Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

domingo, 24 de março de 2013

Gira-Discos (XLI)


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)          
               
Silence 4 (1996 - 2001) – Foi um grupo musical português formado em 1996, cujas canções eram cantadas maioritariamente em inglês. A banda, proveniente de Leiria, era constituída por David Fonseca (voz e guitarra), Sofia Lisboa (voz), Rui Costa (baixo) e Tozé Pedrosa (bateria). A banda acabou por desmembrar-se em 2001 e o seu cantor e principal compositor, David Fonseca, iniciou-se numa carreira a solo. Rui Costa integrou a banda Filarmónica Gil e, mais recentemente, a banda A Caruma.
Tudo começou em 1995. O David e o Tozé já se conheciam e costumavam tocar juntos. Numa ocasião, o David mostrou as suas cassetes a Carlos Matos, dono de uma loja de música alternativa em Leiria. Ele gostou bastante e a ideia de formar uma banda era cada vez mais forte. Algum tempo antes, David tinha ouvido a Sofia a cantar num bar e tinha-lhe proposto a formação de uma banda. Sofia não ficou muito convencida, porque naquela altura os convites não faltavam, mas nunca era nada concretizado. Exactamente um ano após este encontro, David voltou a contactar a Sofia, dizendo que tinha chegado a altura de formar a banda.
Começaram a tocar com péssimas condições técnicas. Após algum tempo, Rui Costa foi convidado para se juntar à banda. Começou por lhes dizer que o som era péssimo. Então propôs uma experiência: que se desligassem os amplificadores e que tocassem assim, naturalmente. Para se ouvirem teriam de estar todos em silêncio, daí o "Silence" do nome da banda.
Enviaram uma maquete para o jornal Blitz, ganhando alguma notoriedade. Concorreram ao Festival Termómetro Unplugged e ganharam. Receberam de prémio 500.000$00 (cerca de 2500€), os quais foram todos gastos em gravações de maquetas. Quando foram tentar a sua sorte nas editoras, a resposta era sempre a mesma: cantar em Inglês, nem pensar.
Recusando ceder às exigências das editoras que queriam o disco todo em português, acabaram por ser convidados para gravar uma versão de uma canção dos Erasure, "A little respect" para a compilação "Sons de Todas as Cores" (1998). Pouco tempo depois o tema começa a ter sucesso em algumas estações de rádio mais importantes.
A Polygram (actual Universal), acabou por aceitá-los, embora com algumas restrições: orçamento mínimo (5 mil contos) e só receberiam «royalties» a partir dos 10 mil discos vendidos. Foi assim que surgiu o disco de estreia, "Silence Becomes It", que alcançou, contra todas as expectativas, a quintupla platina, passando vários meses em número 1 do Top Nacional. Este CD teve a participação de Sérgio Godinho.
Começaram a digressão por todo o país, durante a qual fizeram 90 concertos em 6 meses. No dia 18 de Dezembro, realizaram o mítico concerto no Pavilhão Multiusos para uma grande multidão. Durante 1999 continuaram a digressão, embora com menos concertos.
Seguiu-se um período de ausência, durante o qual se refugiaram em Londres, longe de todas as pressões. Foi nos estúdios Ridge Farm que nasceu "Only Pain Is Real". Neste segundo disco utilizaram piano e simuladores de orquestra. Este segundo álbum foi estreado em Leiria (2000) e atingiu a platina após 2 semanas. Fazem uma nova digressão, durante a qual realizaram mais de 100 concertos. A tour de 2000 terminou com dois concertos únicos no Coliseu dos Recreios (19 e 20 de Dezembro) que marcaram a memória dos presentes.
O grupo acaba com os seus elementos a enveredarem por outras iniciativas.
A editora Universal lançou, no dia 29 de Novembro de 2004, um duplo CD e DVD com o registo das duas noites de concerto no Coliseu dos Recreios, nos dias 19 e 20 de Dezembro de 2000.          
                
Borrow”, de 1998, do álbum “Silence Becomes It”.       
                  
               
                    
To Give”, de 200, do álbum “Only Pain Is Real”.            
                    

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.