Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

domingo, 19 de janeiro de 2014

Gira-Discos (LI)


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

MadreDeus (1985 – 20xx) - São um dos grupos musicais portugueses de maior projecção mundial. A sua música combina influências da música tradicional portuguesa com a música erudita e com a música popular contemporânea.
A musicalidade do grupo sempre foi erroneamente referida como fado, género musical português mais conhecido internacionalmente, sobretudo pela imprensa fora de Portugal. O grupo nunca se descreveu desta forma, ainda que declarasse existir uma aproximação ao "espírito musical" do fado.
Nos seus vinte anos de carreira, os Madredeus lançaram 14 álbuns e estiveram em digressão por 41 países — incluindo a Coreia do Norte e um festival de música na Noruega, dentro do Círculo Polar Árctico.
Os elementos fundadores do grupo foram, Pedro Ayres Magalhães (guitarra clássica), Rodrigo Leão (teclados), Francisco Ribeiro (violoncelo) falecido em Setembro de 2010, Gabriel Gomes (acordeão) e Teresa Salgueiro (voz). Magalhães e Leão formaram o grupo em 1985, Ribeiro e Gomes juntaram-se a eles em 1986. Na sua busca por uma vocalista, descobriram Teresa Salgueiro numa casa nocturna de Lisboa, quando esta cantava alguns fados numa reunião informal de amigos. Teresa foi convidada para uma audição e aí surgia o grupo, o qual ainda não tinha um nome. A proposta inicial era a de uma oficina criativa, à qual todos os músicos levavam suas ideias e compunham em conjunto os temas e arranjos. Em 1987, o local de trabalho do grupo, o Teatro Ibérico (antiga igreja do Convento das Xabregas, num bairro de Lisboa, o bairro da Madredeus) serviu de estúdio de gravação para mais de quinze temas reunidos à época em um LP duplo, depois convertido para o formato de CD. Chamaram-no de “Os Dias da MadreDeus” e daí viria o nome do grupo. O carácter inovador do álbum fez com que os Madredeus se tornasse um fenómeno instantâneo de popularidade em Portugal à época.

"Guitarra”, do álbum “Ainda”, de 1995, música popular, composta por Pedro Ayres Magalhães/Popular/Rodrigo Leão, para a editora “Blue Note”.


"Ao Longe o Mar”, do álbum “O Espírito da Paz”, de 1994, para a etiqueta “Metro Blue”.

4 comentários:

  1. Para mim, os Madredeus foram um orvalho refrescante que desceu sobre a aridez da música pop de raízes lusas. Lamento não ter aparecido seguidores com o talento e a criatividade deste conjunto.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou de acordo quando te referes aos Madredeus, no entanto acho que outros grupos e bandas também foram bons, quando muito razoáveis. O estilo de música dos Madredeus deles era excepcionalmente diferente e bonito, e a voz da Teresa Salgueiro, essa era maravilhosa !
      Obrigado Maria José

      Eliminar
  2. Gosto da música do grupo e da voz de Teresa Salgueiro. Mas concordo com uma grande amiga, quando refere que tem de ser ouvida em doses moderadas, porque é muito "mais do mesmo"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez sim um pouco de razão da tua grande amiga !
      Obrigado Teresa

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.