Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Lisboa (III) – Elevador de Santa Justa

Foi a minha visita matinal e digital, de 3 horas, do passado feriado, 1 de Maio de 2009. Os elevadores encontram-se em relativo bom estado. O elevador do Carmo, conhecido definitivamente, como elevador de Santa Justa, exteriormente, deveria ser limpo, retirada a ferrugem e pintado de novo com a sua cor original. A viagem não é barata, são 2,80€ para duas viagens. A descida por onde comecei, do lado da Rua do Carmo estava praticamente vazia à hora que desci, mas a subida do lado da Rua do Ouro (Rua de Santa Justa) estava cheia de turistas para visitar e subir/descer neste elevador centenário da cidade de Lisboa (Olisipo).
Façam-lhe uma visita, mesmo que não subam nele. É uma subida de escassos segundos e sem grande interesse. Poderão visitar, não só do lado da Rua de Santa Justa, mas também, e principalmente, do lado do Largo do Carmo. O passeio é agradável. Subir a Rua do Carmo, depois a Rua Garrett e finalmente a Calçada do Carmo. Eis-nos chegados ao Largo do Carmo, que a mim me parece sempre, quando lá estou, estar de vsita ao século XIX. A entrada para o elevador e para a passagem pedonal sobre a Rua do Carmo, encontra-se junto às ruínas do Convento do Carmo do lado direito quem vem da Calçada do Carmo. A vista daqui de cima, sobre a baixa lisboeta, o rio, o castelo, o Rossio, é extremamente bonita.
   
Na 1ª. fotografia tirada à placa da Carris (empresa transportadora de Lisboa) no portão entrada para o acesso ao elevador, no Largo do Carmo, diz-se (sic):  
        
Elevador do Carmo

Único elevador vertical para transporte público de passageiros em Lisboa, foi inaugurado no dia 10 de Julho de 1902, facultando rápidas viagens entre o Largo do Carmo e a Rua do Ouro. Utilizando a electricidade como força motriz desde 1907, funcionou, inicialmente, por meio de máquinas a vapor.”           
                 
http://revelarlx.cm-lisboa.pt/gca/?id=448

Engenheiro: Raoul Mesnier de Ponsard (1848-1914)

Em 30 de Abril de 1896, a Câmara Municipal de Lisboa concedeu a autorização de construção e exploração de um elevador em movimento vertical, das Escadinhas de Santa Justa ao Largo do Carmo, ao engenheiro de ascendência francesa, Raul Mesnier de Ponsard. A sua construção iniciou-se em 2 de Julho 1900. Na tarde de 31 de Agosto de 1901, procedeu-se ao assentamento da sua ponte metálica. A inauguração deste elevador ocorreu a 10 de Julho de 1902, às 12h, com o lançamento de doze morteiros. O elevador estava enfeitado com bandeiras, flores e verduras. O elevador é todo construído em ferro. As suas duas torres estão inacabadas; segundo o projecto inicial deveriam rematar em cúpulas e minaretes, os quais nunca foram construídos. Em cada torre existe uma cabina para transporte de 30 passageiros. As cabinas eram ligadas por um cabo de aço e duas correntes. O elevador era movido por duas máquinas a vapor com a força de 12 cavalos. À medida que uma cabina subia, descia a outra. Foi electrificado em 1906. Último dos nove elevadores construídos em Lisboa, o elevador de Santa Justa, ou elevador do Carmo, também designado por Ascensor Ouro-Carmo, tem uma altura de cerca de 32 metros, e liga a Baixa ao Largo do Carmo. De todos os elevadores de Lisboa, este exemplar da arquitectura de ferro, em estilo neogótico, é o mais monumental, com uma arquitectura mais elaborada recriando no ferro as inspirações medievais da arquitectura do Convento do Carmo. Em 1939, passou para a posse da Carris. Muito conhecido pelos turistas, a sua utilização diminuiu com o incêndio do Chiado e fecho de alguns estabelecimentos comerciais na zona. Fechado ao público durante 13 anos, por razões de segurança, foi reaberto em Dezembro de 2005. Em 2002, foi classificado Monumento Nacional.

A música de fundo escolhida para a apresentação destas fotografias é a extraordinária canção “Haja O Que Houver” do grupo português “Madredeus”.   
        
Haja o que houver (letra e música: Pedro Ayres Magalhães), do álbum “O Paraíso”, de 1997. Teresa Salgueiro (voz), Pedro Ayres Magalhães (guitarra clássica), José Peixoto (guitarra clássica), Carlos Maria Trindade (sintetizadores) e Fernando Júdice (guitarra e baixo acústico).         
             

2 comentários:


  1. As fotos estão bonitas e para quem, como eu, nunca visitou este lugar emblemático de Lisboa, o vídeo dá uma excelente perspetiva do que um visitante pode esperar ver.
    Só me falta ir lá e viver em direto as mesmas sensações.


    Beijinhos com elevação
    (^^)

    ResponderEliminar
  2. Tenho de voltar à rua para fazer fotografia. A zona do Chiado e a ista para o Rossio (Praça D.Pedro IV) ficaram bem. Correu bem. Sou um mero fotógrafo amador. Sei os conceitos básicos e já um professor de curso me disse que "antes de «bater» a foto, devemos ver o que queremos meter dentro dela e levar o tempoo necessário para conseguir um bom enquadramento. Isso é 50% da fotografia.
    Obrigado pelo teu simpático comentário

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.