A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

domingo, 20 de maio de 2012

A vida termina um dia

Dois dias e dois anos depois de ter perdido uma colega muito querida, volta a acontecer, no dia 16 de Maio, passada Quarta-Feira, perdi do convívio terreno um ex-colega de trabalho, do meu tempo de técnico de informática “onsite”, num trágico acidente de mota, na Marginal.
             
A vida termina um dia para todos. Esperamos que o seja sempre sem dor, mas do nosso destino não conseguimos fugir.     
          
Os que cá ficam, no entanto, estão todos a tempo de continuar a ajudar quem precisa, para que quando o nosso dia chegar tenhamos a consciência que o nosso papel na Terra foi responsável.      
         
Caro Amigo que a tua Alma descanse em Paz é o que desejo, com a esperança de que a vida tenha continuidade, de alguma maneira para lá, do que é tabu.  

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.