Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Prémio Valmor, Ano de 1902, Avenida Liberdade, Rua do Salitre 1-3

Encontra-se do lado direito quem desce a Avenida da Liberdade, do Marquês de Pombal, em direcção à Praça dos Restauradores, e situa-se na esquina da Rua do Salitre e da Avenida da Liberdade. À frente deste edifício fica a estátua erigida aos heróis da Grande Guerra (I Guerra Mundial). De frente para o edifício e tendo a dita estátua por trás de nós, do lado esquerdo, do mesmo, fica o antigo “Parque Mayer”, hoje transformado em parque, mas de estacionamento, e do lado direito sobe-se a Rua do Salitre.

O Prémio Valmor de 1902 foi atribuído ao Palácio Lima Mayer, uma construção de 1901, situada na Avenida da Liberdade fazendo esquina para a Rua do Salitre e da qual, era proprietário, Adolfo de Lima Mayer. O arquitecto foi Nicola Bigaglia, italiano radicado em Portugal.
A propriedade incluía, para além do edifício, um extenso jardim, no qual, em 1921, se edificou, o “Parque Mayer”, centro de concentração popular, durante muitos anos, em virtude das exibições da “Revista” à portuguesa, com os seus quatro teatros (Variedades, Capitólio, ABC e Maria Vitória), onde grandes cómicos do teatro português se tornaram famosos. Não vou aqui nomear ninguém porque vão-me faltar nomes.
Actualmente neste edifício, Rua do Salitre 1-3, funciona a Embaixada e Consulado de Espanha.

Arquitecto Nicola Bigaglia (1841-1908):

“De nacionalidade italiana, nascido em Veneza, veio para Portugal em 1888, na mesma época em que outros artistas  de valor foram contratados pelo Governo português, como professores das Escolas Industriais, criadas por António de Augusto Aguiar e por Emídio Navarro.
Além de arquitecto, Bigaglia, foi um aguarelista distinto, um modelador de grandes recursos e um desenhador primoroso. A sua obra está dispersa por vários pontos do nosso território, muito embora fosse em Lisboa onde ela ficou mais representada. Conhecia a fundo a arte da decoração, sendo-lhe familiares os estilos clássicos, não só de arquitectura, como também do mobiliário, da tapeçaria, etc. Regeu, durante anos, a cadeira de Modelação Ornamental, na Escola Afonso Domingues, em Xabregas, após magistério na escola Industrial de Leiria,
De entre as obras que se ficaram a dever à presença de Nicola Bigaglia em Lisboa, são conhecidas ou referidas pelas publicações da época, as seguintes: o palácio e parque de José Pinto Leitão, na Rua Marquês da Fronteira, Nº.14-16; as residências de Michel Angelo Lambertini, na Avenida da Liberdade, Nº. 166 (Menção Honrosa do Prémios Valmor em 1904), e do Dr. Gama Pinto, na Rua das Taipas, Nº.16-20; os palacetes do Conde Burnay, na Rua da Junqueira, Nº.86, do Dr. António Caetano, na Rua de Santo António dos Capuchos, Nº. 1, e do Dr. Alfredo da Cunha, no Largo de São Vicente, Nº.5, etc.
Nos finais de 1907, princípios de 1908, Nicola Bigaglia, retira-se para Veneza, onde faleceu em 8 de Outubro.
Obteve o Prémio Valmor de 1902, com o edifício construído, na Avenida da Liberdade, tornejando para a Rua do Salitre, Nº.1-3, onde é hoje a Chancelaria da Embaixada de Espanha.”

In Bairrada, Eduardo Martins, “Prémios Valmor 1902-1952”, Edição 1988, CML.(sic)*

*http://www.priberam.pt/dlpo/sic
*sic |síque| (palavra latina) Advérbio: Sem alteração nenhuma; tal e qual. = assim

Acontecimentos referentes à década:

1902 - Inauguração do elevador de Santa Justa;
1903 - Publicação do novo regulamento de salubridade para as construções urbanas;
1904 – Aprovação do Plano Geral de Melhoramentos, apresentado pelo engenheiro Ressano Garcia (1847-1911);
1905 – Desenvolvimento das construções ao longo da Avenida Fontes Pereira de Melo e da futura Avenida da República;
1905 - Jardim Zoológico, nas Laranjeiras, Raul Lino;
1907 – Animatógrafo do Rossio;
1908 - Projecto para o Parque Eduardo VII do arquitecto Miguel Ventura Terra.

As quatro primeiras fotos, a seguir à imagem do Google MAP, são de 2008 e as seguintes de 2013. Nota-se que o edifício foi pintado e limpo.




Próxima publicação dia 18-12-2013 com o Prémio Valmor de 1903, na Rua Alexandre Herculano  57-57C, e arquitectado por Miguel Ventura Terra.

