Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sábado, 11 de junho de 2011

Jazz Standards (XVIII)

O que é um “Jazz Standard” ?
  
Os termos “standards” ou “jazz standards” são muitas vezes usados quando nos referimos a composições populares ou de músicas de jazz. Uma rápida pesquisa na Internet revela, contudo, que as definições desses termos podem ser muito variar muito.
Então o que é um “standard” ?
Comparando definições de alguns dicionários e de estudiosos de música e baseando-nos naquilo que for comum e que estiver em acordo, será razoável dizer que:
“Standard” (padrão) é uma composição mantida em estima contínua e usada em comum, por vários reportórios.
...e …
Um “Jazz Standard” (padrão de jazz) é uma composição mantida em estima contínua e é usada em comum, como a base de orquestrações/arranjos de jazz e improvisações.
Algumas vezes, o termo “jazz standard” é usado para sugerir que determinada composição se torna um “standard”. Palavras e frases têm muitas vezes múltiplos significados e esta não é excepção. Neste sítio http://www.jazzstandards.com/ nós vamos usar a definição que tem maior aceitação geral, uma que aceita composições seja qual for a sua origem.   

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)       
 
(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)                                
                          
Laura (#35) - Música de David Raksin e Letra de Johnny Mercer
De acordo com o autor William Zinsser no seu livro, “Easy To Remember”: … o director Otto Preminger escolheu a composição “Sophisticated Lady” como o tema para “Laura”, mas o compositor David Raksin sentiu que a canção não era compatível com o carácter da personagem. Raksin teve o fim-de-semana para escrever uma música nova. No Domingo, sem nada satisfatório escrito no papel, até que leu uma carta da mulher que começava com “Dear John”, e a melodia até aí assombrada, pareceu surgir como que por magia. Um pouco mais tarde, depois da estreia de “Laura”, Abe Olman da “Robbins Music” perguntou a Johnny Mercer para escrever a letra do tema de Raksin. Embora Mercer ter dito ter assistido ao filme, ele confessou que na realidade, não se lembrava nada da canção. Olman deu-lhe a música e alertou-o que a Letra deveria ter como título o nome “Laura”. Algumas semanas mais tarde, Mercer estava a adorar a música e terminou a letra para a composição de David Raksin.
Em 1945, surgiram cinco gravações distintas de “Laura” nas tabelas, com a versão de Woody Herman e a sua orquestra tornando-se a mais vendida, com mais de um milhão de discos.                                             

Woody Herman (Milwaukee, Wisconsin, 16-05-1913 – 29-10-1987) – Woody Herman (vocal) e a sua orquestra, interpretando o tema, do filme “Laura” de 1944. Em 1945, para a Columbia Records.
    
    
Letra (versão de Woody Herman)
  
Laura is the face in the misty light
Footsteps that you hear down the hall
The laugh that floats on a summer night
That you can never quite recall
And you see Laura
On a train that is passing through
Those eyes how familiar they seem
She gave your very first kiss to you
That was Laura
But she's only a dream
She gave your very first kiss to you
That was Laura
But she's only a dream
     
Carly Simon (New York, 25-06-1945 - 20xx)             
          
            
Letra (versão de Carly Simon)             
           
Laura is the face in the misty light
Footsteps that you hear down the hall
The laugh that floats on a summer night
That you can never quite recall
And you see Laura
On a train that is passing through
Those eyes how familiar they seem
She gave your very first kiss to you
That was Laura
But she's only a dream
She gave your very first kiss to you
That was Laura
But she's only a dream
Dream, a dream, a dream                

Dave Brubeck (Concord, California, 06-12-1920 - 20xx) (quartet) – Quarteto de Dave Brubeck no “College of the Pacific”, em 14 de Dezembro de 1953. Com Dave Brubeck (piano), Paul Desmond (saxofone), Ron Crotty (contrabaixo) e Joe Dodge (bateria).

             
Erroll Garner (Pittsburgh, Pennsylvania, 15-06-1921 – Los Angeles, California, 02-01-1977) (trio) – Em 1945



Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.