A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

domingo, 24 de fevereiro de 2013

História da Música

Com guião, ilustrações e edição de Pablo Morales de los Rios e filmado por Jose Hinojosa, uma das possíveis maneiras de contar a história da música.        
           
Aumentem a imagem para a totalidade do vosso écran e coloquem em HD 1080p e deliciem-se com o passeio através dos tempos, dos compositores, das notas e dos instrumentos.    
             

Jazz Standards (LXXXVI)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)            
                
(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)     
               
It Don’t Mean a Thing (If It Ain’t Got That Swing) (#84) - Música de Duke Ellington e Letra de Irving Mills
Consideradas melodia e letra de substituição "It Don’t Mean a Thing (If It Ain’t Got That Swing)", teve sucesso imediato e isso deveu-se, de forma não negligenciável, para a vocalização de Ivie Anderson, que a apresentou com a “Duke Ellington Band” em Fevereiro de 1932. A versão original está disponível no CD de Ivie Anderson “It Don’t Mean a Thing”. A gravação de Ellington foi para as tabelas por seis semanas, chegando ao lugar seis. Em Setembro de 1932, a “Mills Brothers” fez outra versão e viu ela subir ao lugar sete. Foi a combinação certa de talento na hora certa, que fez a música imediatamente popular.
     
Ella Fitzgerald (Newport News, EUA, 25-04-1917 — Beverly Hills, EUA, 15-06-1996) – Em 1974 na cidade de Londres, com Joe Pass e outros.        
              
             
                
Real Group (1984 – 20xx) – Ao vivo em Estocolmo, este grupo de “capela” sueco. Com Emma Nilsdotter, Katarina Henryson, Anders Edenroth, Morten Vinther Sørensen, e Anders Jalkéus.         
               
              
                   
Thelonious Monk (Rocky Mount, EUA, 10-10-1917 — Weehawken, New Jersey, EUA, 17-02-1982)               
                 
            
                       
Duke Ellington (Washington, EUA, 29-04-1899 — New York, EUA, 24-05-1974) - Ivie Anderson (vocal, trombone), Joe Nanton (saxofone) Johnny Hodges tocou os solos instrumentais…           
                
              
                 
Letra    
               
It don't mean a thing, if it ain't got that swing
(doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah)
It don't mean a thing all you got to do is sing
(doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah)
It makes no difference
If it's sweet or hot
Just give that rhythm
Everything you've got
It don't mean a thing, if it ain't got that swing
(doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah)
It don't mean a thing all you got to do is sing
(doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah)
It makes no difference
If it's sweet or hot
Just give that rhythm
Everything you've got
It don't mean a thing, if it ain't got that swing
(doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah, doo-ah)
It makes no difference
If it's sweet or hot
Just give that rhythm
Everything you've got
It don't mean a thing if it ain't got that swing
It don't mean a thing all you got to do is sing
(doo-ah)
It makes no difference
If it's sweet or hot
Just give that rhythm
Everything you've got
Don't mean a thing all you've gotta do is swing
It don't mean a thing all you've gotta do is sing
It makes no difference
If it's sweet or hot
Give that rhythm
Everything you've got
It don't mean a thing if it ain't got that swing
(doo-ah, dooooo-aaaaah)
Don't mean a thing          
                  
Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos)

O Natal deu-me cabo da vida

Entender - Interacção Humorística (XCI)

Em 28-01-2011. Obrigado.     
           
Entender        
             
1) Candidato formado na Lusíada.
Director: - Qual é a coisa mais rápida do mundo ?
Candidato: - Ora, é um pensamento.
Director: - Porquê ?
Candidato: - Porque um pensamento ocorre quase instantaneamente.
Director: - Muito bem, excelente resposta.

2) Candidato formado na Católica
Director: - Qual é a coisa mais rápida do mundo ?
Candidato: - Um piscar de olhos.
Director: - Porquê ?
Candidato: - Porque é tão rápido que às vezes nem vemos.
Director: - Óptimo !

