A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

domingo, 18 de novembro de 2012

5MJZ (XXXVI) - Chet Baker

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos; e ainda In Duarte, José, História do Jazz, 2ª. Edição, Editora Sextante, Novembro de 2009)         
             
Se Luís Villas-Boas é considerado o pai do Jazz em Portugal, José Duarte é também uma figura proeminente e importante na divulgação deste género musical no nosso País.
Estamos a passar, com o auxílio do “Youtube”, como é habitual, algumas das músicas, consideradas obrigatórias pelo José Duarte e constantes numa edição de três CD’s sobre o programa “Cinco Minutos de Jazz”, começado na década de 60 (1966), no “Rádio Renascença”, depois na Rádio Comercial e mais tarde na Antena 1, onde ainda hoje e há mais de 40 anos se divulga o improviso na rádio do nosso país.     
               
Terminam hoje, os artigos musicais sobre os “5 Minutos de Jazz”, uma tripla edição de CD’s sobre algumas composições essenciais, na opinião do José Duarte, para serem ouvidas por nós. Espero que vos tenha agradado, a mim agradou-me, E que, de alguma maneira, muita dela tenha ficado no vosso ouvido. Como costumo dizer, é preciso sair da rotina e do trivial que nos dá a nossa rádio, na generalidade com qualidade musical sofrível.
Quero agradecer, obviamente, ao José Duarte que ao longos destes anos nos tem trazido, muito do que se faz de muito bom, em apenas 5 minutos. Obrigado pela de bons momentos de “Jazz” na nossa rádio e continua !!!              
                   
Chesney Henry “Chet” Baker Jr. (Yale, Oklahoma, EUA, 23-12-1929 – Amsterdão, Holanda, 13-05-1988) – Foi um trompetista cantor de Jazz. Criado até aos dez anos de idade, numa fazenda de Oklahoma, a família partiu para Los Angeles, no final dos anos 1930, quando começou a estudar teoria musical. Chet Baker sempre foi influenciado pelo seu pai, guitarrista, de quem herdou a paixão pela música e de quem ganhou, aos 10 anos de idade, um trombone. Amante do Jazz, não tardou em conquistar o sucesso, sendo apontado, como um dos melhores trompetistas do género, logo após a saída do seu primeiro disco.
Ainda bem jovem, passou a integrar grupos de renome da música americana da época. Os seus primeiros trabalhos foram com a “Vido Musso's Band” e com Stan Getz (saxofone), porém Chet só conheceu o sucesso depois do convite de Charlie Parker (Bird) (saxofone), em 1951, para uma série de apresentações na Costa Oeste dos Estados Unidos. Em 1952 entrou para a banda de Gerry Mulligan (saxofone), alcançando grande notoriedade com a primeira versão de “My Funny Valentine”. Entretanto, em virtude dos problemas de Gerry com as drogas, o quarteto acabou tendo uma vida curta, menos de um ano. O talento de Chet logo o transformaria num ídolo, por toda a América e pela Europa.
Especialistas dividem a vasta obra do músico em duas etapas: a fase “Cool”, do incio da sua carreira, mais ligada ao virtuosismo jazzístico, e a outra, a partir de 1957, quando a sensibilidade na interpretação torna-se ainda mais evidente.   
           
Polka Dots And Moonbeams", é um “standard de jazz”, com música de Jimmy Van Heusen e letra de Johnny Burke, publicado em 1940 (*). Foi o primeiro sucesso de Frank Sinatra que gravou com a de “Tommy Dorsey Orchestra”. A canção é uma das 100, dos “standard de jazz”, gravadas com mais frequência, com arranjos de Gil Evans (piano) entre outros, e gravações notáveis por Wes Montgomery (guitarra), Lester Young (saxofone), Sarah Vaughan (vocal) e muitos outros.
Talvez um dos temas mais conhecidos de Chet. Aqui a formação são: Chet Baker (trompete), Al Haig (piano), Paul Chambers (contrabaixo) e Philly Joe Jones (bateria). Do álbum, com o mesmo nome, de 1967.        
              
(*) 1940 – Charlie Parker integra a orquestra de Jay McShann e grava pela primeira vez; Charlie Chaplin realiza o filme “O Grande Ditador”; Trotsky é assassinado no México e as “meias de vidro” são postas pela primeira vez à venda, nos Estados Unidos.       
              

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.