Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sábado, 7 de abril de 2012

5MJZ (XIV) – Joe King Oliver Orchestra


(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos; e ainda In Duarte, José, História do Jazz, 2ª. Edição, Editora Sextante, Novembro de 2009)             
               
Se Luís Villas-Boas é considerado o pai do Jazz em Portugal, José Duarte é também uma figura proeminente e importante na divulgação deste género musical no nosso País.
Estamos a passar, com o auxílio do “Youtube”, como é habitual, algumas das músicas, consideradas obrigatórias pelo José Duarte e constantes numa edição de três CD’s sobre o programa “Cinco Minutos de Jazz”, começado na década de 60 (1966), no “Rádio Renascença”, depois na Rádio Comercial e mais tarde na Antena 1, onde ainda hoje e há mais de 40 anos se divulga o improviso na rádio do nosso país.         
               
Joe "King" Oliver (Aben, Louisiana, EUA, 11-05-1885 – 10-04-1938) – Foi um trompetista de jazz e chefe de banda. Ele ficou particularmente conhecido pelo seu estilo de tocar, pioneiro na utilização de mudos. Era também um compositor notável, escreveu músicas ainda hoje, regularmente tocadas, de onde se podem destacar “Dipper Mouth Blues", "Sweet Like This", "Canal Street Blues", e "Doctor Jazz". Ele foi o mentor e professor de Louis Armstrong. A sua influência foi tal que Armstrong afirmou uma vez, "se não fosse por Joe Oliver, o “Jazz” não seria o que é hoje".
Joseph Oliver nasceu em Aben, Louisiana, perto de Donaldsonville em Ascension Parish, e mudou-se para Nova Orleans durante a sua juventude. Oliver tocou trompete nas novas bandas de música e bandas de dança de Orleans e também no distrito, da cidade da luz vermelha, Storyville. A banda que co-liderou com o trombonista Kid Ory, considerado o melhor, na década de 1910, em Nova Orleans,  alcançou grande popularidade em Nova Orleans em todas as classes sociais e raciais. De acordo com uma entrevista na Tulane's Hogan Jazz Archive,  a viúva de Oliver, Stella Oliver, em 1919, declarou que após uma briga num baile onde Oliver estava a tocar, a polícia prendeu-o, à sua banda, e aos lutadores. Isso fez com que Joe Oliver decide deixar o Jim Crow do Sul.
Em 1922, depois de digressões na Califórnia, Oliver era o rei do jazz em Chicago, com King Oliver e sua “Creole Jazz Band” apresentando-se no “Royal Gardens”, mais tarde rebaptizado com o nome de “Lincoln Gardens”. Praticamente todos os membros desta banda tiveram carreiras a solo, notáveis. A formação incluía Joe Oliver (trompete), o seu protegido Louis Armstrong (trompete), Baby Dodds (bateria), Johnny Dodds (clarinete), Lil Hardin (mais tarde esposa de Armstrong) no piano, Honoré Dutrey (trombone), e William Manuel Johnson (contrabaixo e banjo). Gravações feitas por este grupo em 1923 demonstrou a arte séria que era o estilo “New Orleans”. Improvisação colectiva ou música “Dixieland” para um público mais amplo.            
              
St. James Infirmary Blues", do século XVII. É baseada numa canção popular do século XVIII, tradicional Inglês de origem anónima, embora às vezes creditado ao compositor Joe Primrose (um pseudónimo para Irving Mills). Louis Armstrong tornou famosa a sua gravação de 1928.           
              

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.