3) Candidato formado na Faculdade de Engenharia:
Director: Qual é a coisa mais rápida do mundo ?
Candidato: A electricidade.
Director: Porquê ?
Candidato: Ao ligarmos um interruptor, acendemos uma lâmpada a 5km de distância instantaneamente.
Director: Excelente !

4) Candidato fazendo curso em Novas Oportunidades:
Director: - Qual é a coisa mais rápida do mundo ?
Candidato: - Uma diarreia...
Director: - Como assim ? Explique isso...
Candidato: - Isso mesmo. Ontem à noite eu tive uma diarreia tão forte, que antes que eu pudesse pensar, piscar os olhos ou acender a luz, já me tinha cagado todo...
Director: - O emprego é seu !

Fundamento técnico e cálculo não são tudo... entender de cagadas é o que o mercado precisa.

Demo Windows 8

Será o Windows 8 assim tão simples? Descubra a resposta numa surpreendente iniciativa que teve lugar no passado dia 7 de Dezembro na “PC Experience” da “Fnac” do Chiado. O momento fala por si.      
            
Sem querer propagandear absolutamente nada, a Microsoft, com a sua população laboral (as pessoas é que fazem as empresas, nunca esquecer!), tem-nos dado momentos inesquecíveis durante os anos da sua expansão e nos quais a população mundial cada vez mais começou a depender dos computadores.        
             
Este é o exemplo de uma publicidade brilhante !              
               

Alguma “velha” publicidade televisiva (XXVII)

Bobby McFerrin– Jazz Singers (VI)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)           
                 
Bobby McFerrin (New York, 11-03-1950 – 20xx) - É um cantor com forte influência de jazz. Gravou vários clássicos do Jazz e da música erudita, além de outros géneros. A sua canção "Don't Worry, Be Happy" (1988) fez grande sucesso, e com ela venceu um “Grammy”.
Nascido no Reino Unido, mas radicado nos EUA, em Nova Iorque, é filho do conhecido barítono Robert McFerrin.
McFerrin trabalhou também com instrumentistas como Chick Corea, Herbie Hancock, Joe Zawinul, Richard Bona e Yo-Yo Ma.
É muito conhecido pela sua enorme extensão vocal de quatro oitavas e pela sua habilidade em usar a voz para criar efeitos diversos.
Além das actuações ao vivo, Bobby McFerrin criou álbuns em que é o único músico, cantando e simulando instrumentos. É também capaz de entoar canto difónico, prática muito comum em países asiáticos como Tuva, em que o cantor produz intervalos harmónicos e acordes a partir de uma só voz.
Em 1987, ele cantou a música tema de “The Cosby Show” e logo depois criou a música para um comercial do chocolate “Cadburys”.
Em1989, ele compôs e executou uma música para o curta-metragem “Knick Knack” da “Pixar”.
Em 1993, ele também cantou Henry Mancini's “Pink Panter”, música tema do filme “O filho da Pantera Cor-de-Rosa”.       
            
, uma improvisação, acompanhado pelo baixista Richard Bona.       
            
         
           
I’ve Got a Feeling            
            
       
            
Wachet auf, ruft uns die Stimme, (improvisação) de John Sebastian Bach, com o Jacques Loussier Trio.         
               
         
            
Honeysuckle Rose, uma improvisação, com Joey Blake, professor assistente no “Berklee College of Music”.    
              

Um fime de PES

PES is represented for commercials by RESET in the US and by Academy Films in the UK. 
            
Coloquem em écran inteiro e vejam esta animação que me faz lembrar o programa “Animação” do saudoso Vasco Granja.         
              
