Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

terça-feira, 5 de agosto de 2014

O Jacaré vegetariano

A tendência é para ser humorista com este “Subversivo da Treta”. “Treta”, obviamente, em homenagem aos cómicos António Feio e ao José Pedro Gomes.         
À boa maneira de muitas notícias mediáticas que abundam pelos nossos meios de comunicação (imprensa, rádio e tv), onde o banalismo impera e onde nos dão aquilo que querem e interessa dar, mantendo-nos na completa ignorância daquilo que é importante numa sociedade.    
Será que é no fundo, o que nós gostamos de ouvir ?

Na freguesia de Olhameparaisto fugiu da propriedade do sr. Evaristo Papaléguas, um jacaré doméstico, que tinha sido trazido de África, em bébé, quando da última visita feita pelo casal Papaléguas a Moçambique. Após entrevista ao casal, foi-nos que se tratava de um animal vegetariano e que a sua alimentação se baseava em fruta de todo o tipo, tomates e grelos. A fruta que comia com mais satisfação eram melancias e melões. Três a quatro melancias ou melões diários. Abria a boquinha e de uma dentada…

Vivia em conjunto no espaço da quinta, com os outros animais. Porcos, bezerros e aves de capoeira, numa sã convivência, o “Pretinho”, como lhe chamavam os Papaléguas, não fazia mal a uma mosca.

Na quinta do casal, havia um cultivo adicional de melancias, melões, tomates e grelos que eram a base alimentar do “Pretinho”. Com cerca de 4 metros de comprimento, desde o focinho até à ponta da cauda, o réptil é uma animal afectuoso. Come fruta à mão, para quem tiver coragem de lha dar. Possivelmente, poderá ter sido alguém que gostaria de ter um jacaré em casa, como animal de estimação, que o raptou dos Papaléguas.

Responde ao nome dele, com um urro grave e fundo, dando marradinhas nas pernas de quem o chama, e tem duas manchinhas brancas, por cima dos dois olhos.

A PJ começou a investigar o rapto, e a procurar nos hipermercados, mercearias a compra anormal de melancias, melões, tomates e grelos, que são a alimentação base do bichinho.
Dão-se alvíssaras para quem o encontrar.

O “Subversivo da Treta” publicou a foto do animal e está a ajudar na procura do dito.

"Ei-lo aqui quando ainda era pequenino, nas mãos do senhor Papaléguas. Reparem nas manchinhas brancas!".

8 comentários:

  1. Então onde é que está a foto?
    Desapareceu também?! :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A família Papaléguas enviou-me a foto há pouco... :))
      Obrigado Pedro

      Eliminar
  2. Ai, credo que até me comovi com um bichinho tão amoroso desses por aí perdido... esperemos que o encontrem. Depressa! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vão encontrar de certeza Teresa !!! :))
      Obrigado

      Eliminar
  3. Com essas sobrancelhas vai ser fácil, fácil, dar com ele. Inconfundível!! :))

    Um bichinho de estimação que qualquer um adoraria ter. Ainda por cima vegetariano!
    Tomates e grelos? Bolas...mais vale sustentar um burro a pão-de-ló! eheheh

    Ricardo, obrigada pelos link's que me deixaste no post anterior. Já conhecia, mas revi com gosto.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto de escrever. Muitas vezes falta-me o tempo e outras concentração e paz de espírito, para o conseguir. São notícias estilo "Jornal do Incrível". Existe outra aqui publicada com a mesma etiqueta "Subversivo da Treta".
      Obrigado pelo comentário
      Aparece quando puderes e quiseres, principalmente para ouvir boa música. Modéstia à parte claro !

      Eliminar

  4. Olha que em tempo de romarias de verão, onde se vende tanto melão e tanta melancia, o bichinho fome é que não há-e passar!
    Mas olha que ainda um destes dias ouvi um vizinho do prédio ao lado a cantar o «É o bicho é o bicho» do Iran Costa!
    Achas que poderá ser um sinal de alarme?? :)))

    Beijinhos a cheirar a melancia
    (o meu lanche de hoje)
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar foi o teu vizinho que roubou o bichano dos Papaléguas !
      Melancia não sou grande apreciador. Bom proveito !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.