Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

domingo, 22 de abril de 2012

5MJZ (XVI) - Fletcher Henderson Orchestra


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos; e ainda In Duarte, José, História do Jazz, 2ª. Edição, Editora Sextante, Novembro de 2009)             
                 
Se Luís Villas-Boas é considerado o pai do Jazz em Portugal, José Duarte é também uma figura proeminente e importante na divulgação deste género musical no nosso País. Estamos a passar, com o auxílio do “Youtube”, como é habitual, algumas das músicas, consideradas obrigatórias pelo José Duarte e constantes numa edição de três CD’s sobre o programa “Cinco Minutos de Jazz”, começado na década de 60 (1966), no “Rádio Renascença”, depois na Rádio Comercial e mais tarde na Antena 1, onde ainda hoje e há mais de 40 anos se divulga o improviso na rádio do nosso país.            
              
James Fletcher Hamilton Henderson, Jr. (Cuthbert, Georgia, EUA, 18-12-1897 – New York, EUA, 18-12-1952) - Foi um pianista norte-americano, chefe de banda, orquestrador e compositor, importante no desenvolvimento do Jazz “Big Band” e o “Swing”. A sua banda foi uma das orquestras mais prolíferas e a sua influência foi bastante grande. Ele foi muitas vezes conhecido como "Smack" Henderson (aparentemente chamado devido ao basebol e à sua facilidade em bater bolas). Fletcher Henderson nasceu em Cuthbert, Georgia. Ele frequentou a Universidade de Atlanta, em Atlanta, Georgia e formou-se em 1920. Após a formatura, ele mudou-se para Nova York para frequentar um mestrado de química, na Universidade de Columbia. No entanto, o seu percurso em Química era muito restrito, devido à sua raça (preto), e virou-se para a música para conseguir viver. Gravava para a etiqueta jovem “Black Swan” (1921-1923). Nos meados e ao longo dos anos de 1920, Henderson deu acompanhamento de piano solo para muitos cantores de “Blues”. Em 1922 ele formou a sua própria banda, que foi a primeira residente no “Alabam Club”, e em seguida, no “Roseland Ballroom”, e rapidamente tornou-se conhecida como a melhor banda Afro-Americana, de Nova York. Por um tempo as suas ideias sobre orquestração foram fortemente influenciadas por Paul Whiteman, mas quando Louis Armstrong juntou a sua orquestra em 1924, Henderson percebeu que esta poderia ter um potencial muito mais rico para a orquestração de banda de Jazz. A banda de Henderson também impulsionou talentos formidáveis, as orquestrações de Don Redman (1922-1927). Entre os anos 1920 e 1930, Henderson escreveu realmente poucos arranjos, a maioria das suas gravações foram orquestradas por Redman (entre 1923 e 1927) ou Benny Carter (entre 1927 e 1931). Como orquestrador, Henderson começou ele próprio a sê-lo, na sua própria banda, em meados dos anos 1930.
…               
               
King Porter Stomp", 1905, de Jelly Roll Morton.  É um “standard” era do swing-by Jelly Roll Morton. A composição é considerada como sendo importante no desenvolvimento do Jazz. De acordo com Jelly Roll Morton, a melodia foi composta em 1905. Morton registou pela primeira vez a música em 1923, como um solo de piano, mas não apresentar direitos de autor sobre a música até 1924. Nesse ano, Morton gravou uma versão em dueto com Joe "King" Oliver na corneta. Morton disse que ele tinha realmente escrito a melodia quase 20 anos antes, e que foi nomeado depois que seu amigo e colega pianista Porter King. Em 1935, Benny Goodman e sua orquestra gravam com orquestração de Fletcher Henderson, que se tornou um enorme sucesso, tornando-se um “standard” da era das “Big Bands”. Da gravação de Goodman caracterizada pela actuação do trompetista Bunny Berigan. Fletcher Henderson tinha gravado o seu próprio arranjo várias vezes com a sua própria banda durante os anos 1920 e início dos 1930. Outras grandes bandas também gravaram a música, como fizeram alguns grupos de jazz mais tradicionais. No final dos anos 1960 o chefe de banda Pat Williams gravou a canção no seu álbum “Shades Of Today” da Verve, em 1968.              
                 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.