A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Pat Metheny e mais dez baladas …(XI)

Flor de acaso ou ave deslumbrante,
Palavra tremendo nas redes da poesia,
O teu nome, como o destino, chega,
O teu nome, meu amor, o teu nome nascendo
De todas as cores do dia!       
         
Alexandre O’Neill, “O teu nome”, in “No Reino da Dinamarca”        
          
Hermitage, do álbum “New Chautauqua” de 1979, para a etiqueta ECM.    
        
        
            
Marta's stag story, do álbum “Passagio per il paradiso” de 1996, para a etiqueta Geffen.       
    

6 comentários:

  1. Tenho praticamente tudo deste fabuloso guitarrista. :-)
    Abracos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom Dia, olha se puderes e quiseres, obviamente, dá-me o teu endereço de mail, para o meu ricardosantos1953@gmail.com para, eventualmente podermos trocar algo que eu tenha e que tu não tenhas, ou vice-versa, via Dropbox. Eu tenho 34 títulos do PAt Metheny, sózinho, com o grupo, etc., etc..
      Um abraço
      Obrigado

      Eliminar
  2. Olá,
    sou um admirador de musica instrumental, confesso que não conhecia a boa musica que ouvi no seu belo blog.
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai passar mais vezes, vai dar para ouvir !
      Obrigado

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Luísa o Pat Metheny vai passar por aqui. É um dos meus músicos de eleição e sou daquelas pessoas que gosto de dar a conhecer géneros diferentes de música aos outros. Metheny é um dos melhores músicos contemporâneos, que toca a solo, em grupo, compõe Jazz, Jazz Fusão. Eu irei explicar isso tudo com exemplos de boa música, audível, mas diferente do rotineiro.
      Obrigado

      Eliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.