A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Espanha – Santiago de Compostela

Compostela fez sempre parte do meu conhecimento académico como sendo uma das cidades mais importantes da Europa do século XVI, principalmente pela sua Universidade que nessa época era uma das mais famosas. Também a sua famosa Catedral, exemplo do estilo barroco (fachada) é uma obra de arte.
Santiago de Compostela é a capital da Galiza (Espanha), localiza-se na província da Corunha, de área 223 km2 com população de 93.712 habitantes (2007) e densidade populacional de 416,70 habitante/km2.
É uma cidade mundialmente famosa pela sua catedral de fachada barroca onde acorrem os peregrinos que perfazem os Caminhos de Santiago de maneira a depararem-se com o manto de Sant’Iago um dos apóstolos de Cristo, cujo corpo se diz que foi trasladado para aquele lugar.
No território que actualmente ocupa a catedral existia um povoado romano, que se tende a identificar como a mansão romana de Aseconia, que existiu entre a segunda metade do século I e o século V. O povoado desapareceu mas permaneceu uma necrópole (cemitério grandioso), a qual esteve em uso, provavelmente, até ao século VII.
O nascimento de Santiago, como se conhece agora, está ligada à descoberta (presumível) dos restos do Apóstolo Santiago entre 820 e 835, à elevação do nível religioso dos restos, à Universidade e, mais recente, à capitalidade da Galiza.
A fundação da Universidade no século XVI dá um novo impulso à importância de Santiago, em particular na Galiza.
O estabelecimento da autonomia da Galiza fixado pela capital galega, obtendo, como consequência um novo salto positivo no fim do século XX que contrastou amplamente a descida relativa da importância, como cidade universitária, ao criarem-se as universidades de Vigo e Corunha.
Em 1993 o Caminho de Santiago de Compostela foi considerado Património da Humanidade pela Unesco.   
         
No aspecto musical, trouxe para mostrar as fotos “batidas” em Setembro de 2005, três dos melhores guitarristas conhecidos, são eles: Al di Meola, John McLaughlin e Paco de Lucia, interpretando a música “Chiquito”, do álbum “Passion, Grace & Fire”, de 1982.    
      
Al di Meola (22-07-1954 - 20xx) – Guitarrista norte-americano nascido em New Jersey. Cursado no Berklee College of Music, em Boston, Massachusetts, junta-se em 1974 à banda de Chico Corea (piano), “Return to Forever”, com a qual tocou até 1976, altura da sua dissolução. Diversas colaborações se destacam, nomeadamente com Stanley Clarke (baixo), Jean Luc Ponty (violino), John McLaughlin (guitarra) e Paço de Lucia (guitarra). 19 Álbuns a solo (último “Al di Meola Revisited” de 2003) e 5 em colaboração com outros músicos (último “Cosmopolitan Life” de 2005, com Leonid Agutin (vocal/guitarra). http://www.aldimeola.com/     
         
John  McLaughlin (04-01-1942 - 20xx) – Guitarrista do Jazz Britânico, nascido em Yorkshire. Tocou com Miles Davis (finais de 60). Antes de emigrar para os EUA, há que ouvir um álbum “Extrapolation” com Tony Oxley (bateria) e John  Shurman (saxofone), de 1969, onde se mostra o exímio guitarrista que é McLaughlin. Em 1971, já nos “States” funda a famosa Mahavishnu Orchestra, fusão de música de jazz, com rock e com influências indianas. De seguida, um trabalho com Carlos Santana (guitarra), chamado “Love, Devotion & Surrender”, editado pela CBS, versão original em vinil de 1973. Nos anos 80 junta-se a Al di Meola e Paço de Lúcia. http://www.johnmclaughlin.com/        
           
Paco de Lucia (21-12-1947 - 20xx) – Francisco Sanchez Gomez, nascido Algeciras é um extraordinário guitarrista de “flamenco”. Filho mais novo de António Sanchez, também guitarrista de “flamenco”. Mãe portuguesa, chamada Lúcia. Irmão de Pepe de Lucia (cantor) e Ramon de Algeciras (guitarra). Em 2004 é Prémio Príncipe das Astúrias. Compôs também bandas sonoras, para, entre outros,  Carlos Saura (realizador cinema espanhol). Com uma discografia composta por 29 Álbuns (último “Cositas Buenas” de 2004), apresentado no Concerto de 29 de Novembro de 2007, em Lisboa, no Campo Pequeno. http://www.pacodelucia.org/            
               
(In Wikipédia, os textos sobre Santiago de Compostela e sobre os três guitarras que musicalmente nos acompanharam. A tradução e adaptação são de Ricardo Santos)     
           
Penso que quem não os conhece e se ficou a gostar desta música, que os oiçam no Youtube, ou adquiram alguns títulos por eles tocados, nomeadamente os álbuns, “Passion, Grace and Fire”, de 1982 e “Friday Night in San Francisco”, de 1988, onde os três actuam em conjunto.     
          

6 comentários:

  1. Ainda não conheço Santiago de Compostela.
    Mas quero conhecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pedro se tiveres oportunidade de lá ir conhecer, vale a pena. A Catedral é assombrosa.
      Obrigado

      Eliminar

  2. Santiago de Compostela, ainda mais que Braga, é a cidade do Barroco.
    Fui uma única vez em visita à cidade e já poucas memórias tenho da viagem que fiz precisamente há 30 anos.
    As tuas fotos são excelentes para colmatar os lapsos da minha memória.


    Beijinhos barrocos
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Santiago de Compostela é uma terra bonita e a Catedral é maravilhosa.
      Obrigado Afrodite

      Eliminar
  3. Grande falha minha mas nunca fui a Santiago de Compostela...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luísa ainda estás muito a tempo de lá ir, mas de preferência com o tempo quente.
      Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.