foi gravado em 2001 em New York (Right Track Studio). Músicas escolhidas, a faixa nº. 4 “The Gathering Sky” de 9’ 22” e a faixa nº. 5 “You” de 8´24”, exibida anteriormente.

Formação:

Pat Metheny (guitarra e guitarras acústica e sintetizada);
Lyle Mays (piano e teclas);
Steve Rodby (baixos acústico e eléctrico);
Antonio Sanchez (bateria);
Richard Bona (vocal, percussão e vários instrumentos); e
Cuong Vu (vocal, trompete e vários instrumentos).

Produção de Pat Metheny e Co-produção de Steve Rodby e Lyle Mays.

A versão aqui exibida é do DVD ao vivo gravado em Tóquio no Japão, em 19 e 20 de Setembro de 2002

The Gathering Sky (1ª. Parte)

Esta música poderia ser também o chamado “cavalo de batalha”. “O céu e as nuvens vão-se reunindo…” é bem definido do que é a introdução, um tema, os solos e novamente o tema para finalizar. A versão do Youtube é de relativa qualidade e está separada em dois “clips”. Aqui vão as minhas indicações para o primeiro:

00:08 – Introdução e Tema (guitarra de Metheny e de Richard Bona, piano Mays e grupo);
01:16 – O tema continua a ser explorado;
02:30 – Acordes finais do piano e saída do tema, para os solos;
02:43 – Cuong Vu (trompete);
03:20 – Pat Metheny (guitarra);
05:52 – Grupo termina o solo de Metheny;


The Gathering Sky (2ª. Parte)

Aqui vão as minhas indicações para o segundo:

00:00 – 04:25 – Antonio Sanchez (bateria), para quem julgava que já tinha ouvido e visto tudo, em matéria de solos de bateria, ouçam com muita atenção, este exímio baterista!;
04:34 – Vamos voltar ao tema, o grupo vai novamente introduzi-lo para nós. Um crescendo até lá;
05:47 – Tema até ao fim, com todo o grupo e a voz de Richard Bona.

14 comentários:

  1. Para quem quiser ouvir...claro que quero e ouvi.
    Impressionante o solo de bateria.
    Gostei destes momentos em que cada instrumento se mistura com muito engenho.
    Obrigada pela partilha Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Manuela pelo teu comentário. Fico feliz que tenhas gostado !

      Eliminar

  2. Estive atenta ao solo de bateria, como indicaste.
    Bolas... que o homem ficou desfeito em água! No fim, parecia o estourar dos morteiros no final de uma sessão de fogo de artifício! :)

    Sabes que gosto de temas melodiosos e o tema desta música é alegre e compreensível para se acompanhar. A Guitarra de PM até parece que canta, trauteia mesmo... e no final junta-se a voz de R.Bona e os sons encaixam na perfeição.

    Gostei muito!
    Beijinhos em contagem decrescente
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os bateristas num concerto perdem algum peso, não sei bem quanto, mas também, como é óbvio, depende sempre das músicas tocadas, se exigem muito trabalho de bateria.
      Um grupo que todos deviam conhecer porque a sua música é Excelente e extraordinariamente bem conseguida e orquestrada.
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  3. Excelente.
    O texto está optimo. Claro que da música também.
    Gostei muito.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Papoila fico satisfeito que tenhas gostado e a música é Muito Boa. Como já disse anteriormente assisti a 3 espectáculos do grupo e dá prazer ouvi-los ao vivo !
      Obrigado

      Eliminar
  4. Gostei imenso! Conhecer novos estilos e diferentes formas de música só nos enriquecem!
    Um abraço

    ResponderEliminar


  5. ORÇAMENTO PARA 2017
    Daqui dos lençóis do leito matrimonial do 2.º andar Esq. do imóvel n.º 12 da Rua José da Costa Pedreira 1750-130 Lisboa (com todas as taxas regularizadas incluindo o IMI) venho informar-te de que, por mais que te pareça estranho publiquei ontem na NOSSA TRAVESSA – http://anossatravessa.blogspot.pt – um textículo curto sobre os tratos de polé que tem vindo a sofrer o “desgraçado” ORÇAMENTO PARA 2017. Aos abrigos!!!!

    Aguarda-se a todo o momento a chegada de especialista especialmente contratado e em rigoroso exclusivo para resolver de uma vez para todas estas filhas de putice!!!!!!! Entretanto procura-se, morto (de preferência) ou vivo, Blogger com aspecto muito duvidoso – como sempre. Dão-se alvíssaras (em Rupias).

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henrique espero que estejas a ter uma boa recuperação. Um Abraço de rápidas melhoras.

      Eliminar
  6. Excelente música...Que todos gostamos de ouvir. Ver a forma frenética da execução do baterista até me deixou sem fôlego.
    Sempre bem acompanhados com as tuas pré informações preciosas.
    Boa rubrica esta. Gosta-se sempre de ouvir P.M. e a sua banda.

    Um abraço, Ricardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita fico satisfeito por teres gostado de ouvir. Muito Obrigado

      Eliminar
  7. Tinhas razão ! A partir dos 3:30 o solo de bateria é absolutamente estonteante ! Não sei como é possível tanta energia !
    No anterior, o PM fantástico como sempre no seu solo !
    Sabes que nos (me) dás uma enorme com essa informação do faseamento de cada tema ?
    Adorei acompanhar com as tuas informações ! :)

    Abraço ... até amanhã ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rui e respondendo sobre o baterista a ti e à Janita, o Antonio Sanchez é um músico de primeira água. Começou a tocar bateria aos 5 e a partir dos seus 16, 17, 18 (teen years !... até podia ter sido mais cedo !) já tocava profissionalmente, parece incrível, mas é verdade.

      http://www.antoniosanchez.net/bio.html
      https://en.wikipedia.org/wiki/Antonio_S%C3%A1nchez_(drummer)

      Poucas palavras tenho para dizer sobre esta composição que me parece ser de muita qualidade. Aliás eu sou sempre suspeito por o grupo sempre foi um dos meus predilectos !

      Ainda bem que gostaste ... até amanhã ! Abraço

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.