Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sábado, 2 de junho de 2012

5MJZ (XXII) – John Coltrane Quartet


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos; e ainda In Duarte, José, História do Jazz, 2ª. Edição, Editora Sextante, Novembro de 2009)            
                    
Se Luís Villas-Boas é considerado o pai do Jazz em Portugal, José Duarte é também uma figura proeminente e importante na divulgação deste género musical no nosso País.
Estamos a passar, com o auxílio do “Youtube”, como é habitual, algumas das músicas, consideradas obrigatórias pelo José Duarte e constantes numa edição de três CD’s sobre o programa “Cinco Minutos de Jazz”, começado na década de 60 (1966), no “Rádio Renascença”, depois na Rádio Comercial e mais tarde na Antena 1, onde ainda hoje e há mais de 40 anos se divulga o improviso na rádio do nosso país.              
                      
John William Coltrane (kōl'trān) - (Hamlet, North Carolina, EUA, 23-09-1926 — Long Island, New York, EUA, 17-07-1967) - Foi um saxofonista e compositor de jazz norte-americano, habitualmente considerado pela crítica especializada como o maior saxofone tenor do jazz e um dos maiores jazzistas e compositores deste género de todos os tempos. A sua influência no mundo da música ultrapassa os limites do jazz, indo desde o rock até a música erudita.
Actuou principalmente durante as décadas de 1950 e 1960. Embora tocasse antes de 1955, os seus principais anos foram entre 1955 e 1967, durante os quais reformulou o jazz e influenciou gerações de outros músicos. As gravações de Coltrane foram prolíferas: ele lançou cerca de 50 gravações como líder nesses doze anos, e apareceu em outras tantas lideradas por outro músicos. Através da sua carreira, a música de Coltrane foi, progressivamente, tomando uma dimensão espiritual que iria consagrar o seu reportório musical.
Juntamente, com os saxofonistas tenores Coleman Hawkins, Lester Young e Sonny Rollins, John Coltrane mudou as perspectivas do seu instrumento. Coltrane recebeu uma citação especial do “Prémio Pulitzer” em 2007, pela sua "improvisação suprema e perita, o seu musicalismo máximo e ser um dos ícones centrais na história do jazz."
Filho de John Robert Coltrane e de Alice Blair Coltrane, John William Coltrane nasceu em 23 de Setembro de 1926 em Hamlet, na Carolina do Norte. Após a nomeação do seu avô, o Reverendo William Blair, para a Igreja Metodista Africana Episcopal de Sião, e com apenas dois meses de idade, muda-se, com a família, para High Point, também na Carolina do Norte.
John cresceu no meio de uma família de músicos. O seu pai, que era alfaiate, tocava violino e “ukulele” (banjo), e sua mãe cantava no coro da igreja.
Em 1939, aos treze anos de idade e após terminar o ano primário, perde o seu pai, o seu tio e os seus avós num intervalo de um mês, restando somente ele, a sua mãe, a sua tia e o seu primo. A sua mãe começou a trabalhar, como doméstica, para sustentar a família, enquanto ele terminava o secundário.
Na banda da escola ele aprende primeiramente a tocar clarinete, mas decide largar este instrumento, pois interessou-se mais pelo saxofone alto, depois de ouvir o saxofonista Johnny Hodges com a banda de Duke Ellington no rádio. As suas influências musicais naquela época foram o saxofonista tenor Lester Young e a orquestra de Count Basie.          
                
Giants Steps", de 1959 (*), do álbum com o mesmo nome “Giant Steps”, para a Atlantic Records. Gravado a 4 e 5 de Maio de 1959, com John Coltrane (saxofone tenor), Tommy Flanagan (piano), Paul Chambers (contrabaixo) e Art Taylor (bateria).
Giant Steps foi o segundo álbum a ser gravado para a etiqueta Atlantic, e marca a primeira vez que todas as faixas foram compostas por John Coltrane. O álbum demonstra o fraseado melódico de Coltrane que mais tarde viria a se chamar “sheets of sound”, apresentando também um novo conceito harmónico, mais tarde conhecido como "Coltrane changes".
O álbum é também considerado como o adeus ao estilo, chamado "Bebop", e a entraria num novo território, chamado “Jazz Modal”.
John Coltrane ficou conhecido por vir para o estúdio com as músicas não ensaiadas. "Giant Steps" não foi excepção. Na gravação original, Tommy Flanagan (piano) tocou um solo start-stop irregular, onde parece que ele está lutando para improvisar sobre as mudanças de Coltrane sem uma preparação adequada. Flanagan mais tarde em sua carreira, dominou a progressão, após várias visitas e gravações a “Giant Steps”. Em alguns dos “takes” desta composição, o suplente Cedar Walton ao piano, recusa-se a fazer um solo e também a tocar num ritmo mais lento, do que aquele que executa com Tommy Flanagan.           
                          
(*) 1959 – Morre a cantora Billie Holiday; António Carlos Jobim e João Gilberto gravam “Chega de Saudade” dando início à “Bossa Nova”; A cidade Brasília é projectada pelos arquitectos Óscar Niemeyer e Lúcio Costa; Mary Leakey descobre o crânio do “Zinjanthropus” em Olduval.              
                

4 comentários:

  1. Do John Coltrane tenho um CD, o Blue Train com a música do mesmo nome, Moment's Notice, Locomotion, I'm old Fashioned, Lazy Bird
    Faz parte de uma colecção que fiz há uns anitos The Blue Note Collection.

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Afinal gostas de Jazz e de ouvir coisas diferentes !

    ResponderEliminar
  3. Afinal gostas de Jazz e de ouvir coisas diferentes !

    ResponderEliminar
  4. Gosto de quase todos os géneros de música, mas têm que estar afinados com o estado de espírito do dia... ou hora lol

    Vi-me grega para chegar onde tinha deixado o comentário porque com tanto para ler e ouvir, até me deu a sensação que já não vinha aqui há um ano... ou dois lol

    ResponderEliminar

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.