Contigo nunca me perco, perdendo-me ! (Ricardo Santos)

sexta-feira, 4 de março de 2011

Jazz Standards (IV)

O que é um “Jazz Standard” ?

Os termos “standards” ou “jazz standards” são muitas vezes usados quando nos referimos a composições populares ou de músicas de jazz. Uma rápida pesquisa na Internet revela, contudo, que as definições desses termos podem ser muito variar muito.
Então o que é um “standard” ?
Comparando definições de alguns dicionários e de estudiosos de música e baseando-nos naquilo que for comum e que estiver em acordo, será razoável dizer que:

“Standard” (padrão) é uma composição mantida em estima contínua e usada em comum, por vários reportórios.

… e …

Um “Jazz Standard” (padrão de jazz) é uma composição mantida em estima contínua e é usada em comum, como a base de orquestrações/arranjos de jazz e improvisações.

Algumas vezes, o termo “jazz standard” é usado para sugerir que determinada composição se torna um “standard”. Palavras e frases têm muitas vezes múltiplos significados e esta não é excepção. Neste sítio http://www.jazzstandards.com/ nós vamos usar a definição que tem maior aceitação geral, uma que aceita composições seja qual for a sua origem.

(Dados Biográficos In Wikipédia e In AllMusic.Com - Todos os excertos das biografias foram adaptados e algumas vezes traduzidos por Ricardo Santos)

(Sobre o tema em questão, algumas palavras retiradas de “in
http://www.jazzstandards.com/compositions/index.htm” - adaptação e tradução por Ricardo Santos)

Honeysuckle Rose (#15) Música de Fats Waller e Letra de Andy Razaf
Honeysuckle Rose” foi introduzida, pelo seu compositor, como música de dança na revista musical “Load of Coal” em 1929, no “Connie’s Inn” em Harlem. “Honeysuckle Rose” e “Ain’t Misbehavin’”
Esta última também escrita nesse ano, para o musical “Hot Chocolates”, tornar-se-iam as duas mais duradouras composições, nascidas da longa colaboração entre o músico Fats Waller e o letrista Andy Razaf.

Django Reinhardt (Liberchies, Pont-à-Celles, 23-01-1910 - Fontainebleau, 16 May 1953) – Com Duke Ellington.



Anita O'Day (Chicago, Illinois, 18-10-1919 - Los Angeles, 23-11-2006) – Do DVD “Live in Tokyo 63”.



Letra (versão de Anita O’Day)

Every honey bee fills with jealousy
When they see you out with me
I don't blame them goodness knows
Honeysuckle rose

Flowers droop and sigh
When you're passing by
And I know the reason why
You're much sweeter goodness knows
You're my honeysuckle rose

Don't buy sugar you just have to touch my cup
You're my sugar it's so sweet when you stir it up
On the avenue people look at you
And I know just why they do
You're perfection goodness knows
And you're my honey honey

Every honey bee fills with jealousy
When they see you out with me
I don’t blame them goodness knows
Honey

Oh flowers droop an sigh
When you're passing by
And I know the reason why
You're much sweeter goodness knows
You're my honey honey

I don't buy sugar you just have to touch my cup
You're my sugar it's so sweet when you stir it up
On the avenue people look at you
And I know just why they do
You're much sweeter goodness knows
Honey

You're much sweeter goodness knows
My honeysuckle rose

Erroll Garner (Pittsburgh, Pennsylvania, 15-06-1921 – Los Angeles, California, 02-01-1977).



Ella Fitzgerald (Newport News, 25-04-1917 — Beverly Hills, 15-06-1996) – No Festival de Jazz de Montreux (Suiça) em 1979.



Letra (versão de Ella Fitzgerald)

Every honeybee.... fills with jealousy
When they see you out with me
I don’t mind them goodness knows
You’re my Honeysuckle rose

Flowers drop and sigh when they pass you by.
And I know the reason why
You’re goodness knows
You’re my Honeysuckle rose

Don’t buy sugar....you just have to touch my cup
You’re my sugar....it’s so sweet when you stir it up

Send the honey drip...from your tasty lips
And I know the reason why
You're much and sweetness knows
You’re my Honeysuckle rose

Every honeybee.... fills with jealousy
When they see you out with me
I don’t mind them goodness knows
You’re my Honeysuckle rose

Sem comentários:

Enviar um comentário

Eu fiz um Pacto com a minha Língua, o Português, língua de Camões e de Pessoa.