Western Spaghetti          
             
             
               

Gira-Discos (XL)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)      
             
Sheiks (1963 – 1968) - São um grupo musical português formado em 1963 por Paulo de Carvalho, Fernando Chaby, Carlos Mendes e Jorge Barreto. Apelidados de Beatles portugueses, tocavam o “Rock & Roll” típico da época e do qual foram os principais precursores em Portugal. Os “Sheiks”, cujo primeiro nome foi “Windsors & Black Riders”, começaram por tocar em festas e espectáculos organizados por escolas e universidades. Em 1965 editaram o seu “EP” de estreia que incluía uma versão do conhecido “Summertime” de George Gershwin. Ainda nesse ano, em Setembro, Barreto sai para dar lugar a Edmundo Silva (viola baixo), ex-“Conjunto Mistério”.         
                 
"Summertime”, de 1965, do seu primeiro disco, e composto por George Gershwin.       
             
           
               
"Missing You”, de 1966, 8º Lugar nas tabelas francesas.           
                 

Gira-Discos (XL)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)        
               
Thomas John Woodward (Sir OBE) (Pontypridd, Grã-Bretanha, 07-06-1940 – 20xx) – Tom Jones, como adoptou para seu nome de palco. É um cantor de música “Pop” do País de Gales. Aos dezasseis anos casou e teve um filho, muito antes de se tornar um ídolo da música “Pop”. Ele tornou-se um dos vocalistas mais populares da Invasão Britânica. Desde meados dos anos 1960, Jones cantou quase todas as formas de música popular, desde o “Pop”, “Rock”, “R&B”, bandas sonoras, “Country”, “Dance”, “Soul” & “Gospel”. Vendeu mais de 100 milhões de discos. Jones teve 36 sucessos, 40 êxitos nas tabelas Top no Reino Unido e 19 nos Estados Unidos, algumas de suas canções notáveis incluem "It's Not Unusual", "What's New Pussycat", "Delilah", "Green, Green Grass of Home", "She's a Lady", "Kiss" and "Sex Bomb". Tendo sido distinguido como OBE (Officer of the Most Excellent Order of the British Empire) em 1999, Jones recebeu o título da rainha Elizabeth II por "serviços prestados à música", em 2006. Tom Jones recebeu inúmeros outros prémios ao longo de sua carreira, incluindo um “Grammy” de “Best New Artist”, em 1966, um “MTV Video Music Award”, em 1989, e dois “Brit Awards” - vencendo “Best British Male”, em 2000, e “Outstanding Contribution to Music”, em 2003.
Tom habita actualmente nos Estados Unidos, mas visita frequentemente a sua terra natal no País de Gales.           
               
"It's Not Unusual”, de 1965, editado pela etiqueta “Parrot”, 1º. Lugar no Reino Unido e disco de ouro, 10º. Lugar nos EUA.      
             
        
               
It's not unusual to be loved by anyone
It's not unusual to have fun with anyone
but when I see you hanging about with anyone
It's not unusual to see me cry,
oh I wanna' die
It's not unusual to go out at any time
but when I see you out and about it's such a crime
if you should ever want to be loved by anyone,
It's not unusual it happens every day no matter what you say
you find it happens all the time
love will never do what you want it to
why can't this crazy love be mine
It's not unusual, to be mad with anyone
It's not unusual, to be sad with anyone
but if I ever find that you've changed at anytime
it's not unusual to find out that I'm in love with you
whoa-oh-oh-oh-oh        
               
"Delilah”, de 1968, editado pela etiqueta Decca, 2º. Lugar no Reino Unido e 15º. Lugar nos EUA.         
              

Anedotas do Herman

O Livro de Jazz em Portugal: 90 Anos de Swing nas Letras

Mostra patente na Biblioteca Nacional de Portugal, de 28 de Janeiro a 22 de Março de 2013.  
           
Uma exposição que todo o melómano deveria visitar !        
             

sábado, 9 de fevereiro de 2013

3º. Aniversário do “O Pacto Português”

“O Pacto Português” faz Segunda-Feira três anos, mas não vai acabar como aconteceu ao “Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades”. “O Pacto Português” onde como digo, “…já escrevo mal a nossa língua…”, por não ter aderido ao Acordo, vai continuar com os seus artigos que me tenho vindo habituando a publicar.            
            
