A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

sábado, 12 de julho de 2014

Prémio Valmor, Ano de 1914, Campo Grande 382

Terceira Menção Honrosa foi para uma moradia unifamiliar, situada no Campo Grande 382, pertencente a Artur Magalhães com arquitectura de Álvaro Machado (1874-1944). Nesta escolha o júri considerou que as "duas fachadas de estilização portuguesa recomendam-se". Actualmente é o Museu Rafael Bordalo Pinheiro.

Situa-se no final do Campo Grande, do lado direito quem vai da Praça de Entrecampos, pela faixa lateral, em direcção á Alameda das Linhas de Torres, um pouco antes dos últimos semáforos do Campo Grande.


 Arquitecto Álvaro Augusto Machado (1874-1944):

“Natural de Lisboa e filho do cenógrafo Eduardo Machado, o decorador do Coliseu dos Recreios, matriculou-se na Escola de Belas-Artes em1889, concluindo o curso de Arquitectura com distinção, em 1897. Um projecto académico por si elaborado da estação terminal de Caminhos-de-Ferro foi premiado em 1908, no Grémio Artístico, integrado na Exposição Comemorativa do IV Centenário do Caminho Marítimo para a Índia.
Autor do edifício da Sociedade Nacional de Belas Artes, na Rua Barata Salgueiro
Artista considerado no seu tempo, do seu risco são ainda os túmulos do visconde de Valmor, a que já demos devido destaque, e o de Alfredo da Cunha, figura grada do jornalismo português, ambos no cemitério do Alto de São João e do Arq.º Domingos Parente da Silva, erguido pelos seus admiradores, no Cemitério da Ajuda. Também o Monumento a Eduardo Coelho, o fundador do “Diário de Notícias”, no Jardim de São Pedro de Alcântara e aos mortos da Grande Guerra, em Lamego, são peças da sua autoria.
Foi durante vinte anos professor de Desenho, no Instituto Superior Técnico.
Obteve o Prémio Valmor de 1919 pelo edifício construído na Av. Duque de Loulé, N.º 47, já demolido, e uma Menção Honrosa, respeitante a 1914, com o prédio da Rua Oriental do Campo Grande, N.º 382, onde é hoje o Museu Municipal de Rafael Bordalo Pinheiro.”

In Bairrada, Eduardo Martins, “Prémios Valmor 1902-1952”, Edição 1988, CML. (sic)*

*http://www.priberam.pt/dlpo/sic
*sic |síque| (palavra latina) Advérbio: Sem alteração nenhuma; tal e qual. = ASSIM
Acontecimentos referentes à década:

1910 – Instauração da República.
1910 (até este ano) - Realiza-se na zona do Campo Grande uma das mais importantes feiras de Lisboa;
1914 – Projecto de monumento ao Marquês de Pombal por F. Santos, A. Couto e A. Bermudes;
1914/18 – Primeira Guerra Mundial;
1919 – Início das obras no Bairro Social do Arco Cego.

As 12 primeiras fotos, a seguir à imagem do Google MAP, são de 2008 e as seguintes de 2013.


Próxima publicação dia 24-07-2014 com o Prémio Valmor de 1914, na Avenida Fontes Pereira de Melo 28, a moradia conta como inquilino, os “Serviços do Metropolitano de Lisboa”. Foi arquitectado por Manuel Joaquim Norte Júnior.

4 comentários:

  1. ~ Embora não concorde com a figura do cãozinho no alçado principal, é um bonito prédio, com uma notável traça de mestre. ~

    ~ ~ ~ Excelente fim de tarde, Ricardo. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A figura do cãozinho deve ter tido algum significado para quem a casa foi arquitectada e posteriormente construída, mas, na realidade, não fica bem.
      Grave, são as câmaras de video que são completamente inestéticas. Embora necessárias à segurança do Museu, poderiam, certamente, pô-las noutros locais que não afectassem a arquitectura do edifício.
      Obrigado Majo

      Eliminar
  2. Por acaso também tenho várias fotos do local: aqui há coisa de 3 ou 4 anos visitei o museu e tive oportunidade de ver de perto tanto o exterior, como o interior. Gosto especialmente do busto e do azulejo que representa Rafael Bordalo Pinheiro. Pena que atualmente o edifício esteja tão "encaixado" entre outros muito mais modernaços e que não têm nada a ver...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou absolutamente de acordo contigo em relação à actual localização entre dois "mamarrachos" !
      Obrigado Teresa

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.