Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Prémio Valmor, Ano de 1909, Rua Marquês Fronteira 18-28

No ano de 1909 foram entregues quatro prémios, três dos quais Menções Honrosas.
Nesse ano o Prémio Valmor coube ao Palacete Mendonça (10), na Avenida Marquês de Fronteira, 18-28, um projecto do arquitecto Miguel Ventura Terra para Henrique José Monteiro Mendonça. Edificado no alto do Parque Eduardo VII e um pouco recuado em relação à via pública possui uma fachada simétrica e de expressão algo italianizante. O júri destacou ainda a “loggia”, afirmando mesmo que «(...) deveria ser mais amplamente adoptado no nosso pais (...)».

Encontra-se na Rua Marquês da Fronteira (à esquerda), logo a seguir à transversal para o Palácio da Justiça, e quando se começa a descer em direcção à Avenida António Augusto Aguiar, tendo o “El Corte Inglês” do lado direito. O Palacete encontra-se dentro de uma pequena propriedade fechada ao público. Em virtude disso, as fotografias foram tiradas à distância (estilo “paparazzo”) e não mostram bem o extraordinário edifício que foi Prémio Valmor de 1909.

Arquitecto Miguel Ventura Terra:


Prémios Valmor (1903, 1906, 1909, 1911) e Menção Honrosa (1913)

Arquitecto Miguel Ventura Terra (1866-1919):

“Natural da freguesia de São Pedro de Seixas do Minho, iniciou os seus estudos na Academia Portuense, entretanto Escola de Belas-Artes, que concluiu com a obtenção do diploma de Arquitecto e, em 1886, partiu para Paris, como bolseiro do Governo, após um polémico concurso, reclamado e sanado, onde lhe foi confirmado o primeiro lugar. Nesta cidade, candidatou-se à respectiva Escola de Belas-Artes, tendo ficado entre os cinco primeiros classificados. Discípulo dos notáveis arquitectos Jules André (1) e Victor Laloux (2), durante estes estudos, obteve primeiros prémios, medalhas e menções honrosas que lhe permitiram concorrer à primeira classe dos arquitectos diplomados pelo Governo francês. Em 1895, recebeu o honroso diploma, após defesa de um Projecto do Palácio da Justiça para Lisboa que, entretanto lhe fora encomendado pelo Governo português. Nesse ano foi recebido no “Salon”.
devem-se a Ventura Terra as grandiosas obras do Monte de Santa Luzia, em Viana do Castelo, continuadas, após a sua morte, pelo Arqº. Manuel Nogueira (1883-1953), e, ainda, em Lisboa, a sinagoga israelita Schaare Tiekwa, da Rua Alexandre Herculano, que substituiu a do Beco dos Apóstolos, à Rua das Flores («A Construção Moderna» N.º 97/Ano IV/1903);
Obteve o Prémio Valmor referente aos Anos de 1903, 1906, 1909 e 1911 com as edificações situadas na Rua Alexandre Herculano, N.º 57-57C, Avenida da República, N.º 38, Rua Marquês da Fronteira, N.º 18-28, e Rua Alexandre Herculano N.º 25. Receberia ainda, respeitante a 1913, uma Menção Honrosa do Prémio Valmor pelo prédio situado na Avenida António Augusto de Aguiar, N.º 3-D, onde é hoje a sede da Ordem dos Engenheiros.”

In Bairrada, Eduardo Martins, “Prémios Valmor 1902-1952”, Edição 1988, CML. (sic)*

*http://www.priberam.pt/dlpo/sic
*sic |síque| (palavra latina) Advérbio: Sem alteração nenhuma; tal e qual. = assim

(1) - Louis-Jules André ou Jules André é um arquitecto francês, nascido em Paris, a 24-06-1819 e morreu, também em Paris, a 30-01-1890, foi professor de Arquitectura, Prémio de Roma e membro do Instituto de França.

(2) - Victor-Alexandre-Frédéric Laloux (Tours, 15-11-1850 - Paris, 13-07-1937) é um arquitecto francês.

Acontecimentos Arquitectónicos da década:

1902 - Inauguração do elevador de Santa Justa;
1903 - Publicação do novo regulamento de salubridade para as construções urbanas;
1904 – Aprovação do Plano Geral de Melhoramentos, apresentado pelo engenheiro Ressano Garcia (1847-1911);
1905 – Desenvolvimento das construções ao longo da Avenida Fontes Pereira de Melo e da futura Avenida da República;
1905 - Jardim Zoológico, nas Laranjeiras, Raul Lino;
1907 – Animatógrafo do Rossio;
1908 - Projecto para o Parque Eduardo VII do arquitecto Miguel Ventura Terra.

Da quarta à décima foto, a seguir às 3 imagens do Google MAP, são de 2008 e as seguintes de 2013.


Próxima publicação dia 21-04-2014 com o Prémio Valmor de 1911, na Avenida Alexandre Herculano 25, e arquitectada por Miguel Ventura Terra.

2 comentários:

  1. Património que, pelo que me dizem, está à venda a pataco :(
    Aquele abraço e votos de boa semana!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algum dele já começa a ficar à venda sim. A cultura antiga não é importante para um povo que nunca se interessou, verdadeiramente, pela cultura. É uma percentagem muita pequena que sabe o que é cultura e que a acha importante. Vive-se muito de mediatismo e de coscuvilhice, saber da vida dos outros, do dinheiro, da tecnologia, isso é que é importante. Os principais meios de comunicação bombardeiam-nos com esse tipo de notícias e fazem apologia desse tipo de postura.
      Arte, seja ela qual for, cada vez está ao alcance de menos, mesmo por não saberem o que é e onde encontrá-la. Isso é fomentado. Bom hoje, é ter um bom carro, um smartphone (que tire cafés de preferência !!!), um acesso à Internet de grande velocidade, um cem número de tretas que quase não serve para nada e que nos afasta daquilo que é a vida real. É preciso aparentar aos outros... seja lá o que for !
      Obrigado Pedro (desculpa o desabafo !)

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.