A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Lisboa (XXI) – À volta da Praça dos Restauradores (II)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

A Praça dos Restauradores situa-se em Lisboa e é caracterizada pelo alto obelisco, erigido em 1886, que comemora a libertação do país do domínio espanhol (os Filipes) em 1640. As figuras de bronze do pedestal representam a Vitória, com uma palma e uma coroa, e a Liberdade. Os nomes e datas nos lados do obelisco são os das batalhas da Guerra da Restauração. O Monumento foi custeado por subscrição pública, aberta em Portugal e no Brasil, e gerida por uma comissão sob a presidência do Marquês de Sá da Bandeira. O projecto do monumento é da autoria de António Tomás da Fonseca, e as estátuas alegóricas (Independência e Vitória), da autoria de José Simões de Almeida e Alberto Nunes.
Para além da parte central da praça e do obelisco que lhe dá um ar majestoso, existem alguns edifícios que a marcam pela sua beleza.

Volto a repetir as digitais do monumento e ao minuto 2:23, veremos as fotos do resto da Praça, até ao cinema Condes.

Com as suas costas para a rua Jardim do Regedor, hoje transformada em passeio pedonal, fica o quiosque mais conhecido de Lisboa, é sem dúvida, o da ABEP que aqui, há dezenas de anos, vende bilhetes para tudo o que é espectáculo em Lisboa.
Na continuação da Praça encontramos o edifício dos CTT, na esquina com a Travessa de Santo Antão.

Na esquina da Rua dos Condes encontra-se o antigo cinema Condes projectado pelo arquitecto Raúl Tojal e hoje adulterado em espaço de convívio “Hard Rock Café”.

O tema escolhido para ilustrar musicalmente estas fotografias é o tema de António Pinho Vargas, “Olhos Molhados”, do álbum “Cores e Aromas” de 1989, com a presença de APV (piano e sintetizadores), José Nogueira (saxofone alto), Mário Barreiros (bateria) e Pedro Barreiros (contrabaixo).

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Gosto de aprender e de ensinar aquilo que sei, ou procurar e aprender e depois dar a conhecer ! Obrigado Luísa

      Eliminar
  2. Muito boa esta "visita guiada" ao centro de Lisboa, Ricardo ! Excelentes fotos !
    Sabes que eu fui passar a minha Lua-de-mel precisamente aí nesse local ? Lembras-te do Hotel Suiço Atlântico, no cruzamento da Calçada da Glória com a Rua da Glória ? ... e já lá vão 50 anos e foi por aí que comecei a conhecer Lisboa ! :)))

    Abraço ! :))
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim lembro, mal mas recordo-me. Lisboa nessa altura era bem mais bonita que agora, e não é preciso recuar tanto tempo. Obrigado Rui

      Eliminar
  3. Andei aí às voltas com a família muito recentemente.
    Aquele abraço e votos de bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando for assim, diz qualquer coisa, que bebemos uma bica ! :)
      Um abraço Pedro

      Eliminar
  4. Grata por esta visita guiada.
    Relevante, o cuidado posto nas referências bibliográficas.

    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela visita Lídia. Lisboa e o meu passatempo, a fotografia, fazem parte de mim !

      Eliminar
  5. Também andei por aí neste verão :-)
    Gosto muito de Lisboa... e só tenho pena não poder ir visitá-la mais vezes.


    Beijinhos e bom fim de semana
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá está ! Mais uma pessoa que veio a Lisboa e não disse nem água vai nem água vem. Se tu gostas de Lisboa, eu gosto do Porto e do Norte do País, mas também gosto muito da minha cidade.
      Da próxima vez que cá vieres, assim como todos os que cá vierem ficam obrigados/as a dizer qualquer coisa. O meu "mail" é público. Digam/diz qualquer coisa ! Bebemos um café, uma água !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.