A paixão nua e cega dos estios, Atravessou a minha vida como rios

Sophia de Mello Breyner Andresen, A Paixão Nua, in “O Nome das Coisas”.

sábado, 24 de dezembro de 2011

Gira-Discos (XVIII)

(Dados Biográficos In Wikipédia e/ou In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)                 
                  
Banda do Casaco (1974 – 1984) - Foi uma banda musical portuguesa de “Rock” progressivo e uma das mais votadas ao esquecimento após o 25 de Abril. Depois do fracasso comercial que foi o projecto “Filarmónica Fraude”, António Pinho (vocalista) e Luís Linhares (teclas) juntam-se ao ex-“Música Novarum”, Nuno Rodrigues (vocalista, guitarra) e a Celso de Carvalho (violoncelo, contrabaixo) para formar o grupo “Banda do Casaco”. Este grupo juntou uma pesquisa etnográfica à música “Pop”, criando um trabalho de grande qualidade a nível musical e em que não foi descurada a crítica social, como aliás já tinha acontecido com a “Filarmónica Fraude”. Durante a sua existência (1974 a 1984) passaram pelas suas fileiras inúmeros músicos de grande nível, tendo algumas vezes a sua passagem pela “Banda do Casaco” sido o trampolim para uma carreira a solo. Em 1976, em “Coisas do Arco da Velha”, a memorável participação vocal de Cândida Branca Flor assegurou ao grupo a obtenção do título de “Melhor Disco do Ano”. Nuno Rodrigues assegurou sozinho a direcção do álbum “Também Eu” de 1982. Depois da saída do letrista de sempre António Pinho, Nuno Rodrigues reuniu com Celso de Carvalho, José Fortes, Ramón Galarza, José Moz Carrapa e Zé Nabo. A maior parte das vozes é de Concha. Nas vozes aparece ainda o próprio Nuno Rodrigues e Ti Chitas, pastora beirã de Penha Garcia. Em 1993, Nuno Rodrigues e Né Ladeiras reúnem-se para gravar a faixa "Matar Saudades" produzida por António Emiliano que foi incluída na reedição de "Banda do Casaco com Ti Chitas".       
                 
Malfamagrifada” de 1978, do album “Contos Da Barbearia”.              
                    
                  
                       
Na Cadeira Do Barbeiro” de 1978, do album “Contos Da Barbearia”.              
                        

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.