A Música (linguagem universal !) será sempre a base das publicações no meu Blog. O Jazz ocupará sempre o lugar de destaque por ser importante, diferente, menos ouvido e porque gosto, mas também haverá espaço para os outros géneros musicais. Um pouco de humor, para nos fazer sorrir, e um cantinho para assuntos diversos que possam ser interessantes e culturais, para todos nós.            
                
Política pouquíssima, e quando existir, imparcial o mais possível. Quanto às notícias bombásticas, mediáticas, ou “cusquices”, aquelas que interessam a muitos e que fazem aumentar o número de leitores, lamento mas aqui, terão sempre percentagem zero, isto é não terão tempo de antena algum.        
                
Embora acredite que a curiosidade humana seja muito forte, nunca defendi/defendo/defenderei o “cusquice” da vida dos outros. Olhemo-nos ao espelho, vejamos primeiro a nossa própria vida e depois, se acharmos correcto, falemos então, construtivamente, da vida dos outros.            
           
Agradeço a todos os que me visitam e gostaria de um comentário vosso, ocasionalmente.   
              
Muito Obrigado

The Dalai Lama Centre - Educar o Coração

               
Obrigado Madalena !

Jazz Standards (LXXXV)

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)           
                    
(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)          
              
I Didn’t Know What Time It Was (#82) - Música de Richard Rodgers e Letra de Lorenz Hart
Esta canção de Rodgers e Hart foi apresentada pela primeira vez por Benny Goodman, com o vocalista Louise Tobin, para a etiqueta “Columbia”, em 13 de Setembro de 1939. A composição entrou para as paradas em 28 de Outubro, esteve lá durante 13 semanas e subiu à 6ª. posição. Em 23 de Dezembro, Jimmy Dorsey & His Orchestra versão bateu o tempo de duração nas tabelas, por duas semanas, e subiu para 13ª. posição.
Ao mesmo tempo, Marcy e Richard Westcott Kollmar cantaram “I Didn’t Know What Time It Was” no musical da Broadway, para o qual foi escrito, “Too Many Girls”, que estreou no “Imperial Theater” em 18 de Outubro de 1939, onde esteve em cena por 249 actuações.     
             
Stéphane Grappelli (Paris, França, 26-01-1908 — Paris, França 01-12-1997) e McCoy Tyner (Philadelphia, Pennsylvania, EUA, 11-12-1938 - 20xx) - Na “Operetta House Warsaw” para o “Warsaw Jazz Festival”, em Outubro de 1991.           
               
           
               
Wayne Shorter (Newark, New Jersey, EUA, 25-08-1933 - 20xx) – Com Wayne Shorter (saxofone tenor), Cedar Walton (piano), Bob Cranshaw (contrabaixo) e Art Blakey (bateria), do álbum “Second Genesis” de 11 de Outubro de 1960.             
                    
              
                
Doris Day (Cincinnati, Ohio, USA, 03-04-1922 - 20xx) – Em 17 de Junhode 1949, com os coros vocais “The Mellomen” e a orquestra de John Rarig.            
                 
       
            
Billie Holiday (Filadélfia, EUA, 07-04-1915 — New York, EUA, 17-07-1959) – Do álbum “Songs for Distingue Lovers”, com Ben Webster (saxophone tenor), Harry "Sweets" Edison (trompete), Jimmie Rowles (piano), Barney Kessel (guitarra), Red Mitchell contrabaixo), Larry Bunker (bateria) e Alvin Stoller (bateria).           
              
