A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

SIC Abandonados – Pavilhão Carlos Lopes

“Os Abandonados foram conhecer a história.”

E este tem uma história de antes e depois do 25 de Abril. Erigido no Brasil, quando da Exposição Universal do Rio de Janeiro em 1922. Não são saudosismos, são História de Portugal, mais Respeito por ela !!!

16 comentários:

  1. Uma "peça" de arquitectura lindíssima !!! ... (não sabia que tinha sido construído no Brasil), por lá permanecido 10 anos e depois tansportado para este local !
    Estive lá por volta de 1955 e emocionou-me sentir que estava no local onde tínhamos sido Campeões do Mundo em Hóquei em patins, a modalidade desportiva em que era mais utilizado ! ... Pavilhão Carlos Lopes após 84 o que não foi muito auspicioso, porque aos poucos foi-se deixando degradar o seu interior !
    Seria uma pena ser demolido nos dias de hoje sem ter presente a manutenção de toda a aquela bela fachada frontal !

    Abraço, Ricardo !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vi lá concertos de "rock", basquetebol, hóquei e a minha filha também actuou aqui pelo "Atlético Clube de Alvalade", quando do sarau anual desse clube.
      Não quero fazer muitos comentários, porque serão de desgosto, de tristeza e de raiva, e prefiro ficar calado !
      A reportagem demonstra a história toda à volta deste Pavilhão e da injustiça da situação.

      Obrigado Rui e Abraço

      Eliminar
  2. Oh Ricardo, essa fachada lindíssima e uma história muito rica tudo ao Deus dará!
    sendo que foram os homens do principio do seculo passado que salvaguardaram o pavilhão e o trouxeram para Portugal, atravessando um oceano! e ainda somos nós que nos dizemos espertos e inteligentes?!
    abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todas estas Obras não podem ser esquecidas da nossa História e simplesmente abandonadas porque são coisas "antigas". A História retratatada neste Pavilhão é tão tão antiga e extensa que é Muito Triste tê-lo nesta situação !

      Obrigado Ângela

      Eliminar
  3. É uma pena! Até vê-lo só por fora faz pena!!
    Parece que a Câmara vai recuperá-lo, segundo ouvi.

    Beijinhos e até domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Graça espero que a Câmara o recupere sim, embora entenda que estas situações com a degradação do espaço ainda se tornem muito mais onerosas e despendiosas depois para serem restauradas. Acho que esta merece o custo, pela História Portuguesa nela envolvida !

      Obrigado

      Eliminar
  4. Passei por este edifício há uns anos ( 4 talvez) a caminho de uma visita à Estufa Fria. Impossível não reparar nele. Não fazia ideia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um edifício muito bonito, principalmente a fachada que dá para o Parque Eduardo VII.

      Obrigado Luísa

      Eliminar
  5. Lembro-me de ver esta reportagem e gostei que a trouxesses aqui para recordar. Sim, é a nossa História, que merece ser melhor tratada.
    Ricardo, percebi que a tua filha é, ou foi, atleta. Que bom. Qual a modalidade?
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha filha era simplesmente atleta, mas isto aconteceu em pequenina. Ela fazia parte de uma classe de ginástica infantil.

      Obrigado

      Eliminar
  6. Até faz doer o coração :(
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz sim Pedro e muito !!!

      Eu que sou Lisboeta de clara como costumo dizer, porque nasci no Hospital de São José e não na Maternidade Alfredo da Costa e que AMO a minha cidade, tenho assistido durante a minha vida à destruição de muita arte e beleza arquitectónica, pura e simplesmente, para nesse local se colocar um edifício envidraçado que vai render muito dinheiro, obviamente, ou não. Basta ver os edifícios de escritórios, os ditos envidraçados, hoje "às moscas" !

      Posso citar dois exemplos completamente cruéis em duas avenidas que hoje são uma mescla de obras ainda antigas existentes misturadas com uns quantos edifícios, "gaiolas para a passarada" como dizia o meu saudoso Pai, sem beleza arquitectónica alguma. São elas a Avenida da República e a Avenida Fontes Pereira de Melo. A Praça Duque de Saldanha, mostra um Duque com a cara (de pedra) arrepiada e triste com a destruição na própria Praça. Vão ao Google e vejam, ou vão "in loco" e percorram as duas avenidas e a Praça Duque de Saldanha que as une e vejam :(((...

      Obrigado Pedro

      Eliminar
  7. Fiquei chocada com o que vi!
    Não conhecia e terem deixado chegar ao estado a que chegou este espaço, é no mínimo intolerável e incompreensível.
    Espero que depois de terem feito esta reportagem, estejam a pensar seriamente em recuperar este pedaço da nossa história!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuela se deres uma volta por Lisboa, constatas muita coisa destruída ou em vias de ... :(((

      Obrigado

      Eliminar
  8. Boa tarde, um governo que não tem ministério da cultura, tem cortado os apoios à cultura, é normal o estado degradado das coisas. Eu nunca votei nem voto nesta qualidade de gente.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António este estado de coisas, lamento dizer, mas já existe há muitos anos e não querendo levar as coisas para a política partidária, o problema não está no partido A, B ou C, está mesmo na falta de interesse cultural em desenvolver e manter o que existe de importante !!!

      Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.