13 comentários:

  1. O edifício é lindo!!
    A merecer algum cuidado pelo que me é dado perceber nas fotografias.
    Aquele abraço!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em 2008 sim estava descuidado. Em 2013 eles pintaram-no e arranjaram-no. As fotos não foram tão conseguidas como queria por causa do polícia. O edifício pertence ao Consulado Espanhol, e eu tive de andar da esquerda para a direita, atrás do monumento à "Primeira Guerra", a fugir da autoridade. Ele ia para a esquerda e eu fotografava à direita e vice-versa.
      Obrigado Pedro

      Eliminar
    2. Pois pois... ainda és detido para interrogatório, suspeito de seres algum espião!!
      heheheh

      Eliminar
    3. Olha que foi giro porque no dia em que lá fui, estavam a fazer fotografia dois fotógrafos a duas modelos na estátua. Pena ser Inverno, porque a imaginar pela roupa, se fosse Verão, os heróis da Guerra não iam ficar quietos de certeza. Foi aí que aproveitei e à sucapa apanhando o polícia a olha para eles, treta ! para elas !!!... fui fotografando o edifício.

      Obrigado mais uma vez Deusa Grega !

      A propósito de grega e grego, agora há uns iogurtes gregos, nunca provei. Tu que andas por essas terras longinquas, já comeste disso ?

      Eliminar
  2. Boa tarde,
    Seu blog é cultural o que o que significa que por quem aqui passa fica mais culto, quem não gosta de saber sempre mais?
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tento mostrar coisas que eu penso serem importantes para todas as pessoas. Dá-me gozo fazer fotografia e colocar aqui música agradável.
      Obrigado AG

      Eliminar

  3. Este edifício é lindíssimo! Só tem um defeito: aquela bandeira espanhola lá enfiada!!
    (hehehe)


    Beijinhos à portuguesa
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O edifício é muito bonito sim. Se a bandeira fosse italiana era bem mais bonita. Gosto de italianas. Morenas com olhos verdes ! ... à Sporting !
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  4. Este edifício é mesmo bonito, merecedor sem dúvida de um prémio, Valmor ou outro.

    Beijinho :)

    *o que uma pessoa sofre para ilustrar um post eheheh

    **e já que perguntas, os iogurtes gregos são muito bons mesmo...eu adoro :)

    ResponderEliminar
  5. Olha Maria, obrigado pelo teu comentário.
    Acredita que as voltas que dei para não ser apanhado pelo polícia foram de alguma maneira cómicas. Os tipos que estavam a fotografar as duas modelos na estátua, acabaram por me facilitar a vida.
    Pois obrigado pela informação dos iogurtes. Eu agora ando numa dos de soja do Lidl que também são muitas bons e gulosos, embora te confesse que gosto bem mais de batatas com bacalhau !!!

    ResponderEliminar
  6. Não é um estilo que eu defina como bonito, mas reconheço-lhe carácter, austerididade e um certa imponência.
    Não é fácil fazer uma manutenção cuidadosa de um edifício destes e a embaixada mostrou não estar interessada nisso, como prova a "limpeza" recente.
    Obrigada pela partilha destas fotos que o colocaram em tanto risco!

    Já me deve conhecer de outros blogues comuns.
    No entanto, vou "apresentar-me" um pouco...
    Eu não perdoo quem se serve do trabalho brasileiro do Google e é contra o acordo ortográfico!
    É evidente que me custa muito usar as minhas palavras amputadas, palavras essas que ensinei cuidadosamente aos meus alunos, mas trata-se de agir por uma causa maior, a favor de habitantes de uma área quase 200 vezes maior que Portugal e que para estudar a sua Língua, têm a disciplina "Língua Portuguesa"!
    Espero que aceite posições diferentes à sua e tome por exemplo o desgosto do nosso admirável
    mestre: um inconformismo completamente inútil. Genial mas rotineiro, sem espírito apreciador de evolução e da mudança.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho absolutamente nada contra o Brasil ou contra o povo Brasileiro, bem pelo contrário. Seria estúpido da minha parte se assim o fosse. Tenho o maior respeito por aqueles que falam uma língua idêntica à minha, mas não só por esses, tenho-o por qualquer cidadão do Mundo.

      A Língua dita Portuguesa tem origem latina, o Latim foi a sua Língua Mãe, não fomos nós que a inventámos e isso, deve ser respeitado e tratado pelas pessoas qualificadas para o fazer, os linguistas de ambos os países, brasileiros e portugueses.
      Aceito obviamente posições diferentes da minha, como democrata que sou, mas o espaço do meu Blogue é em Português antes do acordo, embora todos os que por aqui passam, são bem recebidos neste espaço, independentemente, da raça, do credo ou do sexo, e da língua.
      O espanhol tem n línguas de origem hispânica, dos países da América Latina, mas conservaram todos a sua identidade. O Americano é Inglês US e o Inglês é UK.

      Não quero entrar em discussões linguísticas porque não sou linguista.

      O Prémio Valmor vai andar por aqui durante uns meses, com fotografias minhas e texto que foi colectado em documentos oficiais como já o referi.

      Agradeço a visita e as palavras.

      Eliminar

  7. Não é especializado em linguística, mas fez uma opção desta área, que coloca como lema do seu blogue!

    Quero apenas frisar que nunca poderia fazer um pacto com o português de Camões e de Pessoa, já que estes expoentes máximos da Língua Portuguesa escreviam de maneira muito diferente um do outro!
    Um pacto com LVIS DE CAMÕES, autor dos LVSIADAS, deveria significar que deveria escrever como ele.

    Cumprimento a sua educação e a sua elegância e se agradeceu a minha visita, eu agradeço a sua amável recepção e, do Algarve, voltarei com o meu orgulhoso português renovado.

    Pactos de Amizade são raros nos dias que correm.

    Com simpatia...

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.