         
                  
Letra      
             
Once I was young
yesterday, perhaps
danced with Jim and Paul
and kissed some other chaps.
Once I was young,
but never was naive.
I thought I had a trick or two
up my imaginary sleeve.
And now I know I was naive.
I didn't know what time it was
then I met you.
Oh, what a lovely time it was,
How sublime it was too!
I didn't know what time it was
you held my hand.
Warm like the month of May it was,
and I'll say it was grand.
Grand to be alive, to be young,
to be mad, to be yours alone!
Grand to see your face, feel your touch,
hear your voice say I'm all your own.
I didn't know what year it was
live was no prize.
I wanted love and here it was
shinning out of your eyes.
I'm wise, and I know what time it is now.
Once I was old
Twenty years or so
rather well preserved:
the wrinkles did't show.
Once I was old,
but not too old for fun.
I used to hunt for little girls
up my immaginary gun.
But now I ain for only one!
I didn't know what time it was
then I met you.
Oh, what a lovely time it was,
How sublime it was too!
I didn't know what time it was
you held my hand.
Warm like the month of May it was,
and I'll say it was grand.
Grand to be alive, to be young,
to be mad, to be yours alone!
Grand tosee your face, feel your touch,
hear your voice say I'm all your own.
I didn't know what time it was
live was no prize.
I whanted love and here it was
shinning out of your eyes.
I'm wise, and I know what time it is now.            
                   
Lamento, algumas eventuais falhas nas letras, encontradas na Internet, devido à própria improvisação dada pelos seus intérpretes, e muitas vezes de difícil entendimento. (Ricardo Santos)

O Velha

Boca Milagrosa - Interacção Humorística (XC)

Em 25-01-2011. Obrigado.       
            
Boca Milagrosa        
              
Numa viagem de comboio ia um velhinho sentado e à sua frente ia um casal de namorados na brincadeira.
O rapaz apertava o nariz da namorada e perguntava:
- Dói amorzinho?
- Dói sim. - Respondeu ela.
E então ele deu um beijo no nariz da rapariga e perguntou:
- E agora?
- Agora já passou.
Passados alguns instantes ele apertou a bochecha da rapariga e pergunta:
- Dói?
- Dói sim.
Então ele deu-lhe um beijo na bochecha e pergunta:
- E agora?
- Agora já passou.
E continuaram naquela vida até que o velho que ia à frente deles já cansado daquilo, diz: 
        
- Ouve lá, ò boquinha de anjo... curas hemorróidas?

Alguma “velha” publicidade televisiva (XXVI)

Emilie-Claire Barlow – Jazz Singers (V)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)             
             
Emilie-Claire Barlow (Toronto, Ontário, Canadá, 06-06-1976 – 20xx) – É uma cantora de jazz canadiana e actriz de voz. Os seus pais eram músicos profissionais, ela foi encorajada a cantar e a estudar vários instrumentos, incluindo piano, violoncelo, clarinete e violino. Por volta dos sete anos de idade, ela começou a sua carreira, cantando na televisão e em comerciais de rádio.
O primeiro álbum de Emilie-Claire Barlow intitulado “Sings” foi lançado em 1998. Ela recebeu três indicações para o Canada’s Juno Awards e foi nomeada "Female Vocalist of the Year" no “2008 National Jazz Awards”. Entre as suas influências musicais, Emilie-Claire Barlow, nomeou os artistas, Ella Fitzgerald, Tony Bennett e Stevie Wonder.
Emilie-Claire Barlow, também, deu voz a vários personagens de várias séries televisivas de animação, incluindo “Sailor Venus” e “Sailor Mars in Sailor Moon”, “Bakugan Battle Brawlers” e “Total Drama”.
Os seus avós foram Cy Leonard e Bob Homme. O pai dela é o premiado baterista de jazz, Brian Barlow. A sua mãe, Judy Tate, é uma compositora, orquestradora e cantora.          
                   
Don’t Think Twice, It’s All Right, composta por Bob Dylan, do álbum “The Beat Goes On” de Outubro de 2010. Ao vivo no “Canada AM”. Com Reg Schwager (guitarra), Ross MacIntyre (contrabaixo), Davide DiRenzo (bateria) e Tara Davidson (saxofone).           
             
           
              
Sushine Superman, composta por Donovan Leitch, na “À Belle et Bum” a 12 de Fevereiro de 2011.           
            
