A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Gato Fedorento (V) – O Gajo de Alfama

10 comentários:

  1. Depois de uma viagem a Marrocos, venho com o cheiro a caril entranhado rsrsrs
    Ainda bem que a ideia dos americanos não se lembraram ainda da tal bomba :)
    Valeu vir aqui, já deu para rir !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comeste muita chamuça ?! :)) Estás feita à bomba amaricana ! :)))
      Este RAp é inexcedível !!!

      Obrigado Manuela

      Eliminar

  2. O que vale é que eu não costumo comer caril... (não que não goste!) :))
    Gostava de saber se os Gatos não tiveram problemas depois deste programa ir para o ar...
    Ainda lhes chamam CHARLIE...

    Beijinhos sem cheiro a alho
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto muito de caril e de alho no bacalhau ! (bacalhau quer alho !!)
      Não sei se tiveram problemas, talvez, nunca se sabe !

      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  3. Momento de puro génio do RAP!!! :)))
    Aquele abraço, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim o RAP foi. com os Gatos Fedorentos, um momento Muito Bom de Humor. Um pouco diferente do que até aqui se tinha feito !

      Abraço

      Eliminar
  4. Boa tarde, recordar os gatos fedorentos é perfeito.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade António, lembrei-lhe de os recordar. As coisas boas vêem-se sempre mais que uma vez !

      Obrigado

      Eliminar
  5. ahahahah... Já está tudo dito ! :)))

    Cuidado com o cheiro a caril e com os alhos (principalmente, onde) e cuidado com o RAP que pode começar a ser perigoso estar perto dele !
    Os Gatos em grande ! :)))

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este "sketch" é mesmo muito bom e mostra bem alguns convidados de alguns programas que chegam lá e não dizem nada, embora falem pelos cotovelos !

      Abraço Rui

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.