          
              
All I Do Is Dream Of You, composta em 1934. Música de Nacio Herb Brown e letra de Arthur Freed. Do álbum “Haven't We Met?”, de Março de 2009. Com Reg Schwager (guitarra), Kelly Jefferson (saxofone) e Ross MacIntyre (contrabaixo).          
                
             
                     
You're Driving Me Crazy, composta em 1930, para o musical “Smiles” por Walter Donaldson.            
                    

O Palácio Castelo de Versailles

Sou um privilegiado porque, na realidade,  já lá estive. Para além do Palácio (edifício) que é maravilhoso e majestoso, aquilo que mais me impressionou foram os jardins maravilhosos e incomensuráveis.
Aumentem a imagem destes pequenos “clips”, coloquem-nas em “alta definição” (1080 HD) e apreciem estas animações.          
           
         
                 
     
              
Se alguma vez tiverem a oportunidade de ir a Paris, Versailles é obrigatório ser uma das visitas. 

Músicas House MD (6ª. Temporada) (XXXVII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)      
             
Fiona Apple (New York, EUA, 13-09-1977 – 20xx) – É uma cantora, compositora e pianista norte-americana.
Canções metafóricas, temáticas psicológicas e melodias bem-trabalhadas fizeram com que Fiona Apple conquistasse cedo o apreço do público e dos críticos. O seu disco de estreia vendeu mais de 3 milhões de cópias nos Estados Unidos e com menos de vinte anos, a cantora ganhou o seu primeiro “Grammy”. Periodicamente também acompanha as digressões de outros grupos musicais, como a banda de “Indie Rock” “Coldplay”.    
                
Fiona Apple – Why Try To Change Me Now, ao vivo do concerto em tributo a “Cy Coleman”, no “Largo at the Coronet”, Los Angeles, Califórnia, em 15 de Janeiro de 2009.  
            
          
                 
Teddybears (1991 – 20xx) – É (anteriormente Teddybears STHLM) é uma banda sueca formada em 1991, conhecido por misturar “Pop”, “Rock”, “Hip-Hop”, “Electro”, “Reggae”, “Punk” e muitos outros géneros. Famosa por músicas, como "Cobrastyle" e "Get Mama a House". O grupo começou com o nome de “Skull”. Inicialmente era formada pelo cantor Patrik Arve e os irmãos Joakim Åhlund and Klas Åhlund, antes do baterista Olsson se ter tornado integrante do grupo. O grupo lançou o seu primeiro álbum "You Are Teddybears", no ano de 1993 e o segundo com o título de "I Can't Believe It's Teddybears STHLM" em 1996. O terceiro álbum "Rock 'n' Roll Highschool" foi lançado no ano de 2000 e consistia de elementos pertencentes à música electrónica que foi um ponto de partida, para o estilo da música anterior da banda. O quarto álbum "Fresh" veio a ser lançado no ano de 2005 incluindo as músicas "Cobrastyle" e "Hey Boy", as quais são duas, das mais conhecidas da banda.        
               
Teddybears – Rocket Scientist, ao vivo, na “P3 Gold 2010”.          
                  
              
             
Eric Bibb (New York, EUA, 16-08-1951 – 20xx) – É um americano que toca Blues acústicos. Cantor e compositor. Ele mudou-se para a Europa em 1970 e reside actualmente em Helsínquia, a capital da Finlândia, juntamente com a sua esposa finlandesa e directora de digressões, Sari Matinlassi-Bibb. O pai Leon Bibb, foi um cantor de musicais de teatro, que fez nome, durante parte da década de 1960 na cena folk de Nova York. O seu tio era o pianista de Jazz e compositor John Lewis, do grupo “Modern Jazz Quartet”. Os amigos da família incluem Pete Seeger, e actor, cantor e activista, Paul Robeson, padrinho do Bibb.   
                    
Eric Bibb – Shine On     
                

Anedotas do Herman